AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 30 de junho de 2018

Notícia triste e dorida - Um adeus a José Tengarrinha



em plena batalha da farsa eleitoral 
de Outubro de 1973

Embora tristemente esperada, chega a notícia da morte, aos 86 anos, de José Manuel Tengarrinha. Nesta ocasião, não me apetece inovar e por isso aqui reproduzo o que escrevi na altura do almoço de homenagem pelos seus 80 anos. Disse então que «Muitos e diversos serão os laços, os afectos e os pontos de referência que cada um dos participantes nesta homenagem sentirá em relação ao homenageado. Entretanto, arrisco que, a par dessa legítima e compreensível diversidade, entre todos haverá como traço comum o reconhecimento de que José Tengarrinha é um figura destacada da resistência antifascista e da construção da democracia, um historiador e intelectual de grande mérito e seriedade e um homem de carácter, de convicções e de serena firmeza.» E acrescentei: «Não me sinto capaz de, em forma justa, dar um testemunho pessoal sobre os  anos (sobretudo de 1969 a 1976) em que, de forma regular e intensa, trabalhei politicamente e convivi com José Tengarrinha e de descrever quanto com ele aprendi e cresci politicamente, sendo que já uma vez, a respeito de outro amigo  recentemente falecido, aqui evoquei quanto os democratas da chamada «geração de 60» devem a democratas e homens e mulheres de esquerda que, mais velhos, no campo legal ou semi-legal, mantiveram acesa a chama da luta pela liberdade nos tempos especialmente sombrios e duros que precederam a chegada de cidadãos como eu e outros à vida política activa.»

Assim sendo, resta-me enviar um sentido abraço de solidariedade à Barbara Schilling, sua companheira, à sua irmã, Margarida Tengarrinha, aos seus filhos João e Rosa  e também, justificadamente, à Helena Pato.

[câmara ardente a partir da 18 hs. de domingo, na Basílica da Estrela. 


otempodascerejas2.blogspot.com

Sem comentários:

Enviar um comentário