AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 13 de junho de 2018

INTERNACIONAL TRABALHO INFANTIL - Conflitos e desastres fazem aumentar trabalho infantil na agricultura

Depois uma década sempre a descer, o número de crianças que trabalham na agricultura passou de 98 milhões, em 2012, para 108 milhões, hoje, denuncia a FAO no 
Dia Mundial contra o Trabalho Infantil.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/7511.jpg?itok=fajh_Nek
O número de crianças trabalhadoras aumentou cerca de 10% desde 2012, o que se deve, em grande medida, a conflitos prolongados e desastres naturais
O número de crianças trabalhadoras aumentou cerca de 10% desde 2012, o que se deve, em grande medida, a conflitos prolongados e desastres naturaisCréditos
A organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês) afirma na nota hoje emitida que «esta tendência preocupante não só ameaça o bem-estar de milhões de crianças, mas também mina os esforços para para acabar com a fome e a pobreza no mundo».
De acordo com o organismo das Nações Unidas, «70% do trabalho infantil a nível mundial ocorre na agricultura», pelo que «é vital enquadrar o trabalho infantil nas políticas agrícolas nacionais e abordar o problema a nível familiar». A não ser assim, defendem os responsáveis da FAO, «agravra-se-á ainda mais a pobreza e a fome nas zonas rurais».
Os conflitos prolongados, os desastres naturais e a migração são apontados como causas principais do aumento referido nos últimos seis anos. A FAO acrescenta que as crianças que trabalham na agricultura «são expostas a múltiplas ameaças», em que se incluem «os pesticidas, as condições inadequadas de saneamento no campo, as temperaturas elevadas e a fadiga decorrente da realização de trabalhos que exigem grande esforço físico durante períodos prolongados».
«O trabalho infantil é um problema mundial, «que prejudica as crianças, causa prejuízos ao sector agrícola e perpetua a pobreza rural», afirma a FAO, sublinhando que, «ao serem obrigadas a trabalhar muitas horas, as crianças vêem diminuir as possibilidades de irem à escola e de desenvolverem as suas capacidades», o que acabará por interferir «com as suas possibilidades de aceder a oportunidades de empregos decentes e produtivos no futuro».
Definindo o trabalho infantil como trabalho que «não é adequado para a idade de uma criança, afecta a sua educação ou pode causar dano à sua saúde, segurança e moral», a FAO sustenta que o combate à pobreza rural e a defesa da educação são fundamentais na abordagem ao combate ao trabalho infantil.


www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário