AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Dezenas de países boicotam inauguração de embaixada dos EUA em Jerusalém



Jerusalém, 13 mai (EFE).- Dezenas de países, entre eles muitos europeus, não marcarão presença neste domingo em um evento do Ministério das Relações Exteriores de Israel, que contará com a participação do titular desta pasta e do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, para celebrar a inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, que acontece amanhã.
No evento, programado para a tarde de hoje na sede do ministério israelense, ao qual devem comparecer cerca de mil pessoas, participarão as máximas autoridades israelenses assim como a delegação americana que chegou ao país para a inauguração, que inclui Ivanka Trump, filha e assessora do presidente Donald Trump, e seu marido e também assessor presidencial, Jared Kushner.
Entre os 86 embaixadores e encarregados de negócios convidados para a cerimônia, 40 confirmaram presença, mas a maioria dos representantes dos países europeus não assistirão ao evento por não concordarem com a mudança da máxima representação diplomática dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, por romper com o consenso da comunidade internacional.
Entre os países que não comparecerão ao evento estão Espanha, Reino Unido, França e Itália. No entanto, outros países do Velho Continente confirmaram a presença de seus representantes, entre eles Romênia, Hungria, Áustria e República Tcheca, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores israelense.
De acordo com a emissora de notícias israelense "Channel 10", as autoridades tchecas, húngaras e romenas bloquearam um comunicado conjunto da União Europeia (UE) que criticava a mudança da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém.
Ontem à noite, a delegação da UE em Israel comunicou através do Twitter que "seus Estados-membros seguirão respeitando o consenso internacional sobre Jerusalém", assim como a resolução 478 do Conselho de Segurança da ONU de 1980, na qual1 ficou decidido que os Estados-membros deveriam retirar suas embaixadas da Cidade Sagrada em rejeição à anexação unilateral de Jerusalém Oriental por Israel.
Entre os que participarão do evento de hoje estará também a ministra de Relações Exteriores da Guatemala, Sandra Jovel, que chegou ao país para inaugurar na próxima quarta-feira a embaixada de seu país em Jerusalém, seguindo os passos de Washington.
Também participam do evento os representantes de outros países latino-americanos como República Dominicana, El Salvador, Honduras, Panamá, Peru e Paraguai.


noticias.bol.uol.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário