AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

FORÇAS DE SEGURANÇA VENEZUELANAS PRENDEM CRIMINOSOS COLOMBIANOS ARMADOS E APREENDEM ARMAS




As forças de segurança venezuelanas detiveram um grupo de cidadãos colombianos que participaram dos confrontos de sábado entre a polícia venezuelana e manifestantes na fronteira entre os dois países, disse uma fonte da polícia venezuelana ao Sputnik.

"Nós detivemos vários provocadores ... Eles estavam armados após a apreensão. Eles estavam atirando em soldados da Venezuela", disse a fonte.

A fonte acrescentou que os colombianos detidos já estavam prestando depoimento. Eles contaram às forças policiais sobre a localização de esconderijos de armas sob a Ponte Internacional Simon Bolivar, na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia.

"Ontem foi um dia difícil. Houve vários confrontos hoje. Bandidos colombianos dispararam tiros contra nós. Mas ontem vencemos", disse um técnico, que participou dos confrontos, ao Sputnik.


Um correspondente do Sputnik informou que a situação na fronteira já havia se estabilizado após os confrontos, mas o Exército e a polícia venezuelanos estavam em alerta total, prontos para repelir novos possíveis ataques da Colômbia.
Três pontes fronteiriças, através das quais a oposição tentou forçar a carga humanitária no país, estão atualmente bloqueadas.

Funcionários consulares colombianos saem da fronteira com a Venezuela a pé

Três funcionários consulares da missão diplomática colombiana, juntamente com suas famílias, deixaram a Venezuela em 24 de fevereiro, atravessando a fronteira a pé, informou um correspondente do Sputnik.

Os diplomatas colombianos, acompanhados pela polícia venezuelana, cruzaram a fronteira no assentamento de San Antonio.

Freddy Bernal, nomeado pelas autoridades centrais como o chamado protetor do estado de Tachira, disse que a Colômbia "forçou" a Venezuela a expulsar diplomatas.

"O pessoal diplomático da Colômbia foi ordenado a partir para Bogotá. Lamentamos que tenhamos sido forçados a tomar essa decisão, mas o país não pode tolerar tal agressão, tantas mentiras, não pode tolerar que outro país se torne uma base militar para uma invasão de Venezuela ", disse Bernal.

Segundo o político, a Venezuela é alvo de agressão e de um golpe liderado pelos Estados Unidos, com gangues criminosas da Colômbia na vanguarda desses esforços.
Em meio à crescente crise em torno das entregas de ajuda com destino à Venezuela, o Ministério da Defesa colombiano, em um comentário ao Sputnik em 23 de fevereiro, negou que as forças dos EUA estivessem se movendo em seu país no período que antecedeu as entregas.



O comentário foi feito depois que o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, rompeu relações diplomáticas com a Colômbia, acusando o país de usar seu território para "ataques contra a Venezuela" e ordenou a saída de diplomatas colombianos em 24 horas. A decisão foi tomada em meio a tentativas da oposição venezuelana, liderada pelo autoproclamado presidente interino Juan Guaido, de forçar a ajuda humanitária patrocinada pelos Estados Unidos ao país, inclusive através da Colômbia, que abriga um centro de coleta de ajuda. Maduro se recusa a permitir tal ajuda, chamando-a de "fake show" e um estratagema para tirá-lo do poder.
Antes de romper as relações diplomáticas, a Colômbia tinha uma embaixada em funcionamento em Caracas e 15 consulados nas principais cidades venezuelanas.


sputniknews.com


Sem comentários: