AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 13 de maio de 2018

Trabalhadores e empregados portugueses, graus de exploração (parte 2) - salários e pensões


Por salário: 
Nos números oficiais do INE (Instituto Nacional de Estatística), são apresentados os seguintes dados sobre os salários dos trabalhadores portugueses. Em 2017, 30% dos trabalhadores do salário receberam 600 euros ou menos (o salário mínimo é de 560 euros e é anunciado que subirá para 580 euros em janeiro de 2018). Em 2017, 30% dos trabalhadores remunerados receberam entre 600 e 900 euros. Em 2017, 24% dos trabalhadores remunerados receberam entre 900 e 1800 euros. Em 2017, 3% dos trabalhadores remunerados receberam entre 1800 e 2500 euros. Em 2017, 1,3% dos trabalhadores remunerados receberam 2500 euros ou mais. Nestes dados há alguns misteriosos 11% de salários “sem classificação”. (Fonte: Eugénio Rosa 2017)
Para desenvolver ainda mais esses dados, deve-se acrescentar que os trabalhadores clandestinos recebem o salário mínimo ou menos (ou seja, 560 euros ou menos) e são 1 milhão. É necessário saber que os trabalhadores que recebem 600 euros por mês em Portugal hoje são pobres. Os desempregados portugueses (800 mil) estão na sua maioria bem abaixo dos 600 euros por mês - mais de metade dos desempregados recebem zero de desempregados e a maioria dos desempregados que recebem um subsídio de desemprego está a receber bem menos do que o salário mínimo. Dos 1,8 milhões de aposentados, 1,6 milhão deles recebem 600 euros ou menos por mês e um grande grupo dentro desses (250 mil) recebe até menos de 300 euros. (Fonte: Eugénio Rosa 2017)
Assim, os 600 euros ou menos trabalhadores (W) mais 600 euros ou menos pensionistas (P) mais os trabalhadores clandestinos (C) mais a esmagadora maioria dos desempregados (U) é sobre esses números: 
W + P + C + U = 1,4 milhões + 1,6 milhões + 1 milhão + 700 mil 
Uma estimativa da população igual ou abaixo dos 600 euros ganhos por mês é de 4,7 milhões de pessoas. Somam-se os estudantes e as crianças que vivem sob a proteção dessas famílias e, seriamente, mais de 5 milhões de pessoas em Portugal têm que sobreviver sob os ganhos de 600 euros por mês por pessoa. Além desses números, não podemos esquecer que cerca de 1,1 milhão de trabalhadores autônomos e alguns milhares de agricultores e lojistas pobres além desse número podem lutar pela sobrevivência com os mesmos 600 euros mensais ou menos
.peloantimperialismo.wordpress.com

Sem comentários:

Enviar um comentário