AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 3 de junho de 2018

Sindicatos denunciam ilegalidade na véspera da greve dos ferroviários


Os efeitos da greve dos ferroviários desta segunda-feira já se começaram a fazer sentir e a CP começou a fazer substituições ilegais de trabalhadores, de acordo com a Fectrans.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/6834.jpg?itok=UJeQ-Xc0
Comboios parados na estação de Santa Apolónia
Comboios parados na estação de Santa Apolónia
A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans/CGTP-IN) afirma, numa informação à imprensa, que «na CP, são já visíveis alguns efeitos da greve no sector ferroviário, em defesa da segurança ferroviária e contra a redução da "tripulação" dos comboios, nos termos da nova regulamentação aprovada pelo Governo».
A estrutura acrescenta que os efeitos fazem-se sentir particularmente nos comboios de longo curso, «situação que se agravará mais para o final a tarde e que antecipa o que será o dia de amanhã – de supressão da quase totalidade da circulação ferroviária em Portugal – quer nos comboios de passageiros quer nos de mercadorias».
«Já se registou uma situação de um comboio (com origem no Porto e destino para Faro) que está a circular sem o acompanhamento do trabalhador de revisão, que foi substituído por um de outra categoria profissional, numa clara ilegalidade cometida por quem deu a ordem», acrescenta a Fectrans.
Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo cumprem amanhã o primeiro de três dias de greve, incluindo todo o tipo de trabalho nesses dias ou que transite de véspera.
Em causa estão as alterações ao Regulamento Geral de Segurança (RGS) que incluem várias alterações de conceitos, tal como o «agente único», que a pretexto da redução de custos de operação reduz o número de trabalhadores por comboios, possibilitando apenas um.
«A circulação de comboios só com um agente, põe em causa a segurança ferroviária - trabalhadores, utentes e mercadorias - e por isso é preciso que não subsistam dúvidas no Regulamento Geral de Segurança», lê-se no comunicado conjunto, assinado por uma larga frente sindical.
Os trabalhadores afirmam estar contra «todas as alterações que poêm em causa a segurança fevorriária», tanto dos utentes como deles próprios, frisando ainda que tais medidas de «desregulamentação do sector ferroviário tem por objectivo único reduzir custos operacionais para beneficiar os grupos económicos privados que já se perfilam para explorar comboios em Portugal».
Em Novembro, os sindicatos dos ferroviários suspenderam uma greve após terem acordado com o Governo que a redação do RGS iria ser negociada, de forma a garantir a segurança nos comboios. Porém, tal não aconteceu, tendo o Governo dado recentemente aval ao documento.


 www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário