AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 5 de maio de 2018

LEMBRO-ME DESTA CENA TRISTE - Ana Sara Cruz



Ana Sara Cruz in facebook

Lembro-me muito bem desta "cena" triste. Passou-se em Julho de 2009, no plenário da Assembleia da República. Decorria o debate do Estado da Nação e debatia-se a situação do encerramento das Minas de Aljustrel e do consequente despedimento de centenas de trabalhadores. Manuel Pinho, Ministro da Economia do governo de Sócrates, acabara de fazer um discurso falso e cheio de demagogia, tentando fazer acreditar que se tinha deslocado a Aljustrel "para resolver a situação dos trabalhadores da mina". A seguir foi J. Sócrates quem usou da palavra para reforçar, e apoiar, as aldrabices do seu ministro, tentando mostrar ao Parlamento que o seu governo estava muito preocupado com a situação dos mineiros. Foi então que Bernardino Soares, então líder da Bancada comunista disse, em aparte: " O Sr.Ministro foi a Aljustrel mas foi para entregar um cheque da EDP ao clube da terra (Sport Clube Mineiro Aljustrelense), como, aliás, o PCP já denunciou em devido tempo". Em resposta a esta verdade, denunciada por B. Soares, o ex-ministro M. Pinho, como grande ordinário que é, pôs os dedos indicadores na testa e "ofereceu" um par de cornos à bancada do PCP. 
Já nesta altura M.Pinho andava a ser subornado pela EDP e a roubar os portugueses para beneficiar aquela empresa. No entanto, depois deste episódio, tristemente reles, a comunicação social não fez grande alarido e até houve quem dissesse que "o gesto do ministro foi a resposta pronta à provocação dos comunistas". Durante anos e anos M.Pinho recebeu dinheiro para favorecer a EDP roubando o erário público, no entanto, a c. social nunca deu por nada e tudo o que os comunistas diziam era para difamar o homem.
M. Pinho recebeu benefícios ilícitos obtidos através da revisão dos contratos CMEC; foi docente na Universidade de Columbia, N. Iorque, em que deu aulas de Energias Renováveis, docência essa que foi paga pela EDP e custou UM MILHÃO DE EUROS, tal como também deu aulas em duas universidades chinesas (é só coincidências); entre outros benefícios estão também milhares e milhares de euros que M.Pinho recebeu da eléctrica em troca de favores concedidos, em paralelo com um enorme prejuízo para as finanças portuguesas mas que proporcionam uma vida de milionário ao ex-ministro que vive uma vida luxuosa em Nova Iorque. No entanto, há alguns anos atrás, nada era verdade, tudo eram calúnias. Agora, quase de repente, a c. social passou a saber tudo, a conhecer os "pôdres" todos e a seguir o rasto dos subornos que foram concedidos a M. Pinho; é engraçado vê-los, e ouvi-los, falar no assunto, todos os dias, com muita convicção e certeza, como se tivessem sido eles a "descobrir a pólvora".

Sem comentários:

Enviar um comentário