AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 30 de junho de 2018

PS, antes a conversa era outra



O Governo do PS pediu a imposição serviços mínimos à greve dos professores, à boleia da realização de exames nacionais – mas, em 2014, o PS opunha-se a serviços mínimos nestes casos.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/7384.jpg?itok=XGoIQPln
O secretário-geral do PS, António Costa, discursa aos congressistas no encerramento do 22.º congresso nacional do seu partido, na Batalha. 27 Maio 2018
O secretário-geral do PS, António Costa, discursa aos congressistas no encerramento do 22.º congresso nacional do seu partido, na Batalha. 27 Maio 2018
Corria o ano de 2014 quando o governo do PSD e do CDS-PP levou a discussão a sua proposta de Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. Na proposta, passava a constar a obrigatoriedade de prestação de serviços mínimos a «realização de avaliações finais, de exames ou provas de carácter nacional que tenham de se realizar na mesma data em todo o território nacional».
Esta é precisamente a alínea que o Governo do PS utiliza agora para justificar o seu pedido de serviços mínimos na actual greve às reuniões de avaliação, no caso dos anos de escolaridade em que há exames nacionais.
No entanto, a posição do PS nessa discussão era diametralmente diferente. Na altura, estiveram em cima da mesa três propostas de eliminação dessa alínea, uma das quais subscrita pelo grupo parlamentar do PS – que votou com o PCP e o BE para manter a Educação de fora das obrigações de serviço mínimo. O PSD e o CDS-PP fizeram valer a maioria de que então dispunham e mantiveram a alínea na lei.
Quatro anos depois, o PS escudou-se nessa alínea para procurar contornar a greve às avaliações provocada pela insistência em não negociar a recuperação do tempo de serviço em que as progressões nas carreiras estiveram congeladas.
Ainda ontem, Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof/CGTP-IN), falando em nome da dezena de organizações sindicais que convocaram o protesto, pediu ao ministro da Educação que convoque os sindicatos para negociações.


www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário