Em virtude das sanções comerciais impostas pelos Estados Unidos da América ao Irão, a Nike anunciou que não irá fornecer chuteiras à seleção iraniana — adversária de Portugal na fase de grupos — durante o Mundial da Rússia.
Em comunicado, a marca desportiva anunciou que “as sanções significam que, enquanto empresa norte-americana, a Nike não consegue fornecer, nesta altura, as chuteiras aos jogadores da seleção iraniana”.
Perante esta nota, a federação iraniana, na tentativa de esclarecer a situação, enviou uma carta à FIFA pedindo uma explicação, bem como assistência na resolução do problema. Sem resposta, até ao momento.
O selecionador nacional, o português Carlos Queiroz, deixou duras críticas à marca desportiva e exigiu um pedido de desculpas.
À ESPN, o técnico declarou que "os jogadores estão acostumados com os seus equipamentos desportivos, não é correto trocá-los uma semana antes de jogos importantes".
Já à Sky Sports, o treinador português acrescentou que o impedimento "acabou por ser uma fonte de inspiração". "O último comentário da Nike foi, na minha opinião, um comunicado desnecessário. Todos sabem que existem sanções. A Nike deveria pedir desculpa por esta conduta arrogante contra 23 rapazes. É ridículo e desnecessário", disse Queiroz.
Os jogadores procuram agora alternativas, junto de outros jogadores ou lojas desportivas locais.
Nas redes sociais, muitos adeptos iranianos começaram uma ação de boicote à marca desportiva através da hashtag "No To Nike" (não à Nike, em português).
Em maio, Trump anunciou a saída dos Estados Unidos do acordo firmado em 2015 entre o Irão e o Grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, China, França e Reino Unido - e a Alemanha)
Tanto os países europeus como a Rússia e a China criticaram a decisão norte-americana e manifestaram empenho em manter o acordo.
O acordo nuclear permitiu o levantamento gradual das sanções económicas e financeiras internacionais ao Irão em troca do compromisso de Teerão de limitar o seu programa nuclear a fins civis.
A estreia do Irão no Campeonato do Mundo de Futebol acontece amanhã, 15 de junho, frente à seleção marroquina, em São Petersburgo.


24.sapo.pt