AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quinta-feira, 28 de junho de 2018

PCP quer pôr lucros a contribuir para a Segurança Social


O Parlamento discute a diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, pela introdução de uma contribuição sobre empresas com grandes lucros mas onde os salários pouco pesam.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/7611.jpg?itok=5ETIKfe9
A votação da proposta da bancada comunista é uma oportunidade para o PS se distanciar das convergências que tem mantido com a direita ou, pelo contrário, chumbá-la com o PSD e o CDS-PP.
A votação da proposta da bancada comunista é uma oportunidade para o PS se distanciar das convergências que tem mantido com a direita ou, pelo contrário, chumbá-la com o PSD e o CDS-PP.Créditos
O projecto de lei, que vai ser discutido e votado esta tarde na Assembleia da República, introduz uma nova contribuição sobre o valor acrescentado líquido (VAL, o resultado final da actividade produtiva descontando os gastos com investimentos), com uma taxa de 10,5%.
A ser aprovada a proposta dos comunistas, as empresas serão chamadas a pagar a diferença entre o valor que resulte da aplicação da nova taxa e as contribuições que entregam à Segurança Social actualmente – ligadas exclusivamente à massa salarial.
Esta solução permitirá introduzir maior justiça contributiva e acomodar as inovações tecnológicas que permitem produzir mais com menos, indo buscar recursos que actualmente escapam ao sistema de Segurança Social – em alternativa à proposta de corte de 600 milhões nas pensões em pagamento que o PSD e o CDS-PP apresentaram nas últimas legislativas.
A taxa adicional sobre o VAL será devida sobre os resultados do ano anterior, já que é necessário que a Autoridade Tributária faça o apuramento do valor, com base nas declarações fiscais das empresas.
No caso da maioria das pequenas e médias empresas, esta nova contribuição não deverá implicar um aumento dos pagamentos à Segurança Social, ao contrário de actividades que geram elevados lucros com poucos trabalhadores.
Na exposição de motivos do projecto, o PCP sublinha que esta solução «não recorre a impostos para o financiamento» da Segurança Social, «não penaliza o investimento» e que não põe «em causa as receitas que actualmente são recebidas».
«Esta é a verdadeira alternativa, que confirma que há soluções para preservar o carácter público, universal e solidário da Segurança Social», concluem os comunistas.


www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário