AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 30 de abril de 2018

SEGURITAS OU PROSSEGUR - PSP é que não) - Guilherme Antunes




SECURITAS OU PROSEGUR (-PSP é que não)
Os portugueses politicamente mais esclarecidos sabem há muito que o truque da CEE, primeiro, e da UE depois, tem sido uma invasão neo-liberal/fascista (fase extremista do capitalismo) em países soberanos e independentes, realizada com a conivência de traidores das respectivas burguesias nacionais, de que se destaca, no nosso caso, o agente da Cia, Mário Soares.
Manietado, obstruído, desvalorizado, empobrecido, Portugal tem estado à mercê do pior tipo de seres humanos, externos e internos, que colonizaram o território nacional e mantêm um povo aprisionado nos seus valores mais seculares: a sua ideia de independência pugnada por cerca de 9 séculos e glorificada em 25 de Abril de 1974.
Uma mulher desmaia no aeroporto depois de ter aterrado em Lisboa. Chamado o pessoal do INEM, que se faz acompanhar da PSP, é-lhe barrada a entrada por…seguranças privadas do aeroporto, por motivo de revista obrigatória. Passaram, entretanto, 17 minutos, se fosse uma paragem cardio-vascular a mulher teria morrido.
A questão NACIONAL é saber que, HOJE, a autoridade(?) que vale mais é a segurança privada e a que vale menos é a segurança pública. É saber que os negócios de milhões impostos à sociedade portuguesa nesta área, são de tal modo sumptuosos que a PSP já dobra a cerviz perante a decisão de um pobre homem a quem deram ordens rigorosas: a polícia aqui não manda nada.
O Estado de Portugal não existe, é um mero protectorado da Alemanha (e dos EUA), em que as decisões fundamentais são tomadas em território estrangeiro e ao arrepio da felicidade dos luso-sitiados.
Importava, pois, saber-se quais são os locais do território nacional em que a PSP, a GNR, etc, ainda pode intervir sem se encontrarem na dependência do mando de empresas privadas de segurança, cujo patronato, como é público, é pertença de uma oligarquia de generais e outra tropa fandanga e de “políticos” partidários e outra escumalha generalista.

Sem comentários:

Enviar um comentário