AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Sarre: A seleção do país que nunca existiu


O Sarre, em alemão Saarland, é um dos dezasseis lander - estados federais - que compõem a Alemanha. Com somente 2 569 km², o Sarre é um dos mais pequenos estados germânicos, apenas superando em tamanho os lander de Bremã, Hamburgo e Berlim
 
Atravessado pelo rio Sarre, que lhe dá nome, o pequeno estado fica encostado à fronteira com o Luxemburgo e a França, situado no sudoeste do país, cercado a leste e a norte pelo estado da Renânia-Palatinado, o Sarre tem como capital a cidade de Säarbrucken, e tem uma história curiosa que transformou esta outrora pacata região de agricultores num dos principais centros de disputa europeia, durante o século XIX e a primeira metade do século XX, à imagem da vizinha Alsácia e Lorena (França).
 
Fruto da geopolítica
 
Ocupada pelos franceses em sequência da Revolução Francesa (1789) a região funcionou como um tampão entre as ambições gaulesas e o crescente poderio da Prússia, trocando de mãos até 1871, momento em que na sequência da Guerra Franco-Prussiana a região seria incorporada no recém unificado (e nascido) Império Alemão.
 
A Primeira Guerra Mundial viu o domínio sobre a região mudar de mãos, com a França a receber um mandato da Sociedade das Nações para administrar o Sarre. Um referendo realizado em 1935 "devolveu" a região à Alemanha, e o Sarre passou a fazer parte do III Reich. 
 
Mapa alemão que mostra o Sarre (a preto) e as fronteiras com a Alemanha, França e a proximidade do Luxemburgo.
Terminada a Segunda Guerra Mundial(1945), a Alemanha encontrava-se militarmente ocupada pelos exércitos dos vencedores aliados: União Soviética, Estados Unidos da América (EUA), Grã-Bretanha e França.
 
Em sequência da Conferência de Potsdam (17 de Julho a 2 de Agosto de 1945) as quatro potências acordavam entre si, dividirem a Alemanha e a Áustria em quatro zonas, cada uma ocupada por um dos quatro exércitos vencedores. As duas capitais, Berlim e Viena, seriam também divididas em quatro setores que seriam igualmente controlados pelas quatro potências. Acordaram também separar os dois países e impedir que se voltassem a unir.
 
Com o agudizar das relações entre os aliados e o espoletar da Guerra Fria, a Alemanha acabaria por ficar dividida em duas entidades: A República Federal da Alemanha (RFA) - a parte ocidental do país que incluia os territórios controlados por EUA, França e Grã-Bretanha - e a República Democrática Alemã (RDA) - parte oriental do país, composto unicamente pelo setor ocupado pela União Soviética.
 
Mas já em 1946, a região do Sarre, no sudoeste do país, ocupada pela França, fora separada da Alemanha ocupada, para se formar o Protectorado do Sarre. Uma entidade política, autónoma, sob supervisão francesa, que provocou uma inusitada situação: um território alemão, administrado por franceses, que oficialmente não era nem alemão, nem francês.
 
As autoridades francesas pensavam incorporar o Sarre na França, ou como segunda hipótese, viabilizar um estado independente do Sarre, amputando a Alemanha de uma região muito rica em matérias primas e carvão. Mas não obstante os grandes desígnios elaborados no Quai D'Orsay, ambos os projetos acabariam por esbarrar nos desejos da população, ansiosa por se reunir à Alemanha Ocidental.
 
Representação desportiva
 
Com um estatuto autónomo, o Protetorado do Sarre pôde participar em competições desportivas internacionais e em 1952, uma representação nacional sarlandesa partiu para Helsínquia, onde participou nos Jogos Olímpicos de Verão em nove modalidades distintas. 



A comitiva sarlandesa desfila na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Helsínquia (1952).


 

 O futebol do Sarre não participou nos Jogos de 1952, mas estaria presente na fase de qualificação do mundial de 1954, que seria disputado na Suíça. O futebol sarlandês emancipara-se e a 25 de Julho de 1948, nascera a Saarländischer Fußballbund (SFB) - Federação Sarlandesa de Futebol - em Sulzbach.
 
A «Aventura Francesa»
 
O estatuto do Sarre no Pós-Guerra permanecia incerto e enquanto certos membros do governo francês ponderavam a anexação do território, pelas chancelarias da Europa se discutia o destino a dar à região, o futebol local tentava servir de meio para "suavizar" as relações franco-alemãs.
 
A partir de 1948, o Bureau de Sports, promoveu a realização de encontros desportivos entre equipas dos dois países. Mas a presença de alemães em terras francesas não seria por certo bem recebida pelas populações gaulesas, tão fresca que estava a memória da guerra e da ocupação germânica .
 
O Sarre, fruto da ocupação francesa, tornou-se o intermediário perfeito para a situação. Aos poucos, atletas e equipas sarlandesas atravessaram a fronteira para atuar em França, o que ajudava os clubes locais a encontrarem novos adversários, uma vez que as equipas do Sarre continuavam impedidas de visitar ou serem visitadas por equipas alemãs.



Militares franceses cumprimentam os jogadores sarlandeses, momentos antes de mais uma partida.

 

Entretanto, a SFB organizava a Ehrenliga, que durou três épocas, uma competição onde participavam diversos clubes locais, com excepção do 1.FC Saarbrücken, clube que aceitou o convite da Federação Francesa de Futebol (FFF) para participar como convidado no Championnat de France de football D2, época 1948/49, afrancesando o nome para FC Sarrebruck, jogando contra clubes dos «cinco cantos do hexágono» entre eles alguns de grande tradição no futebol francês como o Nantes, o Bordéus, o Mónaco ou o Lens. A Liga tinha 19 clubes, podendo assim o Sarrebruck "tapar a vaga" e ser o adversário do clube que ficava livre em cada fim-de-semana.
 
O «desaparecimento»
 
Para surpresa dos franceses, o clube convidado venceu a esmagadora maioria dos jogos, pedindo de imediato a admissão na D1, o que alarmou os dirigentes dos principais clubes franceses, que vetaram a subida de divisão do Saarbrücken, para desilusão de Jules Rimet, um grande impulsionador da inclusão do Sarre em França, que prontamente se demitiu da presidência da FFF em sequência da "nega" dos dirigentes dos clubes e da Liga.
 
Contudo, a história da presença do Saarbrücken nas competições francesas levanta muitas dúvidas para os historiadores do futebol. Oficialmente o Saarbrücken nunca participou na D2 1948/49, não sendo incluído na classificação final homologada pela FFF.
 
Jornal local faz referência a uma vitória do Saarbrücken por 8x0 sobre o Le Mans, fazendo eco que a equipa sarlandesa era «líder da tabela» [tabellenführen] da D2.
Mais estranho será o facto de a France Football não fazer nenhuma referência à participação do Saarbrücken na prova, não anunciando nenhum dos seus jogos, não se podendo encontrar nas suas páginas nenhuma crónica de um jogo que envolva o FC Sarrebruck, nem nunca o nome do clube tenha aparecido na classificação da prova ou numa ficha de jogo. 
 
A tabela classificativa conta com apenas 19 clubes, curiosamente, todas as semanas, uma equipa ficava livre e nessa data, a equipa livre defrontava o Sarrebruck, que ao longo de 38 jogos, obteve 26 vitórias, sete empates e cinco derrotas, o que perfazia um total de 59 pontos, o suficiente para ser campeão, com mais seis pontos que o Lens e o Bordéus, que aparecem na classificação final - e oficial - com 53 pontos, respectivamente em primeiro e segundo lugar. Talvez esta «omissão» do FC Sarrebruck dos registos, ajude a explicar a decisão do clube do Sarre de desistir da ideia de competir em provas oficiais francesas.

Taça Internacional do Sarre
 
Em sequência de ter rejeitado permanecer na II Divisão gaulesa, o Saarbrücken abandonou a Liga Francesa, rejeitando ao mesmo tempo competir na débil Ehrenliga o que abriu um problema aos dirigentes do clube, pois ao rejeitarem jogar em França e ao recusarem participar na prova local e como os clubes do Sarre continuavam impedidos de jogar na Alemanha, o Saarbrucken deixou de poder jogar futebol.  A solução encontrada pelos dirigentes sarlandeses foi criar uma competição, a Internationaler Saarlandpokal, para assim manter o clube ativo.


Troféu da Taça Internacional do Sarre, que o Sarrebrücken venceu na primeira edição.

