AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Memória histórica: os mártires de Anguieiro


ARQUIVO / MAITE CRUZ
A praça de Sant Felip Neri, cujas paredes conservam restos do estilhaço da guerra civil.

Em agosto de 1936, onze pessoas foram mortas sem piedade. 

Sem julgamento ou qualquer acusação, eles foram violentamente arrancados de suas casas e em pouco tempo foram mortos em uma vala em Anguieiro (Galiza). 
Alguns corpos apareceram, outros não sabem onde podem estar.
Não se trata agora de encontrar e punir quem puxou o gatilho ou quem deu a ordem, mas recuperar a honra de todos que, como essas onze pessoas, nunca deveriam perdê-lo. 

Os onze que agora lembramos e honramos, não cometeram outro "pecado" do que trabalhar duro para sustentar suas famílias. 
Não. Eles não eram "pecadores". 
Os "pecadores" eram aqueles que, a qualquer preço, pretendiam manter seus privilégios injustos.
Para aqueles que estão desconfortáveis ​​e que têm memória, eu quero dizer-lhes muito alto: não é bom esquecer. 
A história é aprendida, mas não é esquecida ou distorcida. 

 O que nós queremos é a verdade. 
Nem vingança ! queremos apenas a verdade e a recuperação da honra daqueles que a merecem, como estes onze mártires de Anguieiro :
DANIEL GONZÁLEZ GRAÑA. Ele tinha 24 anos de idade. Ele era um residente de Cangas. Marinheiro de profissão. Membro da Confederação Nacional do Trabalho.
ANTONIO BLANCO RODAL. Ele tinha 26 anos de idade. Vizinho da Rúa Singulis de Cangas. Marinheiro de profissão.
GUILLERMO FERNÁNDEZ FERNÁNDEZ. Eu tinha 27 anos. Vizinho do Seixo (Darbo). Mason por profissão. Membro do Partido Socialista.
ALEJANDRO MARTÍNEZ PAZÓ. Eu tinha 19 anos. Vizinho de Darbo. Cantoneiro por profissão. Membro do Partido Socialista.
JOSÉ MARTÍNEZ PAZÓ. Ele tinha 26 anos de idade. Vizinho de Darbo. Membro do Partido Socialista.
ANTONIO FERREIRO NÚÑEZ. Ele tinha 32 anos de idade. Vizinho de Darbo. Cantoneiro por profissão.
NORMANDINO NÚÑEZ MARTÍNEZ Ele tinha 46 anos. Vizinho da Rúa del Sol (Cangas). Marinheiro de profissão. Membro da Confederação Nacional do Trabalho.
VILAREURO SECUNDINO RUIBAL. Ele tinha 38 anos. Vizinho de Darbo. Cantoneiro
ESTANISLAO FERREIRO NÚÑEZ. Ele tinha 24 anos de idade. Vizinho de Darbo. Cantoneiro
EUGENIO BASTOS FERNÁNDEZ. Eu tinha 18 anos. Vizinho da Rúa del Castro (Cangas). Mecânico nos estaleiros das Barreiras. Membro da Juventude Unificada.
JOSÉ NORES RODRÍGUEZ. Eu tinha 16 anos. Vizinho da Rúa Libertad (Cangas). Mason por profissão.
Que cada um dos onze saiba que não os esquecemos, e que sua morte não foi em vão, que ela nos forçará a agir para que nunca mais se possam repetir tais infames atrocidades.

www.elperiodico.com





VÍDEO


Sem comentários: