AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sexta-feira, 18 de maio de 2018

AOS PREPOTENTES, AOS FASCISTAS E CORRUPTOS INCOMODA-OS A INTERNET -Francisco Pinto Balsemão: “A Internet transformou-se numa lixeira”

As redes sociais são uma ameaça para o jornalismo e para a democracia, alertaram esta quinta-feira o presidente do conselho de administração da Impresa e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas, na apresentação das bolsas para jornalismo de investigação da Fundação Gulbenkian

Durante décadas, Francisco Pinto Balsemão e Paulo Portas sentaram-se em campos opostos no jornalismo (o primeiro fundou o "Expresso", o segundo "O Independente) e na política (Balsemão fundou o PSD, Portas esteve 15 anos à frente do CDS/PP). Esta quinta-feira, o presidente do conselho de administração da Impresa, proprietária do Expresso e da SIC, e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros alinharam o discurso sobre a ameaça que as redes sociais representam para o jornalismo e para a democracia. "A Internet transformou-se numa lixeira. É cada vez mais fundamental separar o trigo do joio", sublinhou Francisco Pinto Balsemão. "Vivemos numa sucessão de emoções, que se atropelam umas às outras e depois convertem-se em indignações. Nunca se sabe o fim da história. Passam uns dias e estamos a viver outra indignação", acrescentou Portas.
Os dois encontraram-se na Fundação Gulbenkian para falar de "Democracia e Jornalismo", dois fenómenos que, para Portas, "têm crises paralelas, embora não da mesma natureza". Em comum, porém, têm "um problema de intermediação": entre os leitores e a realidade, no caso do jornalismo; e entre os eleitores e a função política, no caso da democracia. "As redes sociais representam uma ilusão de igualdade e de democratização. Dispensam qualquer critério de qualidade, qualquer racionalidade, e o que temos é um caos crescente. As instituições e o jornalismo tornaram-se muito vulneráveis à coação das redes sociais."
Pode o bom jornalismo ser a resposta a esta crise? Balsemão não tem dúvidas. "Tornou-se ainda mais necessário. E hoje temos meios tecnológicos para fazermos investigação como nunca tivemos. Os jornalistas não podem é trabalhar para brilhar nas redes sociais perante colegas e concorrentes. Têm de trabalhar para fazer jornalismo."

150 MIL EUROS PARA O JORNALISMO DE INVESTIGAÇÃO

O debate entre Balsemão e Portas, moderado pelo jornalista António José Teixeira, integrou a cerimónia de apresentação das bolsas para jornalismo de investigação da Gulbenkian. Destinadas a jornalistas nacionais que apresentem trabalhos de investigação em áreas como política, economia, questões sociais, culturais ou históricas relacionadas com Portugal e os portugueses, as bolsas visam promover a investigação jornalística e contribuir para uma sociedade mais informada e democrática. Em 2018, vão distribuir 150 mil euros por um máximo de 10 projetos.
"Queremos dar um contributo para a manutenção de uma investigação cada vez melhor, cada vez mais dotada de meios, e trabalhar de forma conjunta para fortalecer um dos pilares da nossa democracia", afirmou a presidente da Gulbenkian, Isabel Mota, lembrando que as fundações, "pela sua independência", podem ter um papel fundamental para "assegurar uma informação plural, independente e rigorosa".
"É pelo grande jornalismo que passa o futuro da democracia e daí a nossa aposta", acrescentou Pedro Norton, administrador da fundação e antigo presidente-executivo da Impresa. "Não queremos que este seja um ato isolado. Esperamos que seja o catalisador de mais iniciativas da sociedade civil".
No final da sessão, a jornalista Maria Flor Pedroso, sentada na audiência, quis saber que investigação fariam os dois oradores se fossem contemplados com uma bolsa. "Iria perceber quem é que mandou 50 hooligans bater em jogadores dentro de uma academia privada", respondeu Portas. Já Balsemão promoveria "uma investigação tão profunda quanto possível sobre a transferência de poder em Angola". "É bem pensado", retorquiu Portas, arrancando gargalhadas da audiência. "Mas não duvido que houve mesmo transferência de poder", apressou-se a aclarar.

expresso.sapo.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário