AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 12 de agosto de 2018

Rostos da Coreia do Norte - Aqui está um vídeo de 25 minutos sobre a RPDC (Coreia do Norte) – país que visitei há pouco tempo; visitei e amei, que me deixou impressionado, e deixem-me ser franco – admirado.

por Andre Vltchek [*]

Aqui está um vídeo de 25 minutos sobre a RPDC (Coreia do Norte) – país que visitei há pouco tempo; visitei e amei, que me deixou impressionado, e deixem-me ser franco – admirado.

Não se poderia chamar a isto um "documentário". Talvez não. É uma história simples, como um poema. Conheci uma garota, pequena e delicada, no ringue de patinagem em Pyongyang. Quantos anos ela tinha? Quem sabe; talvez quatro ou cinco anos. Ela foi primeiro agarrar-se à mãe, depois a um professor coreano, Kiyul, até mesmo a um ex-procurador-geral dos Estados Unidos, Ramsey Clark. Então começou a patinar, acenando inocentemente, olhando para mim, para nós, ou apenas olhando para trás ...

De repente fiquei terrivelmente assustado por ela. Foi quase um medo físico. Talvez tenha sido irracional, como pânico, não sei...

Não quero que nada de mau lhe aconteça. Não quero que armas nucleares dos EUA comecem a cair à sua volta. Não queria que ela acabasse como aquelas pobres crianças vietnamitas, iraquianas ou afegãs, vítimas da barbárie ocidental; das armas químicas, do urânio empobrecido ou das bombas de fragmentação. Não queria que ela morresse de fome por causa de algumas sanções insanas promovidas pela ONU por maníacos rancorosos que simplesmente odeiam "os Outros".

Então filmei, produzi uma curta metragem sobre o que eu vi na RPDC. Um filme dedicado a essa menina no ringue de patinagem em Pyongyang.

Quando estava a filmar, coleccionando imagens sobre a Coreia do Norte, a guerra, um ataque do Ocidente, partindo do Japão ou da Coreia do Sul, parecia possível, quase provável.

Quando, algum tempo depois, fazia a montagem em Beirute, com um editor libanês, o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçava "tratar da Coreia do Norte". O que ele queria dizer era claro. Trump é um "homem honesto". Honesto num estilo mafioso. No filme, chamo-o de "gerente". Ele pode não ser um Einstein, mas geralmente diz o que quer dizer, em cada dado momento. Você sabe, é o estilo Yakuza. 

Agora, quando lanço este meu humilde trabalho depois da Cimeira de Singapura, , as coisas parecem mais claras. Mas não confio no Ocidente, após mais de 500 anos de guerras e cruzadas colonialistas bárbaras. O "gerente" talvez seja honesto quando diz que agora gosta do presidente Kim, mas amanhã ele pode ser "honesto" novamente, declarando que mudou de ideias e quer partir-lhe um braço

Sinto que é hora de me apressar. Hora de me apressar e mostrar a tantas pessoas quanto possível quão bela é a Coreia do Norte e quão digno é o seu povo.

Eu poderia "vender" filmagens ou "vender direitos" e ganhar algum dinheiro para meus outros projetos internacionalistas, mas a coisa toda seria atrasada, e nesse caso apenas um número limitado de pessoas a veria.

Ao divulgá-lo assim, através do meu media favorita no mundo – New Eastern Outlook – o filme não fará nada em dinheiro, zero, mas considero meu dever actuar assim. Esperançosamente, o filme será visto por muitos e a pressão sobre o Ocidente e o Japão crescerá – pressão para cessar a intimidação sobre pessoas que já sofreram tremendamente!

Se alguém quiser apoiar meus filmes, incluindo meus trabalhos em andamento (dois grandes documentários em trabalho agora, um sobre o Afeganistão após quase duas décadas de ocupação da NATO, outro sobre a quase total destruição ambiental em Kalimantan / Bornéu), pode ser feito aqui . Mas sem pressa. Apenas desfrute este filme em particular e outros filmes que em breve e gradualmente irei divulgar.

Enquanto isso, a Coreia do Norte permanece de pé.

Enquanto o Ocidente está a calcular o que fazer a seguir. Não tenho um bom pressentimento sobre tudo isso. Espero estar errado. Espero que isto seja o começo de um processo de paz sério...

Mas confesso que já vi muitas cidades em ruínas, países e continentes inteiros. A maioria deles foi bombardeada, reduzida a escombros depois de vários "processos de paz". Na maior parte dos casos as bombas e mísseis começaram a cair depois de alguns sólidos acordos terem sido alcançados e assinados.

Não quero que o mesmo aconteça à Coreia do Norte. Não quero que essa garota, a que encontrei no ringue de patinagem, desapareça.

O que fiz desta vez não é muito, mas é algo. Nesta situação perigosa, quase tudo conta. Vamos todos fazer "alguma coisa", mesmo que seja só um pouquinho. A chuva é feita de gotas de água, mas pode travar um grande incêndio. Desta vez, vamos tentar travar a loucura com pequenas gotas de sanidade e ternura. 
[*] Filósofo, romancista, cineasta e jornalista investigador. Cobriu guerras e conflitos em dezenas de países. Os seus livros podem ser encomendados em Book Depository . Assista Rwanda Gambit , documentário inovador sobre o Ruanda e a R D do Congo e seu filme / diálogo com Noam Chomsk On Western Terrorism . Vltchek pode ser contactado através do seu sítio web .

O original encontra-se em New Eastern Outlook , publicação da Academia das Ciências Russa e emwww.informationclearinghouse.info/49948.htm 


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Sem comentários:

Enviar um comentário