AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 14 de abril de 2017

A MENINA DOS OLHOS


Ela é a "mãe". É "mãe", disseram todos os imbecis televisionados de "pivots". Repetiram "ad nauseam" e continuá-lo-ão a fazer.
Assim foi designada a ordem para caracterizar a bomba apalhaçada que serviu para fingir que combate a sua soldadesca de "rabo de fora".
Os generais proxenetas do "ninho de cucos" estadunidense, hoje, resolveram-se por aqui. O orangotango louro vai-lhes fazer o frete amanhã num local qualquer onde o catolicismo não for palavra de ordem.
Guterres, o mais cobarde de todos os portugueses vivos, ficará de novo calado.
Guilherme Antunes

Quadras populares

Quadras Populares

Hoje não venhas tarde
Dizes-me tu com carinho
Ou compras um relógio novo
Ou amanhã vai de carrinho.

Fui sair com o meu amor
E dei-lhe um beijo na testa
Mais abaixo me disse ela
Mais abaixo é uma festa.

As meninas de Odivelas
São umas puras donzelas
As mamas dessas meninas
Também foram como elas.

Quando vejo uma Madame
Na rua a se "promenar"
Digo logo "jevuzéme"
"Savêvu Francês parlar".

Tu na terra e eu no mar
Ambos nós damos valor
Tu cavas no duro chão
Eu no mar sou pescador.
  
O ribeiro não corria
Quando o teu lenço lavavas
Parou a ver se aprendia
As cantigas que cantavas.

Mal de amor, raro se perde
É como a nódoa da amora
Só com outra amora verde
A nódoa se vai embora.

Cautela, ninguém se gabe
De ter tudo o que lhe apraz
Quem não tem nada é que sabe
A falta que tudo faz.

Há três coisas na vida
A que um homem nunca foge
Ao amor de uma mulher
Ainda não bebi nada "hóje".

Subi ao quinto andar
E atirei-me do segundo
Só porque quis ir tomar ar
Antes de ir pró outro mundo.

Na sala de anatomia
Deu-se um parto interessante
Uma pulga pequenina
Deu à luz um "Alifante".


 Mulher é livro fechado,
Mas fechado para valer...
Nunca confessa o pecado,
Faz do pecado viver
 
 Teve sabor a pecado
O beijo que te roubei.
Foi um gesto malcriado,
Mas te confesso... gostei.


 Desfolhaste o malmequer
A perguntar s'eu te queria.
Fizeste mal, oh mulher,
O malmequer não sabia
.


www.jose-lucio.com

DEBAIXO DOS LENÇÓS




NÃ ME TÓQUES COM ESSES ENREGELADOS PÉZES
QUE ME DÁS ARREPIOS, FEZES
POR DEBAIXO DOS LENÇÓS
CALÇA AS PEÚGAS, PÕE A BORRACHA 

D´ÁGUA QUENTE
FAZ UMA ESFREGUEÇÃO D´ÁGUARDENTE
SENÃO É MELHOR DROMIR-MOS SÓS


António Garrochinho

Vídeo - o pintor super realista Omar Ortiz


AUTÁRQUICAS 2017


AS CONTAS DO SANTUÁRIO

Qualquer contribuinte, seja crente ou não - e a autarquia! - teria motivos para se sentir perturbado e... alguns, zelosos das suas obrigações perante o Estado (os outros, ao fim e ao resto!), indignados.





anonimosecxxi.blogspot.pt

cravo


MENU MODERNO


VASSALOS DE CIRCUNSTÂNCIA
EUNUCOS, COVARDES, TRAIDORES
ESPALHANDO A FRAGRÂNCIA
DA MERDA PERFUMADA QUE A USAM OS DOUTORES
OS PSEUDO INTELECTUAIS DA INCONSTÂNCIA
DO FASCISMO MODERNO, ADORADORES


António Garrochinho

MAIS UM PASSATEMPO DE ANTÓNIO GARROCHINHO

<


HÁ DOIS PIRIQUITOS NESTA IMAGEM , DESCUBRA :)

Compreensão assustadora


Quem acompanha há muito as desventuras da Síria na situação de principal rival militar de Israel, conhece o ror de histórias mal contadas e o arsenal de mentiras que distorcem o que se passa no país. Por isso, o problema das armas químicas é um assunto recorrente.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/donaldtrump_res.jpg?itok=FJhQz741
Donald Trump

De Berlim a Bruxelas e Paris, de Atenas a Estocolmo, de Varsóvia a Lisboa perpassa uma comovente vaga de compreensão para com o até agora proscrito presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, por ter feito desabar mísseis sobre o território da Síria independente, ter destruído uns quantos adereços de uma base aérea e, sobretudo, ter assassinado um número indeterminado de civis, entre eles várias crianças.
Quando Trump proclamava, afinal mentindo, que desejava a paz na Síria e destruir o Daesh, juntamente com os outros alter ego do terrorismo dito de inspiração islâmica, o novo presidente norte-americano estava sob fogo cerrado dos aliados, que chegaram a pôr em causa a sua fidelidade à NATO.
Agora que Trump se acomodou à sábia mensagem do ministro português Santos Silva proferida em 22 de Março, em nome de todos os seus colegas da União Europeia, segundo a qual o exército sírio é pior que o Daesh, assiste-se ao regresso à normalidade. Isto é, os dirigentes políticos dos países da aliança repetem que não há solução militar para o problema sírio e, ao mesmo tempo, manifestam compreensão – se fosse com Obama ou com a senhora Clinton aplaudiriam sem reservas – pelos actos de guerra contra a Síria, mesmo que aqueçam ainda mais as costas dos mercenários assassinos do Daesh.
Parece contraditório? Não para as mentes privilegiadas de Santos Silva e colegas respectivos.
Tudo isto decorre das armas químicas que teriam sido usadas pelo exército sírio num recente ataque contra bases terroristas na província de Idlib, facto que está longe de provado e que, provavelmente, é uma deslavada mentira. Quem não se lembra da fábula das famosas e ainda desaparecidas armas de destruição massiva de Saddam Hussein?
As Nações Unidas e o seu secretário-geral nada fizeram para tirar este assunto de Idlib a limpo; limitaram-se a balbuciar qualquer coisa como a realização de um inquérito e, antes que tivessem a ousadia de passar à prática, Trump impôs a justiça do todo-poderoso complexo militar, industrial e tecnológico que nos governa. Foi assim, com algumas variantes para alívio das boas e inocentes consciências, no Afeganistão, no Iraque (em duas fases), na Líbia e mais alguns outros sítios, além de acontecer quotidianamente na Palestina.
«Tudo isto decorre das armas químicas que teriam sido usadas pelo exército sírio num recente ataque contra bases terroristas na província de Idlib, facto que está longe de provado e que, provavelmente, é uma deslavada mentira.»
Quem acompanha há muito as desventuras da Síria na situação de principal rival militar de Israel, conhece o ror de histórias mal contadas e o arsenal de mentiras que distorcem o que se passa no país. Por isso, o problema das armas químicas é um assunto recorrente.
O Eng. António Guterres tem em seu poder – e se não tem deveria procurá-lo no entulho da herança podre deixada pelo seu antecessor – um relatório de uma comissão independente chefiada pela jurista italiana Carla del Ponte, designada pela ONU, demonstrando, com toda a clareza, a posse de armas químicas e de produtos para as confeccionar pelos grupos de mercenários injectados na Síria.
Se ler o documento, de finais de 2012, o secretário-geral ficará a saber que os terroristas ditos islâmicos foram municiados e treinados para usar esse tipo de armamento na Turquia e na Jordânia, não directamente por países da NATO mas sim pelos seus famosos contractors, as empresas privadas de guerra em quem delegam os assuntos sujos, para surgirem de mãos limpas nos grandes areópagos comunicacionais.
Esta realidade, que o Eng. Guterres poderia ter a gentileza de partilhar com o seu ex-ministro Santos Silva, foi revelada através da própria CNN, em finais de 2012, pela jornalista Elise Labbott; a qual, como recompensa pelo excelente trabalho de investigação, foi relegada para dirigir um blogue. Também o Daily Mail online divulgou as mesmas informações, retomando a iniciativa de Labott, em Janeiro de 2013. Algum tempo depois essas notícias desapareceram, confirmando que estamos numa sociedade onde prevalece a liberdade de imprensa.
Em Agosto de 2013, o relatório da comissão de Carla del Ponte foi tragicamente confirmado, através de um massacre nos arredores de Damasco, no qual a localidade síria de Goutha foi totalmente dizimada por armas químicas – pelo menos 150 pessoas morreram. Quem se lembrar do episódio saberá que o regime de Damasco foi imediatamente acusado da chacina, sem quaisquer provas nem inquéritos, pelo que Obama logo preparou os seus mísseis, tal como Trump fez agora. Mas o anterior presidente não chegou a dispará-los, para desespero da sua secretária de Estado Clinton, por saber que a verdadeira autoria do massacre pela al-Nusra, ou al-Qaida, não tardaria a ser desmascarada.
A Organização para a Proibição de Armas Químicas foi então envolvida no assunto, terá investigado a situação no terreno, confirmado a responsabilidade do grupo terrorista e tomado providências para destruição dos arsenais.
Que não terão sido as suficientes, em termos de futuro. Porque o episódio agora ocorrido terá resultado do facto de o exército sírio, num dos seus ataques contra os grupos terroristas, ter alvejado locais que estes usavam como paióis de armas químicas e produtos para as fabricar. Não há provas nem maneira de confrontar as versões em campo, mas o histórico da guerra imposta contra a Síria, a rogo de Israel e da NATO, deixa poucas dúvidas sobre o que aconteceu.
A reacção de Trump e a compreensão manifestada pelos seus aliados trazem um novo alento ao Daesh e aos terroristas «moderados», que viviam desesperados e desnorteados desde a estrondosa derrota em Alepo e o início das negociações políticas em Astana, juntamente com as de Genebra.
Quem estiver atento notará nestes comportamentos da nova administração norte-americana o dedo do recém-entronizado conselheiro de segurança nacional de Trump, o tenente general Herbert Raymond McMaster, conhecido como o «académico guerreiro». Foi o escolhido pelo establishment para suceder a Michael Flynn e Steve Bannon, despedidos dos cargos de conselheiros do presidente na sequência de conspirações de bastidores animadas por figuras associadas à política externa belicista da anterior administração.
Flynn e Bannon, defensores da procura de soluções políticas para problemas militares, foram acusados de agir como toupeiras de Putin, manobra em que desempenhou papel principal, mas sombrio, o vice-presidente Mike Pence, expoente dos falcões neoconservadores.
Rodeado agora por uma corte de guerreiros expurgada de quaisquer pombas transviadas, a figura de Trump surge com pleno fulgor, associando a sua idiossincrasia irresponsável, autoritária e arbitrária aos hábitos de guerra enraizados em Washington.
Tudo volta à normalidade.
Os aliados podem dormir descansados.
O mundo deve sentir-se ainda mais ameaçado.

José Goulão

www.abrilabril.pt

COM OS MEUS BOTÕES


UMA BOMBA COMO ESTA QUE TRUMP LANÇOU E QUE COMO SE SABE É O MAIS PRÓXIMO DA BOMBA NUCLEAR NÃO SERÁ UM APALPAR DE PULSO À HUMANIDADE PARA UMA AGRESSÃO À COREIA DO NORTE E AO IRÃO JÁ QUE O NUCLEAR É MUITO COMPLICADO NA SUA UTILIZAÇÃO ?

SIM ! O APALPAR DE PULSO AO MUNDO TEM SIDO UTILIZADO PELOS CRÁPULAS E DÉSPOTAS ANTES DE INICIAREM AGRESSÕES E MORTANDADE.

SOBRE ISSO PERGUNTARIA O QUE ESTÁ GUTERRES A FAZER MESMO SE SABENDO QUE É UM CAPACHO DO FASCISMO E DO IMPERIALISMO NEM SEQUER SE DIGNA DEBRUÇAR SOBRE ESTES MOMENTOS TÃO GRAVES NO NOSSO MUNDO !

ESTARÁ A REZAR O TERÇO COM O FASCISTA DO MELÍCIAS AO MESMO TEMPO QUE TIRANDO CAGÁITAS DAS VENTAS ?

António Garrochinho

ALGARVE - Trabalhadores da hotelaria e turismo em luta



Trabalhadores do sector da hotelaria e turismo manifestaram-se esta quinta-feira em Vilamoura, onde reivindicaram aumentos salariais, a negociação da contratação colectiva e o fim da repressão.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/al_6323.jpg?itok=XUq3fEk6

Trabalhadores da hotelaria e turismo exigem o fim da repressão
Trabalhadores da hotelaria e turismo exigem o fim da repressãoCréditos/

Por apelo do Sindicato da Hotelaria do Algarve, decorreu ontem uma manifestação, com início junto ao Hotel Crowne Plaza Vilamoura, e que percorreu o anel de hotéis junto à Marina de Vilamoura. Durante a manifestação, foi distribuído um comunicado aos turistas em várias línguas e os manifestantes receberam vários gestos de apoio.
Depois de percorrerem a principal zona turística de Vilamoura, os manifestantes concentraram-se junto ao Hotel Luna Olympus, onde intervieram Tiago Jacinto, coordenador do Sindicato da Hotelaria do Algarve, António Goulart, coordenador da União dos Sindicatos do Algarve, e Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN.
Uma moção aprovada pelos trabalhadores afirma que a actividade turística regista recordes consecutivos, enquanto os rendimentos dos trabalhadores «continuam a diminuir e a penosidade dos ritmos de trabalho não pára de aumentar», lembrando que só no ano de 2016 se verificou uma subida de 17% nos proveitos.
Os trabalhadores queixam-se do «bloqueamento que o patronato está a fazer à negociação e revisão da contratação colectiva», sublinhando que a generalidade dos trabalhadores perdeu, desde 2010, mais de 9% do poder de compra.
Na moção também é lembrado que, com as políticas «dos anteriores governos do PS, PSD e CDS», os trabalhadores viram os seus rendimentos reduzidos «por via da precarização dos vínculos laborais», do aumento de impostos, o corte no pagamento do trabalho suplementar às horas extras e feriados, a diminuição do valor das indemnizações e o «ataque» à contratação colectiva.
Os trabalhadores acusam ainda o actual Governo de não querer revogar «a generalidade das medidas anti-sociais e anti-laborais da troika e do anterior governo», bem como as «normas gravosas» da legislação laboral.
Destacam igualmente «o aumento da repressão exercida pelo patronato do sector nos locais de trabalho», não esquecendo o exemplo do despedimento de três  representantes dos trabalhadores do Hotel Crowne Plaza Vilamoura, decorrido o ano passado, por participarem numa acção onde exigiram a melhoria dos salários e das condições de trabalho. A sua reintegração é exigida.
A conclusão das negociações do contrato colectivo de trabalho, com a garantia da manutenção dos direitos, e a actualização das tabelas salariais são outras exigências contempladas na moção, em que se reivindica ao ministro do Trabalho a emissão de portaria de extensão que não exclua os associados deste sindicato, e se manifesta o propósito de «intensificar a luta reivindicativa».
A moção será enviada ao Presidente da República, ao Governo, à Assembleia da República e aos grupos parlamentares, assim como à Região de Turismo do Algarve e às associações patronais.


www.abrilabril.pt

O FEITIÇO CONTRA O FEITICEIRO


TEM A VER, TEM SIM SENHOR !


A GOVERNAÇÃO DOS PARTIDOS NEO LIBERAIS E DO FALSO SOCIALISMO ALTEROU POR COMPLETO O MODO DE ESTAR, DE SENTIR E DE AGIR DO POVO PORTUGUÊS.

SE ANTES ÉRAMOS MAIS EDUCADOS, MAIS CALMOS NA ABORDAGEM DE DETERMINADAS SITUAÇÕES QUE SURGEM NA VIDA DE TODOS NÓS, SE ANTES RECEBÍAMOS BEM OS ESTRANGEIROS, OS TURISTAS, SE ANTES PODÍAMOS CIRCULAR COM MAIS À VONTADE E LIBERDADE NAS RUAS DA CIDADE, VILA OU ALDEIA HOJE TUDO ISSO SE ALTEROU.

O EMPREGO, O TER TRABALHO E PÃO EM CASA FAZ MILAGRES NA CONDUTA DOS CIDADÃOS ENQUANTO A MISÉRIA O DESEMPREGO OS TORNA DESCONFIADOS, RUDES E OS LEVA À MARGINALIDADE EM MUITOS CASOS.

NAS ESCOLAS, NA INSTABILIDADE E NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES, EM CASA NA MANEIRA COMO OS PAIS SE RELACIONAM COM OS FILHOS E DESPREZAM A SUA EDUCAÇÃO TAMBÉM AQUI HOUVERAM GRANDES ALTERAÇÕES DEVIDO À INSTABILIDADE NA VIDA DOS CASAIS A BRAÇOS COM O DESEMPREGO, A HABITAÇÃO, A FALTA DINHEIRO PARA EDUCAR OS FILHOS E O ELEVADO CUSTO TRANSPORTES, DE CRESCES E INFANTÁRIOS.

HÁ QUEM NÃO VEJA A RELAÇÃO DO QUE AQUI DIGO QUANDO CULPO O PSD/CDS/PS NO AGRAVAR E DETERIORAR DA VIDA DOS PORTUGUESES MAS É UM FACTO.

A MENTALIDADE CINZENTA, CORRUPTA, E DESPROVIDA DE VERGONHA DOS MINISTROS E POLÍTICOS QUE HÁ QUATRO DÉCADAS ANDAM A ENCHER O BANDULHO E A ARRANJAR FORTUNA NUM ABRIR E FECHAR OLHOS ABRIU BRECHAS E IMPLANTOU VÍCIOS EM MUITA GENTE DO POVO.

NADA COMO ALICIAR A CORRUPÇÃO, ESPALHAR A CONFUSÃO E A MENTIRA E FAVORECER A INDISCIPLINA PARA CRIAR O CAOS ONDE DIVIDINDO SE REINA MELHOR.

António Garrochinho

PCP quer tradições incluídas no novo plano do Sudoeste Alentejano



Parque cria dificuldades à apanha de marisco ou agricultura mas facilita grandes empreendimentos, acusam comunistas.
A revisão do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina tem sido uma novela com episódios de avanços e recuos nos últimos cinco anos, e o PCP quer agora que o programa de ordenamento que se segue permita que se possam manter actividades tradicionais como a apanha de marisco, a pesca lúdica e por pequenos pescadores, a agricultura e as formas de turismo ambiental adaptadas à região.
Num projecto de resolução entregue no Parlamento esta sexta-feira, os comunistas propõem que se recomende ao Governo que na “recondução” do plano de ordenamento em programa especial “seja abandonada a perspectiva errada de ordenamento do território que opõe os hábitos, práticas e actividades tradicionais e autóctones à protecção da natureza e à salvaguarda dos valores naturais”.
O partido defende que devem ser enquadradas as actividades humanas realizadas no território do parque, como é o caso da apanha de marisco – de variedades como os percebes ou as lapas -, da pesca nos pequenos portos há décadas instalados nas brechas das arribas, da agricultura de subsistência, incluindo também a pastorícia ou a pecuária, mas também do turismo de natureza, tão comum no litoral alentejano.O deputado Paulo Sá conta que os proprietários que queiram fazer pequenas obras de arranjo das casas, agricultores que precisem de fazer abrigos para os engenhos agrícolas ou mesmo quem queira construir uma simples capoeira para galinhas “enfrentam enormes restrições e muitas burocracias, confrontam-se com uma multiplicidade de entidades a quem têm que se dirigir, e em muitos casos não conseguem autorização”. Estes casos foram reportados ao PCP durante visitas à região. Ao mesmo tempo, o plano de ordenamento estabelece zonas em que abre a possibilidade de serem construídos grandes empreendimentos para o turismo, afirma o deputado comunista.
“Como é que se admite essas grandes infra-estruturas ao mesmo tempo que se criam tantas dificuldades para quem lá vive?”, questiona-se Paulo Sá, argumentando que “até parece que se pretende desincentivar as pessoas de viverem lá”. A recondução do plano de ordenamento em programa especial tem que ser feito até 30 de Junho pela administração central e vai estabelecer novos regimes de salvaguarda de recursos e valores naturais. Por isso, os comunistas também querem que na sua discussão sejam envolvidas “as autarquias, as associações de pescadores lúdicos e profissionais, de mariscadores, de agricultores e as associações ambientais”. “É uma boa oportunidade para se compatibilizar os valores da protecção ambiental com as actividades tradicionais que até contribuíram para a preservação do parque”, defende Paulo Sá.




www.publico.pt

ROSA DE HIROSHIMA


CANTATA DA PAZ


Uma sexta-feira santa com quatro anos - Um dos lados mais execráveis da política económica adoptada por Passos Coelho estava na forma doentia como esse primeiro-ministro ia adoptando uma agenda económica que não tinha sido apresentada aos eleitores.


Um dos lados mais execráveis da política económica adoptada por Passos Coelho estava na forma doentia como esse primeiro-ministro ia adoptando uma agenda económica que não tinha sido apresentada aos eleitores. Passos Coelho não arranjou argumentos de natureza económica para justificar as suas medidas de austeridade extremas, optou por uma estratégia que visava quebrar a auto-estima dos portugueses.

Há grandes semelhanças entre a forma como o governo de Passos Coelho tratou os portugueses e o que se passa com as mulheres que são vítimas de violência doméstica. Nestas situações o abusador tenta quebrar a auto-estima da vítima incutindo-lhe um sentimento de culpa, que a condiciona na resposta. Muitas vítimas de violência doméstica sentem.-se culpadas, chegam a pensar que são vítimas de violência por culpa própria, acabam por se sujeitar e na maior parte dos casos são incapazes de quebrar esse círculo vicioso.

O argumento usado por Passos Coelho e alguns dos seus ideólogos foi o de que a austeridade foi consequência do excesso de consumo. Os portugueses tinham culpa e deviam espiar os seus pecados, eram culpados por gastar o que não tinham, por ter férias em excesso, por gozarem mais feriados do que os alemães. Durante meses fomos comparados com os alemães, de um lado os gandulos que gostam de consumir o que é dos outros, do outro um povo exemplar, trabalhador, poupadinho e amigo do patrão, era o próprio primeiro-ministro e os seus ideólogos que justificavam a suas medidas como castigo merecido.

Não se tratava de uma política económica, era um castigo, uma auto-flagelação merecida por pecadores, os pobres e a classe média abusaram do crédito para consumirem acima do que podiam, tinham de expiar so seus pecados, a legislatura foi uma imensa semana santa, com um pecador convencido da culpa a assumir os seus pecados. O ministro das Finanças era o bispo, Passos Coelho o confessor que determinava o castigo que voltaria a abrir as portas do céu a um povo pecador.

Aos poucos o país vai saindo do pesadelo que lhe foi imposto, da manipulação psicológica que lhe foi imposta, o cidadão comum deixou de sentir um peso na consciência por gozar férias ou por usar o cartão de crédito. Acabaram-se as intervenções idiotas de Gaspar, os discursos irritantes do agora rico Paulo Portas ou as baboseiras económicas da iletrada Maria Luís. Aos poucos o país retoma a normalidade.


jumento.blogspot.pt

O Bloco corrige



http://foicebook.blogspot.pt

Nova guerra na Coreia pode começar a qualquer momento



Wang Yi, ministro do Exterior chinês, declarou hoje (14) que o conflito em torno da Coreia do Norte pode ser desencadeado em qualquer momento.

A declaração de Pequim foi feita na sequência do brusco agravamento das relações entre Pyongyang e Washington. Nas últimas horas, ambos os países trocaram declarações duras e, como destaca a AFP, o apelo do chanceler chinês é destinado tanto aos EUA, quanto à Coreia do Norte.

Wang Yi advertiu que, em caso de conflito, não haverá um vencedor e aquele que provocar o conflito pagará um preço alto. O chanceler chinês sublinhou que o diálogo é a única solução possível.

Mais cedo hoje, o vice-ministro da chancelaria norte-coreana, Han Song Ryol, declarou que a situação na península da Coreia "está em um beco sem saída" e que Pyongyang não vai simplesmente esperar por um ataque preventivo dos EUA.

Anteriormente o canal NBC, citando uma fonte, havia informado que EUA podem levar a cabo um ataque preventivo contra a Coreia do Norte para impedir a realização de mais um teste nuclear de Pyongyang.

Os EUA enviaram há pouco à península da Coreia um grupo aeronaval de ataque encabeçado pelo porta-aviões USS Carl Vinson. A Coreia do Norte, tal como em muitas outras ocasiões, ameaçou Washington com um ataque nuclear.

Sputniknews

SINAIS DA GUERRA


- 60.000 japoneses estão sendo evacuados da Coreia do Sul

- Parte da população de Pyongyang foi evacuada para abrigos antinucleares no interior

- Trabalhadores e camponeses norte-coreanos estão recebendo armas do Exército Popular

www.marchaverde.com.br

AGORA

HOJE MUITA GENTE HIPÓCRITA DERRAMA LÁGRIMAS DE CARPIDEIRA ENCOMENDADA, IDOLATRANDO UM BONECO DE MADEIRA INVENTADO PARA EXPLORAR A HUMANIDADE E ENCHER O CU DOS PODEROSOS DE LUXO, LUXURIA, JÓIAS E DINHEIRO, SAQUEADO A QUEM TRABALHA E TENTA SOBREVIVER NESTA SELVA DE MATERIALISMOS E INTERESSES.

AO MESMO TEMPO A CARNE DAS CRIANÇAS É REDUZIDA A CINZAS EM NOVAS HIROSHIMAS E NAGASAKIS.
NESTE MOMENTO MORREM CRIANÇAS SEM ÁGUA E TENDO COMO COMIDA A PRÓPRIA TERRA , INSECTOS E BICHOS PODRES,ENQUANTO O MUNDO DEITA FORA E DESPERDIÇA O QUE NÃO CONSEGUE CONSUMIR.

AG

O SER "HUMANO"


HÁ GENTE QUE ESCREVE, QUE PÕE NA CARA UM SORRISO IMBECIL PERANTE A IMINÊNCIA DE GUERRA QUANDO SE TRATA DE ASSASSINAR NO MÉDIO ORIENTE, NA ÁFRICA, NA ÁSIA OU NA AMÉRICA LATINA.
PARA ESTA GENTE ISTO É COMO UM JOGO QUE EXISTE NO IPOD, NO COMPUTADOR, NA CONSOLA DE QUALQUER VIDEO GAME ONDE OS SEUS FILHINHOS SADIOS E RISONHOS SOLTAM GARGALHADAS ABATENDO OS MAUS DA FITA..

CHEGO A PERCEBER NESTES IMBECIS UM DESEJO PARVO, UM PRAZER EM ASSISTIR AO REBENTAMENTO DE BOMBAS QUE ESTILHAÇAM A CARNE DE GENTE INOCENTE.

ESTA GENTE DOENTE NÃO CONSEGUE MEDIR O SOFRIMENTO HUMANO JÁ QUE ESTÁ A "SALVO" DA MORTE EM PAÍSES ONDE NÃO EXISTEM CONFLITOS E BARBÁRIE.

NÃO IMAGINAM SEQUER QUE AMANHÃ PODEM SER ELES AS VÍTIMAS E CHEGAM A APLAUDIR A MORTE DE CRIANÇAS NA PALESTINA OU OUTRAS, SÓ PORQUE VIVEM EM PAÍSES COM CULTURAS DIFERENTES.

LAMBEM-SE, SABOREIAM O SANGUE DE GENTE IRMÃ QUE TEVE A INFELICIDADE DE NASCER EM PAÍSES POBRES E EM PAÍSES ONDE O IMPERIALISMO LHE ROUBA OS RECURSOS MATANDO SEM NÓ NEM PIEDADE.

MUITOS ATÉ CONSEGUEM DISCERNIR QUE AS VÍTIMAS DESSES PAÍSES NÃO TÊM QUALQUER CULPA PARA SOFREREM TAIS ATROCIDADES MAS EM NOME DO PODER DA GUERRA DA POLÍTICA BELICISTA DOS YANQUES, DOS SIONISTAS, DOS SANGUINÁRIOS DO DAESH, ASSISTEM AO HORROR COMO QUEM SE DIVERTE VENDO UM FILME DE COWBOYS OU PIRATAS.

GENTE DE MERDA QUE O QUE TEM NA CABEÇA É LIXO E ÓDIO A TUDO E A TODOS OS QUE OUSAM QUERER VIVER A SUA VIDA SEM SER DEBAIXO DAS PATAS DA ESCRAVIDÃO E DAS BOMBAS QUE LHES DESPEDAÇAM OS FILHOS.

COMO SE UM FILHO DE UM ÁRABE, DUM AFRICANO, DUM ASIÁTICO FOSSE DIFERENTE DOS EUROPEUS OU DOS FILHOS DE OUTROS PAÍSES ONDE A VIDA É MAIS PRÓSPERA E AINDA REINA A PAZ, E O PÃO.

António Garrochinho