AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 11 de junho de 2018

ESPERANDO JUSTIÇA - ASSASSINADO E CORPO DESAPARECIDO HÁ 61 ANOS - O CASO MAURICE AUDIN MILITANTE DO PARTIDO COMUNISTA DA ARGÉLIA




Maurice Audin , nascido em14 de fevereiro de 1932 em Béja ( Tunísia ) e assassinado em Argel em 1957, foi um matemático francês , assistente da Universidade de Argel , membro do Partido Comunista da Argélia e ativista da independência argelina  .

Após sua prisão em 11 de junho de 1957, durante a Batalha de Argel , ele morreu  numa data desconhecida .

Para a sua família e por muitos jornalistas e historiadores, incluindo Pierre Vidal-Naquet , foi assassinado durante o interrogatório por pára-quedistas  . 
Esta tese tem sido rejeitada pelo exército e o governo francês, afirmou que ele se tinha evadido . 
Em junho de 2014, o Presidente Hollande  primeira vez reconheceu oficialmente que Maurice Audin tinha morrido em custódia, mas não tornou públicos os documentos sobre o acontecido .

Maurice Oudin  filho de Louis Audin (1900-1977) e Alphonsine Fort (1902-1989), casado em 1923 em Koléa (Argélia), veio de famílias modestas de trabalhadores. Na época do nascimento de Maurício, seu pai era chefe da brigada de gendarmaria de Beja, no protetorado francês da Tunísia . Depois da Tunísia, Louis Audin é designado para  França e depois para Argel.

Educação e Carreira Universitária 
O filho do soldado, Maurice Audin tornou-em 1943, entrou na Escola Militar Preparatória de Hammam Righa  ; em 1946 ele foi admitido na escola Autun  ; em 1948, renunciando a uma carreira como oficial, retornou para a turma de matemática elementar em Argel (escola secundária de Gauthier).

Ele estudou matemática na Universidade de Argel, obtendo seu diploma em junho de 1953. Em fevereiro de 1953, foi recrutado como assistente do professor René de Possel , cargo no qual se tornou permanente em 1954. Também trabalhou  numa tese sobre " Equações lineares num espaço vetorial para o Doutorado em Matemática do Estado ". 

Em janeiro de 1953, casou-se com Josette Sempé (nascida em 1931); eles vão ter três filhos: Michèle (1954), Louis (1955) e Pierre (abril de 1957).

Compromisso político 

Maurice Audin ingressou no Partido Comunista da Argélia em 1951, primeiro como membro da célula Langevin da União dos Estudantes Comunistas , e depois, a partir de 1953, uma célula de Argel. Ele também frequentou a associação de estudantes muçulmanos, AEMAN (em 1955 a UGEMA ) 7 .

Em face da guerra argelina 
Maurice e Josette Audin fazem parte da minoria anti-colonial da Argélia francesa, para quem a independência da Argélia é óbvia e que é também a posição do PCA. 
O PCA foi proibido a 13 de setembro de 1955  e tornou-se uma organização clandestina, em conexão com a FLN  ; a família Audin participa de certas operações relacionadas a essa situação.

Em janeiro de 1957, foi lançada a operação chamada "  Batalha de Argel  ", para as quais a 10ª Divisão de Pára-quedistas do general Massu detém o poder de polícia na área de Argel. Esta unidade está envolvida maciçamente em tortura e execuções sumárias. Em seis meses  mais de 3000 argelinos desapareceram depois de suas prisões  .



Prisão e desaparecimento de Maurice Audin (Junho de 1957) 
Poucos dias após o bombardeio do Casino de la Corniche (3 de Junho 1957), que resultou em 8 mortes e 92 feridos, Hadjadj foi preso .
Audin foi levado de sua casa pelo Capitão Tenente PHILIPPE ERULIN e vários soldados do 1 st  estrangeiros páraquedistas para ser transferido para um destino como prisão domiciliaria. A armadilha foi instalada no apartamento da família Audin, e Henri Alleg , ex-diretor do jornal republicano Argel e autor de The Question , é preso no dia seguinte. 
Com exceção dos militares, ele, é a última pessoa a ver Maurice Audin vivo . 
Depois o rasto foi perdido por amigos e família.

Este desaparecimento tem efeitos consideráveis: é o começo do caso Audin.



No L'Humanité , que menciona seu desaparecimento a partir de 4 de julho, o caso de Maurice Audin é especialmente evocado em relação ao de Henri Alleg. Ele aparece na primeira página em 13 de agosto: 
"O que aconteceu com Maurice Audin? 
E no dia 24: "
Uma carta de Jacques Duclos a Bourgès-Maunoury no caso Maurice Audin".

Caso Maurice Audin: Macron chamado para reconhecer o crime de Estado

50 personalidades apelaram ao chefe de Estado francês "para que a justiça seja finalmente feita para Maurice Audin e milhares de argelinos" 


Maurice Audin , um ativista matemático e comunista pela pendência da Argélia, foi preso em 11 de Junho de 1957

"Mais de sessenta anos se passaram e Josette Audin, sua esposa, está esperando justiça " Se a França, país de direitos humanos, condena a tortura, quem a usou e quem a autorizou". porque não age ?

Os signatários da chamada lembram a Emmanuel Macron que ele "prometeu" apurar estes crimes neste período da história ". O reconhecimento dos abusos sofridos por Maurice Audin, e o seu assassinato pelo exército . O momento chegou. 
A  família, espera há mais de sessenta anos JUSTIÇA , também pelos milhares de argelinos "desaparecidos" como Maurice Audin, do outro lado do Mediterrâneo.

A justiça deve ser devolvida a Audin e a todos os argelinos que morreram em condições semelhantes.




VÍDEOS




Sem comentários:

Enviar um comentário