AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 27 de junho de 2018

Já em 1996 o "flopes" quis fundar um partido ! - Pedro Santana Lopes rompe com o PSD e prepara novo partido

Em entrevista à revista Visão, o antigo primeiro-ministro diz que ele e o PSD deixaram de "viver juntos" e garante que vai continuar a ter intervenção política noutras paragens


A relação de Pedro Santana Lopes com o PSD terminou? Parece que sim, a acreditar nas declarações que o antigo primeiro-ministro fez à revista Visão, durante uma entrevista que será publicada nesta quinta-feira. "Deixámos de viver juntos", afirma Santana, que admite vir a criar um novo partido, "uma nova organização partidária" em que possa "ter a intervenção política" que acha que deve ter.
Num balanço sobre o percurso no partido, o antigo líder social-democrata recorda ter dito no passado que "o PPD começa a estar farto de aturar o PSD" e afirma que "acabou". Para que não restem dúvidas, ainda acrescenta: "mas acabou mesmo!".
Se o futuro de Santana Lopes não vai passar pelo PSD, isto não significa que o antigo dirigente esteja a planear abandonar a vida política, que "prosseguirá por outras paragens". De acordo com a Visão, a "criação de um novo partido ou a participação em atos eleitorais não são cenários" que o ex-autarca de Lisboa e da Figueira da Foz consiga colocar de parte.
A entrada da Santa Casa da Misericórdia no capital do Montepio Geral e a atual situação do Sporting são outros temas de duas horas de entrevista.
Santana Lopes já tinha rompido com Rui Rio há um mês ao renunciar ao lugar no Conselho Nacional, depois de três meses de progressivo afastamento. Agora a rutura é definitiva com o próprio partido. Pedro Pinto, presidente da distrital de Lisboa, já disse ao Expresso que estava "surpreendido" e que a partir de agora jogavam em clubes diferentes. Mas esta é uma intenção antiga do antigo presidente do partido.
Há meia dúzia de meses, quando o ex-primeiro-ministro concorreu à liderança do PSD, foi várias vezes acusado por Rui Rio de já ter querido abandonar os sociais-democratas para fazer um novo partido concorrente. José Pacheco Pereira chegou a revelar numa edição da Quadratura do Círculo que, em 2011 tinha sido convidado por Santana Lopes para formar um novo partido. Santana admitiria um dia depois numa entrevista ao Observador que apenas tinha pensado no assunto sem passar à prática: "Não pratiquei nenhum ato — ninguém pode dizer que o fiz — nesse sentido. Os meus atos todos são pelo meu partido (...). No ato de contrição há pensamentos, palavras, atos e omissões, mas eu acho que o pensamento é o pecado mais ligeiro".
A primeira notícia sobre estas intenções data do verão de 1996, em O Independente. Nesta época, Santana Lopes estava muito desiludido com a liderança de Marcelo Rebelo de Sousa e estaria a pensar formar uma organização com as siglas do seu nome: Partido Social Liberal (PSL). O objetivo era haver pequenas formações de direita que depois teriam de se coligar num Governo
.
expresso.sapo.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário