AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Médico espanhol expõe os médicos portugueses – “Eu sei porque há listas de espera”!


É esta a vergonhosa situação que todos pagamos e ninguém controla. É a ver quem rouba mais, que a folia está quase a acabar. E quem vai sofrer, serão os de sempre, os que pagam e são mal servidos.

Agora todos ficarão a perceber porque temos listas de espera no SNS.

DIVULGUEM ATÉ À EXAUSTÃO, DÊEM CONHECIMENTO AOS QUE INSISTEM EM AFIRMAR QUE OS PROBLEMAS SÃO CULPA DO GOVERNO X E NÃO DO Y.

“O problema são os governos todos, que têm permitido transformar Portugal num paraíso dos criminosos e num inferno, para os inocentes. Governos que apoiam e promovem um mau serviço público e assim empurram o cidadão para os privados.”

Um médico espanhol, e a sua equipa, em 6 dias operou tanto, como 5 médicos num ano e por metade do preço cobrado na privada.

medico_filas_espera

“Em seis dias, um oftalmologista espanhol realizou 234 cirurgias a doentes com cataratas no Hospital Nsa Srª do Rosário, no Barreiro, num processo que está a “indignar” a Ordem dos Médicos. Os preços praticados são altamente concorrenciais, tendo sido esta a solução encontrada pelo hospital para combater a lista de espera.

O paciente mais antigo já aguardava desde Janeiro de 2007, tendo ultrapassado o prazo limite de espera de uma cirurgia. No ano passado chegaram a existir 616 novas propostas cirúrgicas em espera naquela unidade de saúde.

Os sete especialistas do serviço realizaram apenas 359 operações em 2007 (cerca de 50 por médico num ano). No final do ano passado, a lista de espera era de 384, e foi entretanto reduzida a 50 com a intervenção do médico espanhol.

A passagem pelo Barreiro durante o mês de Março – onde garante regressar nos próximos dois anos, embora o hospital não confirme – foi a segunda experiência em Portugal do oftalmologista José Antonio Lillo Bravo. Entre 2000 e 2003 já havia realizado 1500 operações no Hospital de Santa Luzia, em Elvas, indiferente às “críticas” de que diz ter sido alvo dos colegas portugueses.

“Eu percebo a preocupação deles e sei porque há listas de espera tão grandes em Portugal. É que por cada operação no privado cobram cerca de dois mil euros”, diz o oftalmologista espanhol, que cobrou 900 euros por cada operação realizada no Barreiro.

medico_fila_1

“Tive a curiosidade de saber qual é a média de cirurgias mensais no hospital e verifiquei que em Janeiro se fizeram 28 intervenções, sendo que 21 dos doentes foram operados com anestesia geral”, referiu, sustentando que a sua técnica já nada tem a ver com esse método.

O oftalmologista, que assume acompanhar o pós-operatório, explicou que recorre a anestesia local, feita com umas gotas de colírio anestésico, sendo a cirurgia realizada por meio da facoemulsificação. (…) “Não há necessidade de suturas. (…) Ao fim de cinco dias a pessoa vai para casa”, revelou, garantindo que Portugal regista “um grande atraso” nesta valência, (…) o paciente necessita de pelo menos 15 dias para reconquistar a visão.

As 234 cirurgias realizadas no Barreiro, por um total de 210 mil euros, foi o limite possível sem haver necessidade de abrir concurso público internacional, sendo que o médico fez deslocar a sua equipa e ainda o microscópio e o facoemulsificador. O hospital disponibilizou somente um enfermeiro para prestar apoio.” Fonte

Entretanto, por cá, continuam a realizar-se contratos ruinosos para o estado, mas lucrativos para quem gosta de se aproveitar dos contribuintes. Ao mesmo tempo que se promove o aumento das listas de espera, tornando-as rentáveis.

1 – “Oftalmologista encaixou mais de um milhão de euros por cirurgias em horário de trabalho
O Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia (SIGIC) criado em 2004 para gerir as listas de espera em Portugal está a revelar-se proveitoso para médicos que têm recebido extras para fazerem operações que, na prática, ocorrem durante o seu tempo de trabalho normal.(…)

Segundo a IGAS, citada pelo jornal, os hospitais do SNS suportam “um elevado peso remuneratório mercê de sobreposições entre a produção cirúrgica adicional e os tempos normais de trabalho”, tendo a Inspecção-geral constatado “a concentração da produção cirúrgica adicional, nos anos de 2009 e 2012, quase sempre pelos mesmos profissionais, sendo que em situação irregular, por sobreposição com horário normal de trabalho, se destacou a de um médico oftalmologista com peso superior a um milhão de euros”.

Este médico não é o único, diz o Público, que exemplifica ainda com o caso de uma médica anestesista e outros quatro cirurgiões que receberam extras sem registarem as suas horas de trabalho nos serviços. O coordenado do SIGIC, Pedro Gomes, ouvido pelo Publico, diz que estes são casos “absolutamente residuais”. Fonte

2 – “Inspecção da Saúde detectou vários casos de clínicos do SNS a receber mais de 200 mil euros por ano acima do salário-base em incentivos e horas extraordinárias. Sindicatos falam em situações pontuais.” Fonte

3 – “Médicos de família ganharam mais de cem mil euros anuais. Neste top de médicos com remunerações mais elevadas há o caso de um clínico da zona centro do país que, em 2011, levou para casa um salário bruto de 243.096 euros.

Deste total, apenas 52.003 euros são de remuneração-base, correspondendo 172.764 euros a trabalho extraordinário. Na mesma zona, um outro médico com o mesmo salário-base recebeu 140.762 euros por trabalho extraordinário.

Aliás, em quase todos os casos sinalizados os médicos tinham salários-base na ordem dos 50 mil euros, mas no final do ano recebiam quantias que ultrapassavam os 160 mil euros em verbas adicionais. 18 milhões em horas extras.” Fonte

4 – “Blocos operatórios custam entre 7 e 12 euros por minuto” Fonte

NEGÓCIOS DE FAMÍLIA COM AS LISTAS DE ESPERA

Esta poderia ser a história de uma empresa de sucesso. Um negócio profundamente familiar, na área da saúde, com 60 anos de vida, que começou, de repente, a atingir patamares de rentabilidade elevados.
A SANFIL, casa de saúde de Santa Filomena, é a empresa mãe; a que fez crescer o negócio. Cinco famílias detêm a totalidade do capital social da holding SI VALES, âncora de um grupo que não para de fazer aquisições. São cinco famílias tradicionais de Coimbra, quatro delas com ligações diretas e reconhecidas à área da saúde.

O negócio cresceu amparado pelo sistema público que gere as listas de espera para cirurgia, o SIGIC. Quando os hospitais públicos ultrapassam o prazo para operar um doente, o processo clínico desse doente é transferido para os operadores privados integrados no SIGIC.

O sistema de gestão foi criado em 2007 e, desde então, a SANFIL tem sido a entidade privada que mais fatura, a nível nacional, com as listas de espera.

Fontes: sicblogue.blogs.sapo.pt / noticias.sapo.pt / apodrecetuga.blogspot.pt

PCP condena veementemente a retoma, pelo Governo PS, das demolições na Ria Formosa




Hoje, dia 22 de fevereiro, o Governo PS, ao proceder à tomada administrativa de posse de habitações no núcleo do Farol da ilha da Culatra, deu mais um passo para a concretização do vergonhoso processo de demolições nas ilhas-barreira da Ria Formosa.

Um processo iniciado pelo anterior Governo PSD/CDS, visando a expulsão das comunidades locais das ilhas-barreira da Ria Formosa para, mais à frente, entregar este valioso património aos grandes interesses ligados ao setor imobiliário e turístico para que estes o explorem em seu benefício.

Desta forma, o PS rompe com os compromissos assumidos com as populações antes das eleições legislativas de outubro de 2015 e desrespeita uma Resolução da Assembleia da República, a qual, de forma muito clara, recomenda ao Governo que reconheça os valores económico, social e cultural dos núcleos populacionais das ilhas barreira da Ria Formosa, em particular dos núcleos históricos dos Hangares e do Farol.

Em vez de proceder a esse reconhecimento, o PS e o seu Governo retomam a sanha demolidora do anterior Governo PSD/CDS, desprezando a possibilidade, aberta na atual fase da vida política nacional, de pôr termo, definitivamente, às demolições e de canalizar as verbas destinadas a esse fim para requalificar os núcleos urbanos das ilhas-barreira, para proteger e salvaguardar os recursos e valores naturais e para apoiar as atividades económicas desenvolvidas na Ria Formosa.

Contrariamente a outros, o PCP honra os seus compromissos. Mantemos hoje aquilo que dissemos antes das eleições. Aquilo que defendemos no Algarve é aquilo que fazemos em Lisboa, na Assembleia da República. Estamos, inequivocamente e sem subterfúgios, ao lado das populações, apelando à sua luta em defesa do direito de viver e trabalhar na Ria Formosa. Uma luta que longe de estar terminada prosseguirá visando não só impedir as demolições, mas também, garantir a requalificação daqueles territórios.

Faro, 22 de fevereiro de 2017

O Secretariado da Direcção da Organização Regional do Algarve do PCP

existo eu

EXISTO EU
E OUTRO AOS POUCOS NASCEU
EM CONTÍNUA METAMORFOSE
COM O DESENROLAR DA VIDA
A SIMBIOSE
E ENQUANTO A JORNADA
A ESTRADA
QUE TENHO QUE PERCORRER
DESENHAR HORIZONTES
ENQUANTO O SOL ME AQUECER
E ME REFRESCAREM A ÀGUA DAS FONTES
OUTROS DENTRO DE MIM
IRÃO NASCER
António Garrochinho

HOJE - DEMOLIÇÕES NA RIA FORMOSA - IMAGENS DO PROTESTO

Entre protestos, infiltrados à paisana e outros b(u)necos. Um dia histórico que ficará para sempre na memória da vil actuação destes políticos que nos querem adormecer. Aqui fica a resposta de quem se recusa a baixar os braços. E a LUTA só pode CONTINUAR.








































Jorge Ricowww.facebook.com

HOJE - DEMOLIÇÕES NA RIA FORMOSA (CULATRA)

Os curiosos mapas das Ilhas Marshall

Quando pensamos em mapas, uma ideia é muito clara: 
projeções cartográficas que acompanham praticamente 
desde que entramos na escola, e que estão cada vez mais 
Mas o passado da cartografia é mais bem misterioso do 
que se imagina. E não estamos falando aqui da precisão 
dos mapas antigos , que foi evoluindo para a medida que 
os meios de navegação surgiram. 
Falamos de interpretações do que é um mapa 
completamente diferente do que está acostumado.
Um dos casos mais emblemáticos é o sistema de 
navegação desenvolvido pelos habitantes das Ilhas 
Marshall - um pequeno arquipélago no Oceano Pacífico. 
Este mapa curioso é feito de tiras de fibra vegetal, representando 
uma área oceânica do arquipélago. Algumas ilhas estão 
representadas por conchas presas às tiras. 
As linhas curvas representam como direções 
predominantes das ondas.
Mapas das Ilhas Marshall
Este sistema de navegação foi usado até a década de 1940. 
Os mapas foram memorizados por navegadores - ou seja, sem astrolábios, sextantes 
outros instrumentos, para imaginar o desafio que era para 
os habitantes das pequenas ilhas.
Mapas das Ilhas Marshall 2
Mapas das Ilhas Marshall 3
Mapas das Ilhas Marshall 4


visualoop.com

O MITO DE " EL DORADO"

A cidade de ouro de El Dorado é um dos mitos mais famosos e persistentes na América desde a época da chegada dos europeus. Ávidos de riqueza e cheios de fantasias sobre os mistérios de um continente muitas muito maior que a própria Europa. As vastas florestas e montanhas foram povoadas com lendas e boatos sobre todo tipo de coisa: desde um reino secreto de mulheres guerreiras na selva que recebeu o nome de Amazônia, passando pela Fonte da Eterna Juventude na atual Flórida e a Cidade dos Césares na Argentina, cada nova terra explorada era motivo de perplexidade e surpresa.
Para muitos europeus, o Novo Mundo não era apenas um local onde encontrar riquezas mas também o próprio Éden, o Paraíso na Terra. Nesse contexto, a história de El Dorado circulou entre todos os exploradores que acreditavam realmente na existência de uma cidade feita inteiramente de ouro e onde os nativos viviam em perfeita harmonia, onde não existia sofrimento ou doença. Mas o mito pode ter uma base de realidade segundo pesquisadores que se debruçaram sobre os relatos de exploradores e nativos.
O mito de El Dorado pode ter surgido de um relato exagerado sobre a cerimônia de coroação de um cacique da tribo Muisca, na atual Colombia. Segundo registros da época na cerimônia, o cacique era pintado com pó de ouro e levado numa canoa cheia de oferendas de ouro até o centro de um lago sagrado onde acreditavam haver uma entrada para o mundo sobrenatural onde habitavam os deuses, Como parte da coroação, o cacique lançava as oferendas à agua mergulhava para se purificar. Esse relato, que circulou cada vez mais exagerado entre os conquistadores espanhóis, foi se tornando uma certeza que arrastou centenas, ou milhares de aventureiros à morte tentando achar a cidade de El Indio Dorado,  e depois só El Dorado.
Origens do ritual.
Ainda que cercada de muito mistério, acredita-se que o ritual do Indio Dourado foi inspirado pela queda de um meteoro na região do LagoGuatavita na Colombia, o impressionante espetáculo levou os nativos a acreditarem que se tratava da chegada de um deus e se apressaram a fazer ofertas de ouro e alimentos. Ainda que apreciado pela sua beleza, o ouro não era considerado um metal com valor de moeda, e tinha um valor sagrado, considerado as lágrimas do Sol, os nativos acreditavam estar simplesmente devolvendo aos deuses a sua propriedade e tentando, assim, conseguir o seu favor.
Mito ou lenda?
Acredita-se que o relato da cidade de El Dorado foi inspirado por fatos históricos, ainda que muito exagerados, o que a coloca no âmbito da lenda, mas a sua relação com um lugar ideal, um verdadeiro Éden, o Paraíso Terrestre, a situa na dimensão de mito, ou seja, uma ideia eterna que escapa à compreensão e inspirou milhares de pessoas a fazer a perigosa travessia pelo oceâno e uma busca desesperada pelo continente em busca de um ideal de um mundo perfeito, mais do que simplemente em busca de riqueza e poder.
Documentário do History Channel sobre El Dorado
VÍDEO

15 curiosas tradições de casamento ao redor do mundo


Casamentos trazem consigo muitas tradições, não é mesmo? Você sabia que existem diversos tipos de costumes de casamento ao redor do mundo além de jogar o buquê ou a dança dos noivos?
Confira abaixo algumas tradições de casamento e simpatias curiosas que existem por aí:

Alemanha: Recolhendo os cacos

quebrar-os-pratos-casamento-alemanha-Scherben-bringen-Glück

O primeiro dia após o casamento é de muita arrumação para os noivos. Eles devem limpar as pilhas de cacos de pratos de porcelana que seus convidados jogaram no chão do quintal para afastar os maus espíritos. A tradição é chamada de “Scherben bringen Glück ” (cacos trazem felicidade). Moral da história: trabalhando juntos, o casal pode enfrentar qualquer desafio que surgir durante a vida a dois.

Armênia: Pão casamenteiro

Quer descobrir quem é o seu futuro noivo? Na Armênia, homens e mulheres solteiras que desejam casar devem comer um pão salgado preparado por uma mulher de meia idade que possui um casamento feliz. Segundo a crença, após comer uma fatia dessa iguaria, você descobrirá quem é o seu futuro pretendente através de um sonho.

Congo: Casamento é coisa séria

Enquanto na maioria dos países os noivos não conseguem segurar a alegria e a animação em relação à cerimônia de casamento, casais congoleses devem guardar a felicidade para eles mesmos. Durante toda a cerimônia de casamento os noivos não têm a permissão de sorrir. Se eles o fizerem, fica subentendido que eles não estão levando à sério o compromisso do casamento.

França: Sopa no penico

pot-de-chambre-casamento-frances-tradicao-marie
Esta tradição se chama “la virée des mariés”. Depois da festa, quando os noivos já estão recolhidos, os convidados entram no quarto de levam uma gororoba, geralmente feita com chocolates e champanhes, para os noivos comerem. O grande problema é que esta “delícia” é servida em um pot de chambre, mais conhecido como penico por aqui. A crença é que a tradição daria uma força extra a dupla antes de curtirem a noite de núpcias. O conteúdo da mistura vai da criatividade dos convidados e os noivos são obrigados a consumir.

China: A noiva é o alvo

Os noivos da etnia Yugur fazem o papel do cupido na China. Eles têm como costume atirar três flechas (sem as pontas) em sua noiva. Em seguida, ele recolhe as flechas e as quebra durante a cerimônia de casamento para garantir um casamento que perdurará para sempre.

Fiji: Presentinho simples

Em Fiji, quando um homem quer pedir a mão da noiva para o pai dela, ele deve presentear seu futuro sogro com um dente de baleia. Fácil, não?

Japão: Tudo branco

Por aqui também é um costume a noiva usar um belo vestido branco na cerimônia de casamento, certo? No Japão essa tradição é levada mais a sério. Para celebrar o tradicional casamento Shinto, a noiva deve usar branco da cabeça aos pés, isso inclui maquiagem, quimono e capuz. O branco indica seu status de solteira, simbolizando que ela é pura. O capuz chamado de tsuno kakushi, esconde os “chifres do ciúme, ego e do egoísmo”. Ele simboliza a obediência da mulher em relação ao marido.
wedding-traditions-around-the-world-japan

Ilhas Maurício: Dieta da noiva

Enquanto por aqui, as mulheres ficam desesperadas para perder alguns quilinhos antes de entrar no vestido de noiva, nas Ilhas Maurício elas são forçadas a ganhar peso antes do casamento. Quanto mais cheinha melhor para o marido, já que a noiva bem alimentada traria riqueza e fartura para o casamento.

Malásia: Usar o banheiro? Não pode!

Ficar 3 dias e 3 noites confinados em casa não parece ser má ideia para os noivos, não é? Exceto por um pequeno detalhe: eles não podem utilizar o banheiro neste período, pois a prática traria má sorte ao casamento. Assim, o casal fica sem comer e recebe pouquíssima água para aguentar a tradição.

China: Noiva sentada

Ao sair de casa para o casamento, a noiva chinesa não pode tocar o chão com os pés, por essa razão ela deverá ser levada em uma cadeira tradicional chinesa (Sedan) até o local da cerimônia.
A família da noiva deve contratar uma mulher para cuidar dela até o final do trajeto. Ao chegar lá ela deve ser recepcionada com um guarda-sol vermelho e receber uma chuva de arroz, símbolo da saúde e prosperidade.
13-202-dennis-yap-photography-6-cj691


India: Casando com uma árvore

Segundo a crença indiana, homens e mulheres que nascem em um período que Marte está situados na 1 º, 2 º, 4 º 7 º 8 º ou 12 º casa são amaldiçoados. Se eles se casarem, seus cônjuges podem ter uma morte prematura por conta das forças negativas que Mangal Dosha exerce sobre o casamento. Porém, como para tudo existe uma solução, basta se casar com uma árvore ou uma estátua de Vishnu primeiro. O ritual quebraria a maldição. A famosa atriz de Bollywood Aishwarya Rai casou-se com uma árvore antes de se casar com seu marido, Abhishek.

Rússia: Quem tem a maior mordida?

Os pais dos recém-casados na Rússia oferecem um pão doce chamado Karavay aos noivos. Quem conseguir dar a maior mordida no pão sem a ajuda das mãos, a noiva ou o noivo, é considerado o chefe da família. O restante do pão é compartilhado com os convidados da festa, simbolizando assim que os noivos estão compartilhando a alegria da nova fase de suas vidas.
585664

Noruega: Coroa de berloques

Nos casamentos tradicionais noruegueses, as noivas devem usar coroas douradas e prateadas com pequenos berloques. Segundo o costume, o barulho produzido pelos berloques enquanto ela anda tem o poder de afastar os maus espíritos.

Paquistão: O sapato do noivo sumiu!

No Paquistão existe uma brincadeira chamada Jhooti Chupai, na qual as primas e irmãs da noiva roubam os sapatos do noivo durante a festa de casamento. Para ter os sapatos de volta, ele precisa pagar uma quantia em dinheiro que deve ser negociada com as “sequestradoras de sapatos”.

Cuba: Dança do dinheiro

Segundo o costume cubano, todo homem que desejar dançar com a noiva deve pendurar uma nota de dinheiro no vestido da noiva. A tradição serve para ajudar os noivos a pagarem os custos da lua-de-mel.
nota-dinheiro-vestido-noiva-casamento-cuba-tradicao

Foto: Getty


www.enoivado.com.br