AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 30 de abril de 2018

EM ROTA DE DESPEDIDA


UM RIO TRAIÇOEIRO


RUI RIO ADOPTOU A ESTRATÉGIA DO PIDE BOM.
APRENDEU QUE COM O FEITIO DE PASSOS COELHO NÃO IA A LADO NENHUM.

AGORA, DÁ UMA NO CRAVO OUTRA NA FERRADURA, MAS A ESTRATÉGIA VAI DESMORONAR-SE SE O POVO TIVER INTELIGÊNCIA NAS LEGISLATIVAS E O MANDAR DAR BANHO AO CÃO.

AÍ O VERNIZ VAI ESTALAR E ACABAM-SE OS SORRISOSINHOS E AS PALAVRAS DE COLABORAÇÃO.



António Garrochinho

O Revolucionário Citroën Traction


Orgulho Francês – Reconhecimento Mundial
A fábrica francesa situada no Cais de Javel, em Paris, capital da França, a Citroën Automobile S.A ., fundada por André Citroën, começou a produzir, em 1905, engrenagens com dentes angulares que se tornou o símbolo da fábrica. Entre 1915 e 1918, durante a Primeira Grande Guerra Mundial, fabricava armamentos e 80 % dos operários eram mulheres. Os automóveis só começaram a ser produzidos em 1919 e, desde então,  sempre surpreenderam o mundo com seus lançamentos. Foi assim desde a década de 30....
Este empreendedor ficou admirado com a produção em série de Henry Ford e por este fato, foi um dos primeiros fabricantes de automóveis na Europa a adotar a linha de montagem. André Citroën junto com doze técnicos da empresa foram aos Estados Unidos em 1921. Houve troca de informações técnicas de muito valor entre os engenheiros americanos e franceses. 
Em 1931, o engenheiro André Lefèvre deixava de trabalhar para Gabriel Voisin, que também fabricava carros, para ser empregado de Louis Renault. Ele levava debaixo do braço um projeto, o P.V. (Petite Voiture), de um  pequeno carro com tração dianteira. O Sr. Renault não era muito entusiasta de novas tecnologias e não aprovou suas novas ideias. Este então foi bater nas portas da empresa de André Citroën que logo se interessou pela ousadia dos desenhos de Lefèvre. Tratava-se de uma automóvel de duas portas, quatro lugares e motor entre 1.000 cm³ e 1.100 cm³. Outro funcionário de destaque, em começo de carreira, Flaminio Bertoni, que era escultor, arquiteto e estilista, começou a fazer os primeiros esboços e depois esculpir em escala 1/10, uma carroceria de linhas curvas e bem interessantes. Nada convencional para a época.
Dois anos depois, decidiu-se que o novo carro seria maior com 4 portas, sendo que as dianteiras tinha a abertura “suicida” e,  com cilindrada por volta de 1.300 cm³, atingir 100 km/h e ter um consumo por volta de 10 km/l. Teria também cambio automático mas, na fase de testes, este apresentou muitos problemas. 
André Citroën mandou construir um novo galpão para abrigar a linha de produção do novo modelo. Por isso, e por uma expansão de suas unidades na Europa, estava endividado. Mesmo assim não quis interromper o novo projeto audacioso. 
O modelo revolucionário foi lançado no Salão de Paris em abril de 1934. Era o Citroën modelo 7 A. Com carroceria em aço, toda soldada eletricamente, monobloco de quatro portas, o carro era muito baixo em relação a seus concorrentes, tinha linhas bem fluidas e curvas. A grade dianteira era levemente inclinada para trás. Neste estava o símbolo da empresa representado os dentes angulares, como dois “Vês” invertidos. Os franceses chamam de “Doublé Chevron”
O modelo causou sensação. Nas publicidades já anunciava as novidades técnicas tais como maneabilidade, estabilidade e aderência inigualáveis, tração dianteira, motor flutuante, rodas independentes, freios hidráulicos, suspensão por barras de torção e concepção totalmente nova. Ainda, o slogan de “Carro integralmente aerodinâmico” . Esta estava estampada em todos os jornais da capital e do interior da França. Podia transportar 5 pessoas com conforto que tinham a disposição ótima área envidraçada para a época.
O motor dianteiro, refrigerado a água, de 4 cilindros em linha, cujo bloco e cabeçote eram em ferro fundido, tinha válvulas no cabeçote e comando lateral, 1.302 cm³ e 32 cavalos. Era apoiado em coxins flutuantes sendo apelidado de “Moteur flottant”, ou seja, motor flutuante. Por este artifício mecânico, as  vibrações do motor não eram sentidas na cabine. A tração dianteira tinha eixo cardã com juntas Spicer. 
A caixa de velocidades de 3 marchas, com as duas últimas sincronizadas, ficava na frente do motor bem perto da bonita grade dianteira de refrigeração. A alavanca era no centro do painel e deixou herança,  tendo o mesmo posicionamento, no futuro modelo popular 2 CV. Esta era apelidada de “rabo de vaca” pelo seu posicionamento para baixo e a direita.
Atrás de um mostrador quadrado Jaeger, bem completo, que ficava ao centro,  tinha o volante de três raios de desenho simples. A direção era a cremalheira. Ainda, um porta-luvas em cada extremidade. Os freios, a tambor,  tinham comando hidráulico e a suspensão era independente nas quatro rodas, sendo que este esquema, trazia ao modelo 7, extraordinária estabilidade. Também foi o primeiro carro a utilizar pneus Michelin X com carcaça radial. 
O motor não se mostrou muito performante e em julho o modelo 7B foi lançado. Tinha 1.529 cm³ e 35 cavalos. Este sim era capaz de atingir 100 km/h de velocidade final.
Também neste ano foi lançado um lindo modelo conversível, que ficou conhecido como “Cab’Trac” e um belo cupê esportivo . Ambos mediam 4,45 metros de comprimento e pesavam 1.025 quilos. O cupê, também chamado de “Faux Cabriolet” ou falso conversível era construído por Jean Daninos que mais tarde fabricaria o requintado Facel. Tinha dois lugares mais o inevitável banco da sogra que saía do porta malas. Apoiado neste, a “caixa” que abrigava o estepe. Os pneus eram na medida 140 x 40. No conversível o pára-brisa, que tinha só um limpador para o motorista,  podia ser rebaixado deixando-o mais atraente ainda. Um belo roadster. Estes modelos esportivos são muito raros hoje. O motor mais potente, com 1.911 cc e 46 cavalos a 3.500 rpm, curso de 78 mm x 100 mm era alimentado por um carburador Zénith Stromberg invertido. Este propulsor seria usado depois no modelo 11 légère .Os pneus eram  Michelin na medida 165 x 400.
O modelo 7B foi um foi um sucesso de  vendas e, no primeiro ano, a produção era de 300 exemplares por dia. Porém André Citroën acumulou muitas dividas por causa deste lançamento e de outros projetos  e teve que  pedir  falência. A Michelin, famosa fabricante de pneus, assumiu as dividas e continuou  a produção do automóvel de sucesso.
Pouco depois foi lançado o 11A que era mais largo, mais longo e mais potente também. O modelo conversível e o “Sport” também sofreram estas mudanças. Usavam o mesmo motor do cupê esportivo e chegava a 105 km/h. E mais uma carroceria, com entre-eixos alongado,  versão Familiar. Tinha mais uma janela lateral, enorme por sinal, e podia oferecer 7 ou 9 lugares nas versões limusine ou táxi. Na versão normal, sem esta janela na coluna C, o perfil era muito mais harmonioso. 
Em dezembro de 1934, já com a denominação Traction Avant foi lançado o modelo 7C com um motor mais potente com 1.628 cc e 36 cavalos a 3.800 rpm. Sua taxa de compressão era de 5,9:1, tinha válvulas no cabeçote com comando lateral e virabrequim com três mancais. Este motor era alimentado por um carburador Solex 30 em posição invertida.
Em 1935 já tinha um sistema de escapamento melhor e também suspensão  mais evoluída com  amortecedores telescópicos e barra estabilizadora. E também mais um modelo chega: o 11 Légère  que faria muito sucesso em todo o mundo. Adotando o motor de 1.911 cm³ e chegava a 110 km/h. Por fora era destacável os grandes faróis redondos, com molduras cromadas e lentes planas.
Em 3 de julho de 1935 morria André Citroën. Infelizmente este grande homem não viveu para acompanhar o sucesso de seus carros. Em outubro de 1937 era lançada a versão Commerciale. Disponível só na cor preta, a abertura da porta traseira era dividida e muita ampla. O último banco podia ser rebatido e aumentava muito o volume para a entrada de cargas. Podia carregar até 500 quilos. O modelo 11 Légère  passava a se chamar BL e o 11 passa a ser o 11 B. 
Em 1938 foi lançada a linha 15 Six. O motor, com 6 cilindros em linha, era bem mais potente. Tinha 2.867cm3 e potência de 76 cavalos a 3800 rpm. Sua alimentação era feita por um carburador Solex de corpo duplo, também em posição invertida . Sua velocidade final era de 130 km/h. Na Inglaterra este modelo foi construído na cidade de Slough e era chamado de « The big Six ». E sua fama de “Rei das Estradas” estava definitivamente consagrada na Europa e fora deste continente. Também entraram em cena as rodas “Pilote” que só tinham um parafuso central e foram criadas pela Michelin.  
Em 1940 o conversível deixava de ser fabricado após 3.900 exemplares na versão 7 C com motor 1.628 e 11 com motor 1.911 cm³. E , um ano depois, o modelo 7 também deixava as linhas de montagem.
Em 1942, por causa da Segunda Grande Guerra Mundial, toda linha de montagem era paralisada. Foi utilizada para a fabricação de armamentos e artefatos bélicos. Passada a guerra, em 1946, o Traction, somente na versão 11 BL e 15 Six G  volta a ser produzido e ainda fazia sucesso apesar de só ter disponível a cor preta por economias na empresa. Foi assim até 1951.
 
Em 1952 recebem uma tampa traseira que fez aumentar muito a capacidade do porta-malas que era limitada. Os para-choques também estavam maiores e as hastes dos limpadores de para-brisa passam para a parte inferior deste.
Dois anos depois, o modelo 15 H recebe a suspensão hidro-pneumática no eixo traseiro. Esta faria história em seu sucessor, o DS, e em vários modelos da linha, sendo aperfeiçoada até hoje e presente no modelo mais moderno C5.
André Citroën foi um precursor. E o  Traction Avant revolucionou a indústria nos anos 30 e tornou a Citroën conhecida em todo o mundo. Foi produzido entre 1934-1957 e firmou a Citroën como uma empresa ousada, pioneira, vanguardista e de tecnologia avançada. Ao todo 758.858 exemplares foram para as ruas do mundo.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
A Cotação
Os modelo hoje valem entre 8.500 e 50.000 Euros conforme o estado sendo que os mais caros são os cupês e conversíveis. A cotação do Euro hoje está por volta de 3,45 Reais. Os modelos Six, cupês e conversíveis valem muito mais.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
No desfiladeiro.
A Citroën sempre gostou de demonstrar a resistência de seus carros. E o Traction não escapou da empreitada. Enfrentou um teste de impacto no desfiladeiro. Um modelo foi jogado de uma altura considerável, capotou de frente algumas vezes até parar no plano. Voltou rodando para a fábrica sem maiores danos.
  ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Em Escala.
Difícil um importante fabricante de miniaturas não ter reproduzido o modelo em escala. Tem para todos os bolsos e gostos. Quase todas ainda disponíveis nas prateleiras das lojas especializadas. Abaixo um modelo da coleção 007
A famosa italiana Bburago tinha, até pouco tempo, em seu catálogo de 1999/2000, o modelo 15 de 1938 na escala 1/24. As portas dianteiras e o capô se abrem e as rodas esterçam. Na cor preta, a marca caprichou no acabamento. Também há uma interessante, em kit, para montar sem cola, da versão que fez o Rali de Monte Carlo. Ambas feitas em Zamac ( Liga metálica composta de Zinco, Alumínio, Magnésio e Cobre). Há plástico na miniatura também.
A Matchbox inglesa também o fez na cor preta. Constou do catálogo de 1985. Foi o modelo 15 de 1953 com a “mala” destacada. Bem acabado, para-choques, faróis e grade dianteira são cromados e interior branco. Na escala 1/66.  
A Sólido francesa também o destacou. Nas escala 1/43 tinha o modelo 15 de 1939 na versão civil, cor preta,  e na versão FFI (Force Française d’Intervension), ou seja, o carro da resistência. Este tem pintura camuflada em tons verde do exército e adesivos da “instituição” que eram a inscrição FFI na porta dianteira e na traseira e a cruz de Lorena representando um V de vitória. Muito bonitos, interessantes e detalhados. A Maisto da Tailândia fez, na escala 1/18,  também o modelo 15 de 1938 em zamac e plástico na cor cinza claro. As portas e o capô se abrem e as rodas esterçam e o volante gira.  Também nesta escala fez a versão FFI e uma interessante do Táxi parisiense da época cujas cores eram preta e vermelha. 
A Élysées francesa fez, na escala 1/43, o modelo cupê de 1938 na cor cinza metálico. Em resina este modelo é muito raro e bonito. Também fez os modelos furgão, ou seja, na versão comercial com propagandas da Coca-Cola, na cor vermelha e amarela.b ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Lembranças / Apetrechos
Na França, principalmente, há muito objeto com o tema Traction para ser comprado. São pinturas, DVD’s,  bonés, postais, chaveiros, camisetas, pôsteres, placas metálicas para afixar em paredes, relógios de paredes e até termômetros.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Nas Telas
No filme From Russia with Love, de 1963, Moscou contra 007 é o segundo da série 007 com Sean Connery no papel do agente secreto James Bond. Seus foram produtores Albert Broccoli, Harry Saltzman e o director Terence Young. É baseado no romance homônimo de Ian Fleming de 1957. Também atuam a bela atriz italiana Daniela Bianchi como Tatiana Romanova que faz o papel de uma fiel funcionária da embaixada soviética na Turquia.
Ela age pensando na gloria de seu país, mas é manipulada pela organização terrorista Spectre. Traz também o ator Robert Shaw como Red Grant que é um agente habilidoso da Spectre que tenta eliminar Bond. O Citroën Traction aparece logo no princípio do filme e pertence à agentes russos. Mais um ótimo filme de 007 com muitas cenas de ação como sempre. 
Em Fugindo do Inferno (The Great Escape) com Steve Macqueen, narra a história de  um grupo de prisioneiros no final da segunda guerra mundial. Numa cena já no final do filme, um Citroën Traction se aproxima de um bar onde estão três alemães tomando um aperitivo. O carro pára e , de dentro, um oficial da resistência francesa metralha os inimigos, sendo que, logo após, o carro sai em disparada. Um cena muito bem filmada.
Também, em Ladrão de Casaca (To Catch a Thief) , filme de 1955, do grande Alfred Hitchcock, estrelado por Cary Grant e a linda Grace Kelly, o Citroën Traction dos policiais franceses aparecem no filme do princípio ao fim. Sempre em perseguição ao Ladrão refinado.
No filme Indiana Jones e a Última Cruzada, de 1989, terceiro da série com o grande Sean Connery fazendo papel do pai de Jones. Ambos estão num um belo conversível que foi infelizmente destruído. Tomara que tenha sido uma réplica.
Todos os DVD’s, de gêneros diferentes, merecem ser vistos.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Aventura
Muito famoso, os intrépidos do Tracbar já rodaram o mundo. Trata-se de um grupo de “Citroenistas” que levam seus Traction para raids na Austrália, Estados Unidos e África. 
No da Austrália foram selecionadas 35 famílias de “Tractionistas” da França, Suíça, Alemanha e Caribe para participar do TRACBAR DUNDEE 2000. Percorreram 7.000 km, atravessaram os grandes desertos de Victoria e Simpson e ainda as famosas e místicas Gunbarrel Highway » e « Birdsville Track ». O modelo mais antigo era de 1936 e o mais novo de 1954. Todos completaram a prova. A primeira edição deste tinha sido em 1998. 
Em 2002 foram em terras americanas. Foi o Rallye Tracbar Yankee 2002. Começou em 19 de julho deste ano. O grupo formado por 30 equipes, partiram de Los Angeles na Califórnia, rodando boa parte na famosíssima Route 66. Em 8 de agosto chegaram a Nova York, na costa oeste dos Estados Unidos. Neste ano, a epopéia se repetiu.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
No Brasil
No Brasil, os Citroën Traction, modelo 11 foram importados entre 1947 e 1951 sendo que quase todos eram na cor preta. Fez sucesso, mas não era o modelo importado mais vendido por causa da maioria de carros americanos que eram a preferência. Sua mão-de-obra também era muito especializada sendo que os mecânicos mais famosos eram de origem francesa. O mais vendido foi o 11 Légerè e infelizmente hoje são poucos que estão rodando ou expostos. Fez-se até uma réplica do 4 portas encurtado, só com duas, em plástico reforçado com fibra de vidro e mecânica VW a ar. Não fez muito sucesso.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Casos da história
Foi o carro preferido da resistência francesa. Também foi muito usado pela Gestapo, gangsteres e outros bandidos de grande fama. Rápido e estável, era muito eficaz nas fugas. Na Segunda Grande Guerra Mundial foi muito apreciado pela facilidade em enfrentar terrenos acidentados e pela ótima estabilidade em curvas.
No Rio de Janeiro, em 7 de abril de 1952, o corpo do bancário Afrânio Arsênio de Lemos foi encontrado, com três tiros, dentro de um Citroën 11 Légère preto estacionado na ladeira do Sacopã, na Lagoa Rodrigo de Freitas. As suspeitas recaiam sobre o tenente da Aeronáutica Alberto Jorge Franco Bandeira que teria matado o bancário, que era o proprietário do  Citroën, por ciúmes de Marina Andrade Costa, que era uma estudante. Por falta de provas, o crime não foi esclarecido e prescreveu em dezembro de 1972. 
Por 20 anos, o "caso do Sacopã" foi lembrado em  jornais e revistas do país. E por consequência, o carro ficou muito conhecido e a marca muito famosa.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O V8
No Salão de Paris de 1934, ao lado dos modelos convencionais, também foi apresentado um protótipo chamado “Citroën 8 Cilindros Tração Dianteira Conversível”. De cor vermelha e capota branca, seu interior era mais luxuoso e acabamento mais refinado. Por fora o capô era mais longo, os para-lamas mais envolventes, para-choques duplos, faróis embutidos na carroceria e no centro da grade um 8 bem visível. O motor V8 tinha curso de 78 x 100, 2.867 cm³ e potência estimada em 100 cavalos. Nos  testes superou os 140 km/h. Um modelo 4 portas também foi apresentado. Não passaram de protótipos e eram muito raros. Os poucos que existem hoje estão bem escondidos. Não entraram em produção por questão de custos.
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Fotos cedidas gentilmente do arquivo da Citroën Heritage
Merci spécial pour espace presse Citroën pour les belles photos ici.

Fichas técnicas
Citroën 11 BL cabriolet - 1938
  • Potência Fiscal : 11 CV
  • Carroceria : monobloco em aço
  • Suspensão : Barras de torção e amortecedores telescópicos.
  • Motor : 4 cilindros em linha , bloco e cabeçote em ferro fundido
  • Cilindrada : 1911 cm3
  • Curso : 78 mm x 100 mm
  • Potência : 50 cavalos à 3500 rpm
  • Distribuição : válvulas no cabeçote e comando lateral.
  • Alimentação : um carburador Zenith Stromberg invertido
  • Caixa de marchas  : manual de 3 marchas mais marcha a ré. Alavanca no painel.
  • Transmissão  :Nas rodas dianteiras por cardã com juntas Spicer
  • Freios  : hidráulicos a tambor nas 4 rodas
  • Direção : à cremalheira
  • Pneus : Michelin 165 x 400
  • Carroceria : cabriolet, 2 portas, 2 lugares + 2 lugares no Spider, feito em chapa de aço
 15 Six berline - 1953
  • Potência Fiscal : 16 CV
  • Carroceria : monobloco em aço
  • Suspensão : Barras de torção e amortecedores telescópicos.
  • Motor : 6 cilindros em linha , bloco e cabeçote em ferro fundido
  • Cilindrada : 2867 cm3
  • Curso : 78 mm x 100 mm
  • Potência : 76 cavalos à 3800 rpm
  • Distribuição : válvulas no cabeçote e comando lateral.
  • Alimentação : um carburador Solex de corpo duplo invertido
  • Caixa de marchas  : manual de 3 marchas mais marcha a ré. Alavanca no painel.
  • Transmissão  :Nas rodas dianteiras por cardã com juntas Spicer
  • Freios  : hidráulicos a tambor nas 4 rodas
  • Direção : à cremalheira
  • Pneus : Michelin 165 x 400
  • Carroceria : Sedã com 4 portas, 5 ou 6 lugares feito em chapa de aço. 
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Fotos realizadas em Paris, nas ruas, na grande loja Citroën na Avenida Champs-Élysées, 42, no Conservatoire Citroën, na excelente exposição Autoclásica em San Isidro, Buenos Aires, Argentina, no Museu Estrada Real em Bichinho, Tiradentes, Minas Gerais e no Forte de Copacabana no Rio de Janeiro.

retroauto.com.br

UM DOS TRILHOS MAIS PERIGOSOS DO MUNDO ESTÁ EM ESPANHA


Caminito Del Rey, na Espanha, foi fechada após deterioração e acidentes. Agora, o governo espanhol espera atrair milhares de aventureiros dispostos a cruzar dois grandes desfiladeiros

O Caminito Del Rey está com cara nova e governo espanhol promete mais segurança (Foto: Getty Images)
















Por mais de uma década, um passagem entre dois desfiladeiros de Andaluzia, Espanha, causava temor e repulsa por ser descrita como "a mais perigosa do mundo". Um grande projeto de reconstrução e reestruturação, no entanto, fará com o público a conheça de outra forma. Reaberto desde o dia 28 de março, o Caminito del Rey proporciona um passeio entre pedras e montanhas, a 100 metros acima do rio Guadalhorce.

O Caminito Del Rey corta os desfiladeiros dos cânion Chorro e Gaitanejo, que se destacam em Málaga, cidade da Andaluzia. O caminho foi construído originalmente em 1905 para dar acesso a duas cachoeiras, onde trabalhariam funcionários do que seria uma hidrelétrica. Diz a história que o caminho assim ficou conhecido porque, lá em 1921, o rei Afonso XIII precisou cruzar o sinuoso caminho durante a inauguração. A tarefa continuou desafiando os transeuntes que por lá se aventuram nas décadas seguintes. 
Caminito del Rey, no início do século XX (Foto: Divulgação Caminito del Rey)
O caminho é tortuoso: a calçada foi construída manualmente, encravada nas rochas do cânion, possui apenas um metro de largura.  Ao longo do século, no entanto, o caminho foi se deteriorando - não recebeu manutenção devida - e acabou ganhando uma má fama após ser palco de dois acidentes fatais, em 1999 e 2000. Foi então que o governo demoliu a entrada e e os acessos.
A reabertura vêm após anos de reconstrução, iniciados em 2011, que consumiu um investimento do governo da ordem de 5,5 milhões de euros  segundo o El País. A rota total é de 7,7 quilômetros, mas a nova configuração traz "apenas" 2,9 quilômetros de rotas. O trecho mais famoso inclui a ponte Balconcillo de los Gaitanes, que cruza, 100 metros acima, o rio Guadalhorce. Durante a caminhada, é possível ver também um moderno trem cruzando os desfiladeiros. Sob aqueles trilhos, cruzou uma ferrovia inaugurada em 1866 e que foi fundamental para o desenvolvimento de vilas, cidades e negócios da região. 

Caminito Del Rey: Calçada foi construída encravada na montanha (Foto: Getty Images)
Turistas observam altura, em instalações recém-inauguradas (Foto: Getty Images)
É possível avistar o trem da ferrovia que corta o desfiladeiro - e cujos trilhos hoje passam um moderno trem (Foto: Getty Images)
Sinuoso caminho de Caminito Del Rey, conhecido com um dos mais perigosos do mundo (Foto: Getty Images)

ESTA É A MAIOR FLOR CONHECIDA

Maior flor do mundo

Rafflesia Arnoldii é a maior flor do mundo, podendo atingir até 106 cm de diâmetro e pesar até 11 kg.
 
A maior flor do mundo é nativa e endêmica das ilhas de Sumatra e Bornéu, na Indonésia, que pode atingir até 106 cm de diâmetro e pesar até 11 kg. 


Rafflesia Arnoldii é uma planta membro do gênero Rafflesia, que produz a maior flor individual na terra, tem um odor muito forte e repugnante de carne em decomposição, apelidada de "flor-cadáver". 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Maior flor do mundo

Apesar de existirem algumas plantas com órgãos de floração maiores, como o Arum Titan (Amorphophallus titanum) e Talipot Palma (Corypha umbraculifera), estas são um aglomerado de muitas flores, e nãi uma única como a Rafflesia. 
Maior flor do mundo

A maior flor do mundo foi reconhecida oficialmente como uma "flor rara" através de um Decreto Presidencial da Indonésia, tendo assim ações tomadas para evitar sua extinção. 
Rafflesia Arnoldii - maior flor do mundo

A maior flor do planeta, que cresce a um diâmetro de cerca de um metro e pesa até 11 kg, vive como um parasita na árvore Tetrastigma, em florestas tropicais. 
Maior flor do mundo

A Rafflesia não possui folhas, caules e nem raízes. Semelhante a fungos, os indivíduos crescem como vertentes embutidas dentro e em contato íntimo com áreas células hospedeiras. 
Rafflesia Arnoldii - maior flor do mundo

A flor gigantesca que possui uma coloração marrom-avermelhada só pode ser vista quando está pronta para reproduzir, exala um fedor de carne podre que atrai insetos, como moscas que fazem a polinização da planta. 
Maior flor do mundo

Por estar correndo risco de extinção, ambientalistas e biólogos tem desenvolvido maneiras de recriar ambientes para cultivar a maior flor do mundo. 


gigantesdomundo.blogspot.pt

El Capitan - A maior pedra de granito do mundo


El Capitan - A maior pedra de granito do mundo
O monólito El Capitan é o mais alto e maior monólito de granito do mundo, com 910m e um dos principais pontos de interesse do alpinismo mundo
 
O monólito El Capitan é o mais alto e maior monólito de granito do mundo, com 910m e um dos principais pontos de interesse do alpinismo mundial.


El Capitan é uma formação rochosa (monólito) com 910 metros de altura, localizada no Parque Nacional de Yosemite, Califórnia, Estados Unidos. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


Um monólito é uma estrutura geológica, como uma montanha, por exemplo, constituído por um única e maciça pedra ou rocha.

Esta formação rochosa vertical está localizada no lado norte do vale de Yosemite , perto de sua extremidade ocidental e é um dos favoritos para escaladores experientes.

O topo do El Capitan pode ser alcançado através de caminhadas fora do vale de Yosemite, na trilha ao lado de Yosemite Falls , em seguida, proceder a oeste. 

Para os alpinistas, o desafio é subir o rosto de granito puro, existem muitos chamadas vias de escalada , todas são difíceis. Foi escalado pela primeira vez em 1958 por Warren Harding , Feliz Wayne e George Whitmore em 47 dias.

Eles usaram escalada em estilo expedição usando cordas fixas ao longo do comprimento da rota, ligando campos estabelecidos ao longo do caminho.

Visitantes durante todo o ano pode olhar do chão do Vale a apreciar a enormidade de tudo isso, pois dá para chegar de carro, bem próximo. 

Localização por satélite


Exibir mapa ampliado

gigantesdomundo.blogspot.pt