AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


sábado, 28 de abril de 2018

A origem dos nomes das uvas


Há aquela história da pessoa a quem perguntam:
-Quantas sinfonias compôs Beethoven?
-Uma.
-Qual?
-A nona!
A nós se nos perguntam:
-Quantas castas de uvas existem?
-Uma.
-Qual?
-A Syrah!
Vamos então falar de uvas e respectivas castas, sobretudo tentar entender a origem e significado dos nomes da cada uma. Mas como existem muitos milhares de castas de uvas no mundo, vamos escolher algumas das mais conhecidas, ou cujo nome tem mais interesse investigar, pois alguns são de ordem mitológica, outros científica, outros controversos. Também há alguns bastante curiosos. Eis os mais interessantes.
Malbec
Há quem diga que a origem seria um nome próprio, Malbek, de origem húngara. Outra teoria, mais lógica, já que Malbec é uma uva francesa, seria “Mal bec” ou boca amarga, em francês, devido aos taninos mais duros que os Malbec franceses têm.
Merlot
O nome viria do pássaro Melro, que em francês é Merle, uma praga no país, que adora comer as uvas Merlot.
Pinot Noir
O nome seria devido ao formato de seu cacho, como um pi – nho (pin), noir (escuro).
Syrah
Tinha de constar, claro. Esta uva é de origem muito antiga, com muitas lendas em torno de seu nome, como já temos referido. Está provado que sua origem genética está no Vale do Rhône (França), mas há especulações que ligam seu nome à cidade de Siracusa, na Sicília, ou ainda de uma cidade com o nome Shiraz, no Irã, antiga Pérsia. Ou, ainda, seria derivado de “Darou é Shah” (o remédio do rei), que era como o rei persa Djemchid se referia ao vinho. Há até quem extrapole e insinue que Syrah teria sido o tinto da Última Ceia, sendo esta a nossa nossa história preferida.
Cabernet Sauvignon
Como sabemos, Cabernet Sauvignon é a rainha das castas tintas para uns, para nós é outra, capaz de crescer e dar frutos em quase todos os climas. Cabernet vem de “caverna”, e Sauvignon, de “selvagem”. Em outras palavras, Cabernet Sauvignon é “o selvagem das cavernas”. Esta uva é mais moderna do que se acredita, e é o produto de um cruzamento entre a branca Sauvignon Blanc e a tinta Cabernet Franc, por volta do século 16.
Tempranillo
Temprano significa cedo em espanhol e a Tempranillo leva este nome, pois amadurece mais cedo que as outras tintas espanholas.
Tannat
Diz a lenda que foi a alta concentração de taninos dessa uva que motivou a escolha de seu nome.
Petit Verdot
O cacho dessa uva é pequeno, e de amadurecimento tardio, mantendo um leve tom verde. Portanto, Petit Verdot.
Carménère
Assim como a Cabernet Sauvignon e o Merlot, a uva Carménère também é uma cepa originária de Bordeaux. Apesar de ser uma fruta típica da região, a Carménère não é encontrada com facilidade nessa cidade francesa, já que os vinhos chilenos elaborados com a cepa são considerados os melhores do mundo. A Carménère produz um vinho bastante encorpado, ao contrário das outras uvas francesas, com taninos marcantes, sabor frutadoe aroma discretamente apimentado.
Chardonnay
Originária da Borgonha, é responsável por produzir os mais famosos vinhos brancos e espumantes em todo o mundo. A cepa Chardonnay produz vinhos encorpados, porém macios e muito elegantes, especialmente quando produzidos em terras francesas. Apesar de sua produção ser encontrada em outras regiões do país e do mundo, poucas apresentam o mesmo valor e sabor das receitas originais da Borgonha.
Sauvignon Blanc
Produz um vinho suave, com boa acidez e sabor discretamente herbáceo, especialmente quando produzido na França. A Nova Zelândia tem se destacado na produção de vinhos com essa uva, ao deixá-lo com sabor mais frutado e encorpado.

www.blogdosyrah.pt

Sem comentários: