AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 20 de maio de 2019

Deputada do PS conseguiu fundos europeus para projetos que já estavam concluídos


Hortense Martins utilizou a empresa da qual era gerente para receber subsídio de construção para uma unidade de turismo que já estava a funcionar há 24 meses
Hortense Martins, deputada do Partido Socialista (PS), conseguiu um subsídio de 171 mil euros em 2010 para a construção de um Centro de Lazer e Turismo Gastronómico”, um projeto familiar que já funcionava há dois anos, avança o jornal Público esta segunda-feira.
Em 2013, apenas três anos depois, a deputada, que é líder do PS no distrito de Castelo branco e mulher do presidente da Câmara local, Luís Correia, conseguiu mais 105 mil euros para uma unidade de turismo que também já estava a funcionar na altura em que a respetiva candidatura foi aprovada.
Segundo o Público, a candidatura para obter financiamento foi feitra através da Investel, empresa da qual Hortense Martins era gerente e que pertencia à família da deputada.
De acordo com o regulamento, a aprovação deste tipo de apoio determina que as despesas efetuadas só podem ser reembolsadas se o investimento em causa não estiver concluído à data de aprovação do pedido de financiamento, escreve o mesmo jornal.
Na presidência da Adraces, uma associação de desenvolvimento regional, responsável pela aprovação dos subsídios estava na altura Arnaldo Brás, vereador na Câmara de Castelo Branco, António Realinho, diretor executivo e coordenador da equipa técnica da associação que, desde 1992 até agosto do ano passado, acumulou essas funções com as de vice-presidente e com a gerência de múltiplas empresas. Realinho cumpre desde agosto de 2018 uma pena de quatro anos e meio de prisão por burla e falsificação em negócios relacionados com uma das suas empresas.
Ao Público, Hortense Martins não confirmou as reuniões com António Realinho e refere que "nunca contratou os serviços do mesmo". No entanto, o jornal dá conta de mais de uma dúzia de reuniões que foram registadas entre ambos.
A deputada refere ainda que renunciou em 2011 à gerência da Investel.

sol.sapo.pt

Sem comentários: