AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 30 de abril de 2018

O "Casanova" perito em recrutar mulheres para o Estado Islâmico





Em 2012, o marroquino Imad Jibar, então com 20 anos, deixou de ser um jovem comerciante de Ceuta para rumar à Síria, onde se alistou como soldado do Estado Islâmico e fez furor como recrutador de mulheres combatentes. Acabou detido em abril passado, seis anos depois.
Imad Jibar nasceu em Castillejos, Marrocos. Antes de comprar um bilhete de avião para a Síria, trabalhava como comerciante em Ceuta e, como tantos da mesma idade, jogava futebol nos tempos livres. Como poucos, foi precisamente no mundo da bola que acabou recrutado para as fileiras do Estado Islâmico, em 2012, escreve, este domingo, o jornal "El Mundo".
Dois anos depois, ajudou a promover a criação do autodenominado Estado Islâmico (EI) com um batalhão hispano-marroquino de cerca de 300 homens, chefiado pelo também marroquino Abdelaziz El Mahadali, antigo traficante de droga e peso pesado do califado. Batizaram-se como "Os Leões de Tetuão (cidade marroquina)". Eram alguns dos primeiros combatentes estrangeiros a sair de Marrocos e Espanha com destino à Síria e, desde o princípio, que estavam a ser seguidos pela polícia. A maioria já não está cá para contar a história.
Considerado pelas autoridades como uma peça-chave no cruzamento da fronteira entre a Turquia e Síria, Jibar recebia os novos membros da organização na cidade turca de Gaziantep, ajudava-os a passar a fronteira sem serem detetados e inseria-os nas cidades do país árabe onde o grupo opera.
Imad Jibar desempenhou com sucesso a missão de engrossar as fileiras do grupo extremista. Era um dos mais eficientes guerrilheiros do EI a recrutar combatentes na Internet, sobretudo mulheres. De acordo com fontes policiais, citadas pelo jornal espanhol, durante os seis anos em que lutou pelo califado, Imad Jibar conseguiu introduzir nos territórios dominados por terroristas várias centenas de pessoas, na maioria do sexo feminino. A imagem de galã que preservava - e que lhe valeu a alcunha de "Casanova" na imprensa espanhola -, as mensagens apelativas e os vídeos gravados em casas luxuosas pareciam conquistar a atenção de muitas delas.
O marroquino foi detido a 17 de abril, com 26 anos, na cidade fronteiriça de Sanliurfa, na Turquia, em consequência de uma ordem internacional de detenção. Deverá ser extraditado para a Espanha para ser julgado por integrar uma organização terrorista.



www.jn.pt

Sem comentários: