AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 30 de junho de 2018

Requalificação da EN125 no Sotavento chumbada pelo Tribunal de Contas


O Tribunal de Contas (TC) recusou visto à revisão do contrato da subconcessão do Algarve Litoral, que permitiria à Infraestruturas de Portugal avançar com as obras de requalificação da EN125 entre Olhão e Vila Real de Santo António, anunciou esta quinta-feira o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, num comunicado.
Este chumbo adia indefinidamente o lançamento da intervenção de fundo prometida pelo Governo, mesmo tendo em conta a intenção da IP em recorrer da decisão, já que as obras na EN125, no Sotavento, estavam dependentes da luz verde do TC ao contrato celebrado entre a Infraestruturas de Portugal e a concessionária Rotas do Algarve Litoral (RAL).
«As alterações ao contrato inicial fixadas pelo acordo de Agosto de 2015 e entretanto outorgadas foram agora rejeitadas pelo TC», revelou o ministério, no curto comunicado enviado às redações.
A necessidade de um visto do Tribunal de Contas à revisão do contrato entre a IP e a RAL, que deixou a requalificação da EN125 a Barlavento nas mãos da concessionária e retirou a parte a Sotavento, para regressar à tutela da Infraestruturas de Portugal, é apontada há anos como a razão pela qual ainda não avançaram as obras de requalificação desta estrada entre Olhão e VRSA.
Recentemente, autarcas dos concelhos de Castro Marim e VRSA e elementos de um movimento de cidadãos que exige o avanço das obras foram informados pelo TC que a decisão ainda não tinha sido tomada porque este órgão aguardava que lhe fossem remetidos esclarecimentos que tinha pedido à empresa de capitais públicos.
Mesmo com todas as questões que envolviam o contrato, o membro do Governo mostrava-se confiante, em Abril, que as obras «de fundo» avançariam em 2019.
A recusa de visto do Tribunal de Contas veio certamente gorar esta intenção e adiar, ainda mais, o lançamento das há muito reclamadas obras na EN125, no Sotavento.


www.sulinformacao.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário