AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


domingo, 13 de maio de 2018

Operação Marquês investiga conta bancária de mulher de Ricardo Salgado na Suíça


A mulher de Ricardo Salgado, Maria João Bastos Salgado, terá um património de “entre 100 e 200 milhões de euros” depositado numa conta de um banco suíço, noticia neste sábado o Correio da Manhã. Num comunicado enviado entretanto às redacções Maria João Salgado vem “desmentir categoricamente a peça do Correio da Manhã” e criticar o facto de não lhe ter sido dada “oportunidade de exercer o contraditório prévio”.
O jornal cita um documento – uma ficha de cliente – do banco Lombard Odier, em Genebra, que diz respeito à conta bancária de uma sociedade offshore sediada no Panamá, a Begolino, da qual será beneficiária, segundo o jornal diário, Maria João Bastos Salgado.
Nesse documento, que tem data de Agosto de 2016, a mulher do ex-banqueiro é identificada pelas iniciais MB e a revelação do significado destas iniciais foi feita pelo Lombard Odier ao Ministério Público da Suíça, escreve o Correio da Manhã.
“Em carta datada de 6 de Setembro de 2016, que consta na carta rogatória da Suíça que está nos autos da Operação Marquês, o banco informou que ‘as iniciais MB’ na ficha de cliente da conta nº 51009400 referem-se à beneficiária final da dita conta, a saber, a senhora Maria João Leal Calçada Bastos Salgado”, lê-se na notícia.
Como mandatários da conta de Maria João Salgado figuram, segundo a investigação da Operação Marquês, o ex-líder do Grupo Espírito Santo (GES) e a filha de ambos, Catarina Amon.
No comunicado, Maria João Salgado rejeita as alegações: “É totalmente falso que ‘guarde’ mais de 100 milhões na Suíça ou em qualquer outro lugar. Todas as contas que tive e tenho em conjunto com o meu marido estão declaradas e são do conhecimento das autoridades”, afirmou a mulher do antigo presidente do BES.
“Lamento que não baste o espectáculo público que tem sido promovido em torno do meu marido e se pretenda arrastar a sua família”, conclui a nota.
(Notícia actualizada às 14:51 com o desmentido de Maria João Bastos Salgado)


www.publico.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário