AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 3 de junho de 2018

A história do Jipe e da criação do “Jeep”


Veículo mais famoso do mundo, o modelo americano criado para a 2ª Guerra completa 75 de estrada



Dos carros, o mais valente. Das lendas, a mais viva. Das histórias, a mais completa. Do carisma, o maior. No dia 21 de setembro próximo, o Jipe (que não nasceu ´Jeep´...), veículo que divide o posto de automóvel mais famoso do planeta com o VW Fusca, completará 78 anos. E o mundo comemora! 

SAGA DE 60 DIAS

A data carimba o feito inimaginável engendrado pela American Bantam, de concluir – em apenas 60 dias (a partir da encomenda do Exército norte-americano) – um protótipo chamado ´Bantam Piloto´. Antes de a ideia ser esculpida no aço e finalizada com o veículo em perfeito funcionamento, a minúscula montadora que tinha apenas 15 pessoas na sua folha de pagamento, topou a parada e, do marco zero, em incríveis 11 dias, arranjou um sócio, criou e desenvolveu um projeto de um utilitário leve com tração 4X4 e o apresentou à instituição militar no prazo estabelecido. 

PENEIRA

Os militares americanos tinham pressa. A 2ª Guerra tomava vulto e a Alemanha já tinha no campo de batalha o Kübelwagen (derivado do Fusca) como ‘veículo leve de reconhecimento’. A Bantam precisava de alguém com capacidade para tocar o projeto relâmpago com o menor número de erros. Com habilidade diplomática, a fábrica conseguiu resgatar Karl K. Probst, competente engenheiro e designer que, num toque mágico, finalizou o desenho do carro a cinco dias da expiração do prazo. Das 135 indústrias que receberam o convite em 11 de julho/1940 para produzir 70 unidades experimentais, apenas a American Bantam e a Willys-Overland apresentaram o projeto 11 dias depois. A Ford também estava presente no momento da abertura dos envelopes, mas, curiosamente, não havia levado sugestão alguma. Como a Willys já sinalizara que não teria como apresentar o modelo pronto em mais 49 dias a partir dali, restou para a Bantam a glória de ser a criadora oficial do carro que um dia seria globalmente conhecido como ‘Jeep’. 



MÃO NA MASSA!

Praticamente sem descanso, o engenheiro Karl Probst junto com a sua equipe esculpiram a máquina atendendo às especificações do Exército americano, dentre elas, ter 585 kg de massa (detalhe praticamente impossível), portar guarnição de para-lamas que, de fato, protegessem os soldados da lama levantada pelos pneus, oferecer espaço para armamentos e combustível extra, provisões de acampamento e, claro, ter a robustez de um rinoceronte! Probst conseguiu, enfim, no dia 21 de setembro de 1940 concluir o carro. Após alguns testes ao redor da fábrica da Bantam, o primeiro jipe da história saiu rumo ao campo de provas Holabird no dia 23/9/1940. O modelo percorreu 368 quilômetros e manteve uma velocidade média de 40 km/h para amaciar o motor. Rompeu o portão do quartel exatamente às 16h30min, ou seja, a 30 minutos para o término do prazo! Foi aprovado com louvor. Com uma verba de pouco mais de 170 mil dólares, a Bantam teria que fabricar 62 carros com tração 4X2 e 8 unidades com tração – e direção – nas 4 rodas! A ousada empresa então começou a colocar no forno o Bantam Mark II, uma evolução do modelo Piloto. 

MULTIPLICAÇÃO

Como o projeto fora comprado pelo Exército dos Estados Unidos, as plantas originais da Bantam foram repassadas à Willys e Ford, daí surgiram as encomendas das primeiras 4.500 unidades (1.500 veículos de cada fabricante). Com habilidade, os militares forçaram uma junção do melhor que cada uma dessas marcas tinha, mas, com o passar do tempo, a Willys ganhou mais espaço na indústria por fabricar o mais potente dos Jipes. O Willys MA (´Model A´) tinha motor 2.2 (2.200 cm³) de 4 cilindros com 65 hp de potência, mais forte, portanto, que o Bantam 40 BRC (Bantam Reconnaissance Car / 1.8 e 45 hp) e o Ford GP (de General Purpose, do inglês, ‘Propósito Geral’ ), com motor 1.9 e 46 cv. Em setembro de 1941 a Willys ganhou um contrato maior, sendo a Ford contratada como segunda opção. A Bantam, criadora do modelo, ficou encarregada apenas de fabricar um trailer (reboque) de carga durante a 2ª Guerra. 









gazetaweb.globo.com

Sem comentários:

Enviar um comentário