AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 12 de maio de 2018

O Massacre de Cassinga



O Massacre de Cassinga*

Num tempo de tentativas de neocolonização de África - em particular na zona subsaariana, mas não só - é ainda mais importante a preservação da memória histórica dos heróicos movimentos africanos de libertação nacional, e dos monstruosos crimes cometidos pelos que desejariam impedir para sempre a libertação dos povos africanos. Os mesmos interesses que trabalham para o regresso a um passado de dependência, opressão e rapina das riquezas nacionais.

A 4 de Maio de 1978, tropas especiais do regime racista sul-africano, helitransportadas e com o apoio da força aérea, atacaram o campo de refugiados namibianos em Cassinga, no Sul de Angola, a cerca de 250 quilómetros da fronteira com a Namíbia.
Massacraram centenas de pessoas houve pelo menos 600 mortos e 350 feridos graves , mulheres, crianças e velhos indefesos, antes de se retirarem, forçadas pela chegada de forças internacionalistas cubanas, que lutavam ao lado do exército angolano.
Estacionados a cerca de 15 quilómetros de Cassinga, os cubanos acudiram em defesa do acampamento, tendo sido flagelados pelos aviões inimigos e sofrido 16 mortos e 76 feridos. A intervenção «impediu o extermínio total dos refugiados, já que os sul-africanos se retiraram sem combater», descrevem, hoje, intervenientes. Na operação «participaram 12 aviões Mirage, quatro C-130 e oito helicópteros da força aérea sul-africana, que bombardearam e metralharam quem estava no acampamento». As forças cubanas resgataram os sobreviventes, cerca de três mil refugiados.
Os sul-africanos atacaram, na mesma altura, em Chetequera, no Cunene angolano, uma base da SWAPO (Organização do Povo do Sudoeste Africano), o movimento de libertação nacional namibiano dirigido por Sam Nujoma, que haveria de ser, a partir de 1990, o primeiro presidente do país libertado.
O 40.º aniversário do Massacre de Cassinga foi agora comemorado em Angola, na Namíbia e em Cuba, tendo merecido destaque na imprensa dos três países.
O presidente angolano, João Lourenço, deslocou-se a Windhoek para assinalar a efeméride e homenagear as vítimas. Foi distinguido pelo seu homólogo namibiano, Hage Geingob, com a mais alta condecoração do país.
«Os namibianos mantiveram o ímpeto da sua luta de libertação, apesar do massacre no campo de refugiados de Cassinga pelos racistas sul-africanos», lembrou João Lourenço durante a cerimónia. «Foi um facto trágico na sua história, insuficiente para impedir a vitória namibiana contra a ocupação colonial do regime do apartheid», considerou.
Já o presidente Hage Geingob reafirmou que Angola e a Namíbia são vizinhos fraternos e unidos por laços históricos, de cultura e de sangue.
O 4 de Maio é feriado nacional na Namíbia, que partilha com o seu vizinho do Norte mais de 1300 quilómetros de fronteira. Como escreveu o Jornal de Angola, em Luanda, «a data reveste-se de um grande simbolismo, não apenas para Angola e para a Namíbia, mas para o continente». O diário sublinha que além de «um hino à resistência contra o regime segregacionista do apartheid», o 4 de Maio «entrou para a história da África Austral» como símbolo da solidariedade entre os povos.
Luanda e Windhoek anunciaram que vão construir memoriais para homenagear as vítimas do massacre sul-africano, um em Cassinga e outro em Chetequera.
Os 40 anos do massacre foram, nestes dias, também assinalados em Havana. Foram enaltecidos os laços de amizade que unem os povos de Cuba e da Namíbia, bem como as actuais relações de cooperação entre os dois estados. E recordado que crianças e jovens sobreviventes de Cassinga foram para Cuba receber formação gratuita, na primeira escola criada na Ilha da Juventude para apoiar a SWAPO.

*Este artigo foi publicado no Avante! nº 2319, 10.05.2018

www.odiario.info

Sem comentários:

Enviar um comentário