AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 8 de agosto de 2018

A praia - poesia de António Garrochinho


A praia

dêxem tude em stand bái
que munto tempe nã hái
pra muntas preocupaçõns
o melhór é tár da práia
na espuma de cambráia
a refrescár os colh##&
esta vida são dôs dias
e se nã temos alegrias
a gente mórre ressequides
nada melhor que passear
na arêa à beira mar
nas ondas os pés lambides
despôs ao chegar a casa
com as costas em brása
com borréfas a doêr
é dêtar de cú pra cima
qué uma boa medecina
até que venha o amanhecêr.




António Garrochinho


1 comentário:

  1. Romantismo na praia: estendidos na areia dizia o namorado à namorada: querida, os teu olhos fazem-me lembrar a imensidão do mar, pergunta a rapariga: porquê meu querido? é por serem azuis? diz o rapaz: não, enjoam-me!

    ResponderEliminar