AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 15 de setembro de 2018

A conexão espanhola ao hacker que roubou os emails do Benfica






https://www.sabado.pt


Há três anos que a Polícia Judiciária investiga o roubo de informação confidencial dos clubes de futebol. Até agora chegaram a um suspeito investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária à fuga de informação sobre dados dos clubes passou a contar, em determinada altura, com o interesse das autoridades espanholas. A Fiscalia, autoridade equivalente ao Ministério Público português, detectou, a partir de contactos entre as polícias dos dois lados da fronteira, que a técnica usada para atacar os clubes portugueses era a mesma que a utilizada em Espanha, onde o Real Madrid e várias empresas de investimento e intermediação de jogadores tinham sido atacados e alvo de extorsão por parte de um pirata informático e de um advogado.


As autoridades judiciárias espanholas chegaram a pedir a cooperação portuguesa para obter todos os endereços de IP (internet protocol) associados a Rui Pinto  e foram feitas reuniões conjuntas na Europol para serem ultimados os aspectos legais e operacionais de uma carta rogatória a enviar para a Hungria. Chegou a estar na forja uma operação internacional conjunta dos três países – que nunca avançou.
Mesmo assim, apurou a SÁBADO, as autoridades espanholas conseguiram ter um conhecimento quase completo da investigação portuguesa. Em Espanha, muitos dos processos fiscais recentes a estrelas do futebol como Cristiano Ronaldo e José Mourinho foram impulsionados pelas revelações do Football Leaks. No reverso da medalha, há participações de pessoas, organizações e clubes que viram os seus segredos na praça pública.
Em Lisboa, as autoridades chegaram a elaborar três cartas rogatórias para a Hungria. A Judiciária queria que a polícia húngara detivesse Rui Pinto, apreendesse o seu equipamento e o extraditasse. No entanto, todos os pedidos foram recusados pelas autoridades húngaras, praticamente matando o processo. A investigação voltou-se também para a página de Facebook criada pelos autores do Football Leak, na qual eram disponibilizados links para download da documentação. E, em Julho de 2016, foi pedida a emissão de uma carta rogatória para os Estados Unidos a solicitar a identificação de todos os elementos e dados de acesso à página de Facebook em causa, incluindo "a identificação do proprietário do domínio/site em causa". A SÁBADO não conseguiu apurar qual o resultado deste pedido.









Capa n.º 750

Sem comentários:

Enviar um comentário