AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 12 de agosto de 2018

O país que não o é

Resultado de imagem para MARISA MATIAS BE



Marisa Matias* | Diário de Notícias | opinião 



Cresci e tornei-me adulta sabendo que era do interior. A 40 quilómetros da costa, não podia ser outra coisa senão interior. Faltava tudo: transportes, educação, saúde, saneamento, água, meios. Lembro-me, contudo, do dia em que me senti mais do interior do que nunca. 

Foi o dia em que tudo à volta da minha aldeia ardeu e uma boa parte da aldeia, crianças excluídas, teve de fazer o que se podia fazer para apagar o fogo. Ir à fonte, encher tudo o que havia para encher, subir o monte, cobrir o rosto e apagar o fogo por onde podia. Tinha, creio eu, 6 anos, quando pensei que ia ser o último dia das nossas vidas. Essa foi a sensação mais profunda que tive do que era ser-se do interior. Era o abandono. 

Ninguém se deu conta nem as contas foram feitas. Foi há bem mais de 30 anos e não havia estatísticas nem gráficos a saltar ao segundo, não havia telemóveis, não havia redes sociais porque nem sequer havia internet, não havia meios tecnológicos de ponta. Havia a esperança de que tudo iria melhorar. 

O país estava a mudar, a democracia a instalar-se, havíamos de ser todos mais iguais. No entanto, vieram os telemóveis, a internet, a tecnologia de ponta e o abandono ficou. Há um ano assistimos aos incêndios mais trágicos de que temos memória. Assistimos todos os dias a análises, a relatos, à identificação dos problemas humanos e técnicos, à avaliação das responsabilidades políticas. 

Revejo-me nas opiniões que sublinham o problema estrutural que é o abandono do interior, hoje como há mais de trinta anos, em detrimento do exército de dedos apontados debaixo de telhados de vidro. Na década de 1990 parecia que a coesão estava a vir para ficar, mas os serviços públicos, os transportes, a qualidade de vida que foram chegando ao interior não ficaram por muito tempo. Desinvestiu-se o pouco que se tinha investido e acentuou-se mais ainda essa fratura que teima em não ser preenchida. 

O interior não é uma categoria geográfica apenas, é também uma opção política, faz parte de uma ideia de país. O abandono de hoje não é igual ao de há 30 anos, mas não deixa de o ser por isso. Muitos dos recursos e das propriedades foram sendo expropriados. Isso passou-se tanto com a agricultura como com a floresta. 

Os poderes públicos abandonaram, as celuloses não. Nas últimas três décadas, a história do interior do país passou por uma promessa e acabou numa tragédia. O país inclinado a litoral ficou cada vez mais desigual e a enorme cobertura mediática aos incêndios apenas o confirma. 

A forma como se transforma a tragédia em espetáculo, o desespero em entretenimento, as vítimas em custos políticos, é a expressão dessa desigualdade, da desumanização das pessoas. Só assim se compreende os termos e os propósitos da polémica obscena acerca da legitimidade da evacuação de povoações em perigo, que protege as vidas quando os bens estão perdidos. 

 Ou se assume o país todo como uma prioridade, os direitos por igual e a qualidade de vida como variável independente do lugar onde se nasce, ou vamos ver esta triste história muitas vezes repetida. Agora com imagens e a cores, mas nem por isso mais feliz. 

 *Eurodeputada do BE


paginaglobal.blogspot.com

Sem comentários:

Enviar um comentário