AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

MONCHIQUE - O MAIOR INCÊNDIO DA EUROPA EM 2018 FOI EXTINTO (VÍDEO)




Uma semana depois, o incêndio de Monchique foi dado pela Proteção Civil como "dominado". O último balanço das autoridades revelou que todo o perímetro e as reativações estão controlados, naquele que foi o maior fogo do ano na Europa.
Ao início desta manhã, a operação concentrava ainda mais de 1300 operacionais, mais de 440 veículos e dois meios aéreos. O número de feridos foi também atualizado para 41, dos quais apenas um em estado grave.
Arderam cerca de 27 mil hectares. Até as chamas consumirem Monchique, o maior incêndio em termos de área ardida em 2018 tinha ocorrido em Guarda, onde tinham ardido apenas 86 hectares.















Com este incêndio, Portugal subiu também ao topo dos países com maior área ardida em 2018. Os cerca de 28500 hectares superam os 21 mil registados na Suécia e os 18 mil no Reino Unido.
Segundo os dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), as chamas em Monchique já destruíram 26.957 hectares, mais de metade dos 41 mil que arderam na mesma região em 2003, nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.
No ano passado, as chamas destruíram mais de 440 mil hectares, o pior ano de sempre em Portugal, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
Quanto aos maiores incêndios em termos de área ardida ocorridos no ano passado, no topo da lista aparece o que teve origem no dia 15 de outubro, em Seia/Sandomil, no distrito da Guarda, que destruiu 43.191 hectares.



VÍDEO

pt.euronews.com

Sem comentários:

Enviar um comentário