AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 12 de agosto de 2018

O PORQUÊ DE ALGUNS AVIÕES TEREM A PONTA DAS ASAS DOBRADAS


Se você costuma viajar de avião com certa frequência, pode ter notado algo bem peculiar nas asas das aeronaves. 
Boa parte delas possui um “componente adicional” nas extremidades. Faz parecer bastante elegante, não é mesmo? De certa forma, lembra as barbatanas ou a cauda de um peixe. Geralmente, as extremidades são dobradas para cima e essas partes dos aviões são chamadas de winglets.
Um winglet é um componente estrutural adicional da asa que tem a função principal de diminuir o arrasto relacionado ao vórtice da ponta das asas, que é produzido devido à diferença de pressão entre a superfície superior e inferior de uma asa enquanto uma aeronave está em movimento. 
Eles permitem que as asas sejam muito mais eficientes na hora de ganhar altitude, fazendo com que a aeronave exija um gasto de energia menor dos motores. Ou seja, os winglets geram economia de combustível para companhias aéreas, além de permitir uma emissão de CO2 bem menor por parte dos aviões.
Desde os anos 80 os winglets têm se tornado uma parte importante nos projetos relacionados à aviação. Para algumas aeronaves antigas, essas peças foram instaladas mesmo após do avião já estar atuante no mercado. Mas nem todos os aviões fazem uso desse dispositivo, como por exemplo, os aviões 777 da Boeing. O 777 possui longas asas e  costuma operar em terminais internacionais, que são grandes o suficiente para permitir total cumprimento de suas funções. Com isso, a Boeing descobriu que o desempenho adquirido com as grandes asas desse modelo já não necessitava a utilização de extensões verticais.
Os winglets foram inicialmente desenvolvidos pelo engenheiro aeroespacial Richard Whitcomb quando trabalhava no Centro de Pesquisa Langley, da NASA, em 1976. Mas muito antes disso, em 1897, o engenheiro britânico Frederick W. Lanchester foi a primeira pessoa a conceituar a necessidade de instalação de placas verticais para redução de arrasto. Vale lembrar que isso foi seis anos antes do primeiro voo motorizado operado pelos irmãos Wright, em 1903. Isso que é estar à frente de seu tempo…
Por isso, se você for fazer um avião de papel, certifique-se de dobrar um pouco as extremidades da asa para cima e ele irá voar com um pouco mais de facilidade que o normal. Não é trapaça, é apenas ciência!


www.tricurioso.com

Sem comentários:

Enviar um comentário