AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quinta-feira, 19 de setembro de 2019

O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos

As imagens assustadoras do genial pintor e artista plástico poloaco Zdzislaw Benksinki cobraram enorme popularidade nos últimos anos na Internet, de maneira póstuma. Suas pinturas de paisagens pós-apocalípticas, de monstros metafísicos, da angústia existencial e de verdadeiro horror cósmico que recorda Lovecraft são parte de alguma maneira da visão distópica de uma realidade que se mistura com os sonhos.

01
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 01
Entre as poucas referências que se têm do autor, citam que ele mesmo queria pintar como se estivesse fotografando seus próprios sonhos. E se estes eram seus sonhos, alguém devia ter perguntado pela inquietante condição de sua imaginação, certamente profusa, mas ao mesmo tempo horripilante.

O mesmo artista dizia que - "...o que importa não é o que aparece e seus olhos podem nomear, senão o que aparece em sua alma". No cristal da alma reflectem-se negros mundos cheios de criaturas e demónios, paisagens crepusculares cheios de símbolos e uma verdadeira beleza das profundezas.
02
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 02
03
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 03
04
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 04
05
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 05
06
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 06


07
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 07
08
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 08
09
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 09
10
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 10
11
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 11


12
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 12
13
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 13
14
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 14
15
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 15
16
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 16


17
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 17
18
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 18
19
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 19
20
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 20
21
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 21


22
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 22
23
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 23
24
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 24
25
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 25
26
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 26


27
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 27
28
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 28
29
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 29
30
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 30
31
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 31


32
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 32
33
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 33
34
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 34
35
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 35
36
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 36
37
O artista que conseguiu captar o máximo horror dos sonhos 37
Fonte: Bored Panda.


www.mdig.com.br

CARTOONS



VÍDEO - A GRANDE FARSA DO AQUECIMENTO GLOBAL





VÍDEO


Dia 6 de outubro - As Eleições Legislativas




E os jogos do poder!

As Eleições desde há uns anos a esta parte, resumem-se apenas à luta por pequenas alterações de pormenor entre os partidos do sistema, e mais próximos de alcançar o poder.

O curso da história desde finais do século passado, deixou de se poder equacionar e confrontar ideias opostas de Estado e Sociedade, nomeadamente, a questão da conquista do poder.

A Ocidente nada de novo, o Mundo mudou... as geoestratégias de quem pode e manda no Mundo... as grandes potências políticas, económicas e militares e suas zonas de influência também... o futuro fugiu-nos das mãos... e muitos não deram por isso.

Vive-se desde os anos 80, no neoliberalismo de casino, imposto pelos Estados Unidos e os seus países vassalos como por exemplo a UE.

A nossa participação eleitoral hoje, limita-se a procurar reduzir os efeitos dessas políticas de miséria, que nem reformistas chegam a ser.

Ainda assim há muito em jogo a perder ou a ganhar.

O que mudou foi o contexto e amplitude da nossa luta e da construção do futuro... estamos remetidos à condição de lutar por melhores condições de vida e de trabalho, entre um modelo de direita mais radical e vingativa no plano social, e as possibilidades de um poder mais democratizado e de sensibilidade social que só a esquerda tem... porém muitas das vezes só na palavra é de esquerda... para ganhar eleições.

Pelo que ainda é importante o voto de resistência às piores políticas vindas do poder aliado aos grandes interesses nacionais e estrangeiros.

Hoje a luta política à esquerda é comparada à luta sindical de outros tempos... limita-se a contrariar os piores efeitos negativos e de classe vindas do poder... e que para manter-se precisa dar e tirar depois... e assim sucessivamente.

Mais do que nunca é preciso lutar para resistir e assegurar condições de vida e dignidade social.

POR ISSO NA HORA DE VOTAR, CADA UM É LIVRE DE ASSUMIR AS SUAS ESCOLHAS - MAS SERÁ SEMPRE UM PRISIONEIRO DE CONSCIÊNCIA QUEM VOTA CONTRA OS DA SUA CLASSE - OS TRABALHADORES E O POVO!


paginaglobal.blogspot.com

António Jorge

VÍDEO - CURIOSIDADES



VÍDEO


TEM DÚVIDAS ? Para o Fisco, é diferente comer um gelado na rua ou na geladaria



Se comprar um gelado ao balcão e o comer na rua o Fisco impõe o IVA máximo, 23%. Mas se o pedir na esplanada, o gelado já só é taxado em 13%.


VÍDEO





tvi24.iol.pt

SÓ NA SONAE ? - Parlamento Europeu questiona Elisa Ferreira sobre ações da Sonae


A comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu levantou algumas questões, aquando da avaliação de Elisa Ferreira para a Comissão Europeia, por causa de ações da Sonae SGPS detidas pela portuguesa. Em causa está o facto de a Sonae beneficiar de fundos europeus.
Parlamento Europeu questiona Elisa Ferreira sobre ações da Sonae

A comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu levantou questões sobre a comissária portuguesa designada, Elisa Ferreira, por a anterior vice-governadora do Banco de Portugal deter ações no grupo Sonae




Fontes parlamentares indicaram à agência Lusa que o nome de Elisa Ferreira não teve, para já, 'luz verde' dos eurodeputados desta comissão parlamentar, sendo que a futura comissária portuguesa tem de responder às dúvidas colocadas até dia 25 de setembro, próxima quarta-feira.




A comissária europeia designada já contactou os serviços da Comissão Europeia para pedir esclarecimentos relativamente a "uma questão relacionada com um aspeto da sua declaração de interesses", revelou a porta-voz do executivo comunitário.

"Posso confirmar que a comissária indigitada Elisa Ferreira contactou os serviços da Comissão sobre uma questão relacionada com um aspeto da sua declaração de interesses [financeiros]. Estamos a analisá-la e providenciaremos aconselhamento sobre essa matéria. Entenderá que não o faremos nesta sala de imprensa", declarou Mina Andreeva na conferência diária da Comissão Europeia, em Bruxelas.

Em causa está o facto de Elisa Ferreira deter ações da Sonae SGPS e a empresa já ter beneficiado de fundos europeus. No limite, esta questão ficará resolvida se Elisa Ferreira vender os títulos que detém.

Os eurodeputados da comissão de Assuntos Jurídicos vão analisar a resposta de Elisa Ferreira e tomarão uma decisão até ao dia 27 de setembro. Posteriormente esta decisão é remetida à comissão do Desenvolvimento Regional, que é a comissão que vai ouvir Elisa Ferreira.

A audição da comissária portuguesa indigitada, que integra o futuro executivo comunitário com a pasta da Coesão e Reformas, já está agendada para o dia 2 de outubro. A data da audição a Elisa Ferreira - passo seguinte no processo após a atribuição da pasta - foi decidida esta quinta-feira, 19 de setembro, na conferência de presidentes do Parlamento Europeu, num debate realizado à porta fechada e à margem da assembleia europeia, na cidade francesa de Estrasburgo.


www.jornaldenegocios.pt

VÍDEO - AVANÇAR É PRECISO !




VÍDEO


A ESTES CADA VEZ SE DÁ MENOS CRÉDITO





Luis Manuel Oliveira in facebook



Em Portugal florescem os chico espertos, os oportunistas, os que insultam, os que criticam, os que mobilizam(mesmo sem dizer para onde), os que se aproveitam, os que prometem abanar o sistema, os que sofrem de revolucionarite aguda, os Tinos, Os Marinhos, os Pardais, as Cristas, os Passos, os Cavacos, os Sócrates, os Portas, os Berardos, os Mexias ... os/as fraudes deste país...
Porque o que custa, e vai sendo cada vez mais difícil, é ser honesto e falar com verdade!
A estes cada vez se dá menos crédito!

CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO

SICNOTICIAS.PT
Marinho e Pinto em entrevista no Polígrafo Especial Legislativas.

Festival FOMe traz reconhecida companhia holandesa de marionetas ao Cine-Teatro Louletano | 20 de setembro



O palco do Cine-Teatro Louletano acolhe a 20 de setembro, pelas 21h30, o contagiante espetáculo “Monster”, por uma das mais prestigiadas companhia holandesas, Duda Paiva Company, numa apresentação única destinada a miúdos (a partir dos 6 anos) e graúdos, com entrada gratuita, no âmbito do FOMe – Festival de Objectos e Marionetas & Outros Comeres. 

“Monster”, pela Duda Paiva Company
Depois dos bem sucedidos espetáculos “CHÁ: VENA”, com Lixoluxopóetico, “STOP”, pela companhia húngara Mikropódium, e “Laia e o voo da imaginação”, pelos brasileiros Cia Tu Mateixa Marionetes, os quais registaram uma entusiástica adesão de público, o FOMe – cuja programação se espraia pelos seis concelhos do Algarve Central ao longo da segunda quinzena de setembro – regressa a Loulé para um momento único, pleno de magia e encantamento, a pensar em toda a família.
Na sinopse do espetáculo pode ler-se: “Que estranhas criaturas são as marionetas de Duda Paiva! Têm cabeças invulgares, asas e rabos, mas também braços e pernas… o que são? Animais, humanos ou ambos? Parecem tão doces e palpáveis… mas serão de facto? Narcissus controla os Monstros e vai mostrar ao público todos os truques que lhes ensinou: uma cambalhota, uma dança, uma música e até mesmo como voar! Mas os Monstros odeiam fazer esses truques. É por isso que se revoltam contra ele e nos começamos a perguntar: mas afinal quem é o verdadeiro monstro aqui? Uma coisa é certa nesta performance em constante mudança: nada é o que parece.”
Para mais informações os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email cinereservas@cm-loule.pt. Além disso, podem consultar a sua página de facebook – www.facebook.com/cineteatrolouletano ou o seu renovado website http://cineteatro.cm-loule.pt, ambos em permanente atualização, bem como a sua conta no instagram (cineteatrolouletano), existindo também a possibilidade de compra de ingressos nos locais aderentes ou on-line através da plataforma BOL, em https://cineteatrolouletano.bol.pt/
O Cine-Teatro Louletano é uma estrutura cultural no domínio das artes performativas da Câmara Municipal de Loulé e está integrado na Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e na Rede 5 Sentidos.

planetalgarve.com

A coligação de que o país não precisa

Alexandre Abreu


expresso.pt



Um dos mecanismos básicos da economia política do emprego e desemprego determina que quanto maior é o desemprego, menor é a força negocial dos trabalhadores, pelo que a parte dos salários no produto tende a diminuir. Quando, pelo contrário, nos aproximamos do pleno emprego, o poder negocial fica mais do lado dos trabalhadores do que dos patrões, permitindo o crescimento da parte dos rendimentos do trabalho no rendimento nacional. 
Este padrão é aliás o tema central de um artigo de 1943 do economista Michal Kalecki, em que este explica porque é que os empregadores têm todos os motivos para não quererem que se alcance o pleno emprego e no limite farão o que for preciso para evitá-lo, já que a prazo não podem dispensar este mecanismo disciplinador da força de trabalho.
À luz disto mesmo, é de esperar que a evolução da parte dos salários no rendimento das economias concretas esteja relacionada inversamente com a taxa de desemprego, e efectivamente é isso que verificamos na maioria dos casos. Em Portugal, o período de máximo histórico da taxa de desemprego no contexto da crise e da política de austeridade em 2011-2013 correspondeu também a uma queda sem precedentes da parte dos salários no rendimento nacional: só entre 2010 e 2015, segundo a AMECO, a percentagem dos salários no PIB a custo de factores caiu mais de quatro pontos percentuais, de 63,9% para 59,5%. 

Nesse período, a desvalorização dos salários ocorreu por esta via indirecta da pressão do desemprego mas também por múltiplas formas directas, incluindo o corte de dias de férias, a eliminação de feriados e o regime de remuneração das horas extraordinárias.
Com a fortíssima redução da taxa de desemprego de 2013 (16,2%) e especialmente de 2015 (12,4%) até à actualidade (6,7%), esta mesma lógica permitiria prever um aumento robusto da parte dos salários no rendimento nacional, que eventualmente reestabelecesse a repartição trabalho-capital nos níveis anteriores à crise. 

Ora, isso está muito longe de ter acontecido: ainda segundo os dados da AMECO, a recuperação da parte dos salários de 2015 em diante foi mínima, de 59,5% para 61,1%, e está muito longe de ter correspondido a uma recuperação para os níveis pré-crise.
Esta anomalia à luz da economia política do desemprego é tanto mais estranha quanto o período de 2015 em diante incluiu o aumento do salário mínimo nacional num total acumulado próximo de 20%, após anos de congelamento pela direita. Como é então possível que num contexto de forte quebra do desemprego, em que o salário mínimo aumentou mais do que o produto, a parte dos salários no rendimento tenha permanecido praticamente estagnada?

Claramente, a resposta passa pelo facto da relação de forças entre trabalhadores e empregadores estar tão desequilibrada em favor destes últimos que os primeiros não têm capacidade de aproveitar em termos reivindicativos a conjuntura económica favorável. Sucessivas reformas laborais no sentido da flexibilização e vulnerabilização dos trabalhadores, incluindo a redução das indemnizações por despedimento, a generalização de formas contratuais precárias que vão dos contratos a prazo e falsos recibos verdes à uberização, a fortíssima redução da abrangência dos contratos colectivos (e, já nesta legislatura, a negociação de novos convenções colectivas sob o espectro da caducidade das mesma), tiveram como resultado uma evolução da repartição do rendimento fortemente penalizadora do trabalho, que depois contribui também, por exemplo, para a persistência de quase 10% de trabalhadores baixo da linha de pobreza.

Em todos estes domínios, o Governo PS ficou muito aquém daquilo que se esperaria de um governo decente, quanto mais de um governo progressista. Não só se esquivou a corrigir muitas das alterações mais gravosas introduzidas pela troika e pelo governo de direita na legislação laboral como introduziu algumas novas da sua própria lavra, como a duplicação do período experimental e a generalização sectorial dos contratos meramente verbais. Em cima disso, como demonstração de autoridade e piscadela de olho pré-eleitoral à direita, atacou por diversas vezes o direito à greve, estabelecendo serviços mínimos de forma abusiva e patrocinando o recurso ilegal à substituição de trabalhadores, por exemplo nos casos da Ryanair e dos trabalhadores portuários.

Na semana passada, António Costa almoçou no Hotel Ritz com um grupo de empresários, gestores e banqueiros e propôs uma coligação entre o Governo e os empresários para a próxima legislatura, desdobrando-se em promessas de manutenção do poder de veto patronal em matéria de legislação laboral e política salarial. Esta é, na verdade, a mesma coligação que nestas matérias vigorou já nos últimos anos, com as consequências que estão à vista em matéria de equilíbrios sociais e repartição do rendimento. 

É a coligação de que a maior parte do país não precisa e um fortíssimo motivo para não votar PS.

AS IMAGENS SÃO MAIS FORTES QUE AS PALAVRAS




VÍDEO


Alcoutim investe 300 mil euros na construção de um espaço para dinamização de produtos endógenos


O Município de Alcoutim assinou no passado dia 10 de setembro, o contrato de empreitada para a construção de um espaço para dinamização de produtos endógenos em Alcoutim com a empresa “Caetano Costa & Costa, Lda.”.
A presente operação, incluída no PADRE, pretende construir a loja de artesanato, doces regionais e merchandising de Alcoutim, localizado na avenida Eng. Duarte Pacheco, em Alcoutim, bem como o seu apetrecho com equipamentos diversos, com vista a criar condições de venda e exposição produtos endógenos existentes no território.
Permitirá assegurar a valorização económica de recursos endógenos em espaços de baixa densidade, contribuindo para a valorização dos recursos endógenos “Produtos da Terra, Gastronomia e Doçaria Tradicional”. Pretende-se potenciar a criação ao empreendedorismo local, com identificação de oportunidades de negócio, bem como a criação de postos de trabalho, através do autoemprego, a instalação de microempresas e de artesãos locais, fixado a população no território. Promover-se-á a comercialização de produtos locais, produzidos no território, aos visitantes, potenciar-se-á o trabalho em rede dos atores locais, com vista à certificação dos respetivos produtos.
O preço da empreitada é de € 303.645,77 acrescido do imposto sobre o valor acrescentado, à taxa legal em vigor, tendo um prazo de execução de 24 meses a contar da data do auto de consignação de trabalhos.
“Respeitamos muito a herança cultural local. Expandir os espaços de comercialização é uma forma de dar mais visibilidade ao trabalho dos nossos artesãos. É uma valorização da nossa cultura”, refere Osvaldo Gonçalves, presidente da autarquia.
Assinatura do contrato de empreitada


https://planetalgarve.com

Segurança social - No debate a 6 hoje falou-se disto. Mas o PCP já tinha falado e proposto há 19 anos !



Relatando o debate na rádio hoje
ocorrido na rádio, diz o «Expresso»:
Ora a verdade é que as seguintes palavras foram ditas pelo infelizmente já falecido Lino de Carvalho na AR em Março de 2000 :
ler mais aqui

E agora, caros leitores, vai uma pequena reflexão sobre como  o preconceito contra o PCP leva a perder tantos anos na adopção de medidas justas ?


otempodascerejas2.blogspot.com