 



No novo torneio participaram diversos clubes de topo de quatorze países da Europa e América, mas apesar do sucesso da primeira edição, em que o Saarbrücken foi vencedor a prova - batendo os franceses do Stade Rennais na final - acabaria por só ter mais uma edição, tendo os clubes do Sarre sido admitidos a participar na Oberliga Sudwest, com autorização da DBF (federação alemã), a prova regional dos vizinhos lander da Alemanha Federal.
 
Em 1955, o Saarbrücken foi convidado para participar na primeira edição da Taça dos Clubes Campeões Europeus, como representante do Sarre. O clube venceu o AC Milanpor 3x4 em San Siro, mas seria goleado em casa na segunda mão (1x4).
 
A seleção do Sarre

Em Julho de 1949, os diversos clubes federados na SFB tinham declinado o convite para se associarem À FFF, e quase um ano mais tarde, em Junho de 1950, a SFB seria admitida na FIFA, três meses antes que a DFB. A Federação da Alemanha de leste só seria admitida na FIFA dois anos volvidos.
 
Tendo como base a equipa do Saarbrücken e alguns jogadores de outros clubes locais (como  o SV Saar 05 e o Borussia Neunkirchen) a seleção do Sarre pôde disputar jogos internacionais, 19 ao todo, 10 deles contra equipas B e disputou a qualificação para o mundial de 1954.
 
A 22 de Novembro de 1950, o Sarre bateu a seleção da Suíça B por 5x3 em Sarrbrücken. O primeiro jogo oficial foi disputado contra a Noruega, em Oslo, tendo o Sarre vencido por 2x3, começando da melhor maneira a qualificação para o mundial suíço.
A Mannschaft do Sarre, que participou nas eliminatórias para o mundial de 1954 na Suíça.



 

Seguiu-se uma derrota em Estugarda com a Alemanha Ocidental (3x0). Um empate a zero com a Noruega em casa, deixou em aberto a possibilidade de discutir a qualificação com a Alemanha Ocidental no último jogo, mas a força do poderoso vizinho fez-se sentir e o Sarre perdeu por 1x3.
 
Para muitos podia ser uma derrota pesada, mas a esmagadora maioria dos habitantes do Sarre, considerava-se alemã e no verão do ano seguinte, festejaria como qualquer outro alemão, a vitória da Mannschaft na final de Berna contra a Hungria (3x2)
 
A realização do mundial na Suíça permitiria outro grande momento na história do futebol local. A 5 de Junho, pouco antes da competição começar na Suíça, o Uruguai, campeão mundial em título, visitou o Protectorado. No Ludwigspark em Saarbrücken, com Schiaffino, Andrade, Varela... a «Celeste Olímpica demonstrou toda a sua classe».
 
Perante 15 mil espetadores, os sul-americanos brilharam, goleando a seleção do Sarre por 1x7. O tento de honra seria da autoria de Rob Niederkirchner, o herói que conseguiu bater Máspoli. 
 
Plebiscito e «regresso a casa»
 
Apesar da não qualificação, Helmut Schön continuaria a treinar a seleção do Sarre até 1956. Schön, natural de Dresden na Alemanha Oriental, orientara também o Saarbrücken entre 1953 e 1954, e alguns anos depois da incorporação do Sarre na RFA, seria o treinador da seleção alemã ocidental, liderando a Mannschaft à conquista do Euro 72 e do Mundial de 1974.
 
Em 1955 realizou-se o referendo em que o os sarlandeses decidiram que o seu destino devia estar ligado à República Federal da Alemanha. A data do regresso à pátria ficou marcada para 1 de Janeiro de 1957.
 
Outra figura do futebol do Sarre que ficou ligada ao futebol alemão, seria Hermann Neuberger, um natural do Sarre, que liderou a DFB entre 1975 e 1992, sendo presidente da instituição na altura da conquista do mundial de 1990 em Itália e presidindo à federação aquando da unificação das duas Alemanhas.
 
Fosse pela longa duração do seu consulado, fosse pelas unificação, a verdade é que Neuberger já ganhara um papel na história do futebol alemão por ter sido em 1962 um dos mentores da fundação da Bundesliga, além de ter sido um dos responsáveis pela organização do Mundial de 1974.



www.zerozero.pt

Sem comentários: