AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 22 de abril de 2019

ESCÂNDALO: Jornal alemão diz que África paga à França 400 bilhões de euros por ano


FONTE: HOW AFRICA



Um jornal alemão acusa a França de saquear 440 bilhões de euros por ano aos africanos através do Franco CFA. Esta escravidão económica é importante para o desenvolvimento da economia francesa. 
Sempre que esse tráfego fracassa, a França está pronta para reconquistá-lo. Se um líder da zona CFA já não atende aos requisitos da França, Paris bloqueia as suas reservas cambiais. Mais: a França fecha os bancos neste país considerados "rebeldes". Este foi o caso da Costa do Marfim da era Laurent Gbagbo.

"O governo francês recolhe das suas antigas colónias a cada ano 440 bilhões de euros de impostos. A França depende das receitas provenientes da África, para não se afundar na insignificância económica", advertiu o ex-presidente Jacques Chirac.

Nos anos 50 e 60, a França decidiu que as colônias francesas da África se tornariam independentes. Embora o governo de Paris tenha aceitado declarações formais de independência, convidou os países africanos a assinar um chamado "pacto para a continuação da colonização". 

Eles concordaram em apresentar a moeda colonial francesa FCFA ("Franco das colónias francesas da África"), para manter as escolas francesas e o sistema militar, e estabelecer o francês como língua oficial.

O franco CFA é a denominação da moeda comum de 14 países africanos membros da zona Franco. Esta moeda, que constitui um freio ao surgimento desses países, foi criada em 1945, quando a França ratificou os acordos de Bretton Woods e procedeu à implementação de sua primeira declaração de paridade no Fundo Monetário Internacional (FMI). Isso foi chamado de "Franco das Colónias Francesas da África".

De acordo com esta lei, 14 países africanos ainda são obrigados a armazenar cerca de 85 por cento das suas reservas cambiais no Banque de France em Paris. Eles estão sob controle directo do Tesouro francês. 

Os países em questão não têm acesso a esta parte das suas reservas. Como 15% das reservas são insuficientes para suas necessidades, eles devem contrair empréstimos adicionais junto do Tesouro francês a preços de mercado.

Desde 1961, Paris controla todas as reservas cambiais no Benin, Burkina Faso, Guiné-Bissau, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal, Togo, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Congo, Guiné Equatorial e Gabão.

Além disso, esses países devem transferir anualmente a sua "dívida colonial", conforme a Silicon Africa 3 relatou em detalhes. A França leva cerca de 440 bilhões de euros por ano. O governo em Paris também tem direito de primeira recusa a todos os recursos naturais recém-descobertos nos países africanos.

Finalmente, as empresas francesas devem ter prioridade na adjudicação de contratos nas antigas colónias. Como resultado, as empresas detém a maioria dos activos nas áreas de abastecimento, finanças, transportes, energia e agricultura.

Sem comentários: