AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Polícia sob suspeita de alimentar protestos fascistas em Chemnitz


Novas marchas da extrema-direita estão marcadas para esta quinta-feira e sábado. As autoridades estão a investigar eventuais ligações da Polícia aos violentos protestos xenófobos dos últimos dias.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/8018.jpg?itok=Qnu4iKCn
Os protestos da extrema-direita em Chemnitz foram uma verdadeira caça ao estrangeiro
Os protestos da extrema-direita em Chemnitz foram uma verdadeira caça ao estrangeiroCréditos
Milhares de neonazis (cerca de 6000) juntaram-se na segunda-feira em Chemnitz, a terceira maior cidade do estado alemão da Saxónia, para se manifestarem contra a presença de «estrangeiros» no país. Tratou-se do segundo dia de violentos protestos racistas e xenófobos, depois de, na madrugada de domingo, um homem de 35 anos ter sido assassinado, alegadamente, por dois refugiados de países do Médio Oriente.
Algumas fontes referem-se à violência registada como resultante de uma espécie de confronto entre «radicais» de extrema-direita e de extrema-esquerda (uma contramanifestação reuniu cerca de mil pessoas), mas também há quem sublinhe que «os fascistas andaram à caça» – de estrangeiros, refugiados e migrantes.
O portal El Salto informa que certos espisódios ocorridos na segunda-feira fizeram lembrar os «pogroms», com os neonazis a «atacarem, apredejarem e espancarem estrangeiros e quem se atravessava no seu caminho» que não parecesse alemão, e gritando palavras de ordem como «Fora com os estrangeiros!» ou «Alemanha para os alemães».
Procurando não deixar esmorecer a onda racista e xenófoba, o movimento anti-imigração Pegida, o movimento neonazi local Pro Chemnitz e o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) convocaram novas manifestações para hoje e para o próximo sábado, em Chemnitz, contra a presença de refugiados e migrantes na Alemanha.
Jörg Meuthen, dirigente da AfD (actual terceira força no Bundestag e com uma forte presença na região de Chemnitz), disse que «não está a incendiar os ânimos» e defendeu que as manifestações da extrema-direita «reflectem o mal-estar da sociedade com a chegada de mais de um milhão de estrangeiros ao país desde 2015».
A chanceler da maior potência capitalista europeia, Angela Merkel, repudiou o «incitamento à violência xenófoba» e condenou «as perseguições, os motins, o ódio nas ruas», mas sem se referir à exploração dos refugiados na Alemanha, às guerras de agressão imperialistas que, na Ásia, no Norte do África ou no Médio Oriente, levaram milhões de pessoas a abandonar os seus países ou ao panorama socioeconómico na antiga Alemanha Oriental no período pós-reunificação.

A fuga do mandado

Dois refugiados, originários de países do Médio Oriente, foram acusados na segunda-feira de matar um homem de 35 anos, num festival na cidade de Chemnitz, na madrugada anterior.
Entretanto, veio a público que o mandado de detenção de um deles – com dados sobre os suspeitos do ataque (incluindo a morada de um deles), o juiz responsável pelo caso, a vítima mortal e testemunhas – apareceu na segunda-feira em portais de extrema-direita.
O facto está a ser encarado pelas autoridades da Saxónia e federais como um «escândalo», na medida em que a divulgação do mandado terá partido de uma fonte policial, e está ser visto como um dos elementos que terão ajudado a fomentar a manifestação anti-imigração.
Martin Dulig, vice-presidente e ministro da Economia da Saxónia, disse a uma TV local que «a atitude de alguns agentes da Polícia [para com a extrema-direita] é completamente inaceitável, sabendo que estão a cometer um crime», refere a PressTV.
Sublinhou que se trata de um «problema grave», que o Ministério Público já está a investigar, mas defendeu que não é «uma ocorrência habitual».

www.abrilabril.pt

Sem comentários: