AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sexta-feira, 26 de abril de 2019

NÃO ESTRANHAM AQUI NADA !? 25 DE ABRIL - 15 FRASES DE UMA SESSÃO SOLENE COM NOVE DISCURSOS



24.sapo.pt


“Mais ambição no Portugal pós-colonial, mais ambição na democracia, mais ambição na demografia, mais ambição na coesão, mais ambição na era digital e mais ambição na antecipação do futuro do emprego e do trabalho. Parece um programa impossível? Talvez. Mas a história faz-se sempre de programas, de ideias impossíveis. Portugal é uma impossibilidade com quase 900 anos. Porque haveríamos de ser nós a não acreditar em Portugal?”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República
“Não se conte com eles [jovens] para passadas ou futuras clausuras, fronteiras, prisões, interditos de circular e fazer circular pessoas, ideias e projetos de vida”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República
“O que querem os jovens? Os regimes têm que saber responder aos desafios do presente e dos futuros”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República
“[Marcelo Rebelo de Sousa] tem sido uma muralha simbólica contra o crescimento do populismo, pelo papel decisivo e essencial que tem assumido durante a sua Presidência da República".

Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República
“Em ano eleitoral deixo um apelo aos líderes políticos e parlamentares: que sejam capazes de travar um debate franco e leal, baseado em alternativas políticas claras. A política democrática é essencialmente isso: um confronto tolerante entre interesses sociais e programas políticos conflituantes”

Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República
“Não gostaríamos de voltar a ver Portugal sujeito a ajuda financeira externa, tal como sucedeu em 2011. Toda a ‘ciência governativa’ se resumiu ao exercício de uma gestão corrente adequada aos interesses de uma agenda tática, por forma a garantir a sobrevivência da coligação parlamentar. Compreende-se, mas é contraproducente”

Pedro Roque, deputado do PSD
“Os portugueses repudiarão qualquer Governo que ouse administrar a ‘coisa pública’ fazendo uso daquilo que pertence a todos como se se tratasse de uma propriedade de qualquer partido. Rejeitamos que critérios ‘clubístico-partidários’ ou de nepotismo se sobreponham ao mérito e ao interesse coletivo”

Pedro Roque, deputado do PSD
“Quando olhamos, porém, as incertezas e disfunções do nosso tempo e nos confrontámos com aliciamentos e receituários que se fazem atrativos, que trocam os medos pela intolerância, pela mentira e pelo apoucamento dos políticos e das instituições democráticas - com o propósito inconfessado não de as reformar, mas de as suprimir -, será um erro desvalorizarmos esses perigos para as democracias"

Carlos César, líder parlamentar do PS
“O Serviço Nacional de Saúde pode voltar a andar de cravo ao peito, como Arnaut o sonhou, ou manterá a porta aberta para o negócio dos privados, em cedência à pressão presidencial?”

Jorge Falcato, deputado do BE
“A novidade dos dias que correm é que Abril fica mais vivo com todas estas lutas porque este é o verdadeiro espírito que estes cravos carregam - a vontade de um povo que se agigantou nas adversidades e que se junta agora por novas conquistas”

Jorge Falcato, deputado do BE

Sem comentários: