AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 2 de junho de 2018

ASAE apreende água não potável engarrafada e a ser vendida como de marca


Os garrafões de água provenientes de um país da União Europeia eram utilizados em máquinas automáticas e depois eram reutilizados pelo distribuidor português para abastecer novamente as máquinas com água diferente da original.
A ASAE apreendeu 319 litros de água imprópria para consumo engarrafada em garrafões para máquinas automáticas dispensadoras, de uma marca que estava a ser falsificada em Portugal e a ser vendida no mercado como se fosse genuína.
A informação foi hoje divulgada pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), que levou a cabo esta investigação, de crime de fraude sobre mercadorias.
Os investigadores descobriram que garrafões de água provenientes de um país da União Europeia eram utilizados em máquinas automáticas dispensadoras existentes em Portugal e depois eram reutilizados pelo distribuidor português, sediado no distrito de Braga, para abastecer novamente as máquinas com água diferente da original.
Após encher os garrafões com água não potável, proveniente de um local sem controlo de qualidade, o referido distribuidor colocava um novo selo de segurança nos garrafões e mantinha a rotulagem original, redistribuindo-os aos clientes que possuíam as máquinas dispensadoras, como se fosse "a água original e segura", enganando-os "intencionalmente", explica a ASAE, em comunicado.
As análises laboratoriais efetuadas durante o inquérito revelaram que a água em causa era "proveniente de um local sem qualquer controlo de captação e de qualidade, sendo considerada inapta para consumo humano".
No âmbito do processo, foram apreendidos 319 litros de água, "que apresentavam estas inconformidades", e os responsáveis da empresa foram constituídos arguidos.

Sem comentários:

Enviar um comentário