AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 11 de fevereiro de 2017

O MILHAZES QUER É "MILHO"

José Milhazes editou agora um livro recheado de ódio à Rússia e á antiga União Soviética e que está a ser como é óbvio amplamente divulgado pelo jornalixo português inclusive pela Antena 1 (paga com o nosso dinheiro).
Ouvi a entrevista do rapazola aventureiro que começou no seminário e queria ser missionário mas que virou na actualidade na imitação do famigerado "Chico da CUF" onde dizia que na união soviética até as cadeiras só tinha duas pernas :).
Falta de roupa, falta de medicamentos, etc etc tantas privações que o "herói do anti comunismo" berra nas suas declarações faz-me perguntar onde aprendeu tanto para ocupar lugar de destaque nos comentadores preferidos do neo liberalismo fascista cá do nosso burgo.
Despedaça-se a comunicação social a entrevistar estas bestas da desinformação que vomitam ódio a tudo o que lhes cheire a esquerda e que sem dúvida fazem um bom trabalho servindo os que odeiam o 25 Abril e as suas conquistas.
O desgraçado até se dá ao luxo de contar anedotas sobre Brejev "caquétiico secretário geral do PC na URSS nas palavras do dito cujo" e Reagan à laia de qualquer reles anedoteiro de bordel.

Bardamerda pró Milhazes que viveu 38 anos na Rússia, lá estudou, e veio para Portugal cagar lantonas com a mira do dinheiro sujo do capitalismo. Bardamerda e já vai muito bem servido!

PS: a jornalista que o entrevistou derretia-se em baba por baixo e por cima com a verborreia virulenta do Milhazes herói do capital.
António Garrochinho

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS E.U.A.

















































http://pt.slideshare.net

Mercado Municipal de Faro vai ter sistema de climatização e ar condicionado



16649322_10212316509010604_4310814693032020406_n
Cerimónia juntou utentes e operadores na passada quarta-feira
O Mercado Municipal de Faro comemorou o seu 10º aniversário esta quarta-feira, dia 8 de Fevereiro e na cerimónia ficou prometida a instalação de um sistema global de climatização e ar condicionado.
O investimento, a suportar pela empresa municipal Ambifaro, gestora do mercado, será de cerca de 80 mil euros, “sendo de esperar que, até ao Verão estejam já a funcionar todas as máquinas”, afirma a autarquia em nota de imprensa.
“O projecto visa minimizar a problemática do défice de circulação de ar e da alta temperatura, que por vezes se fazia sentir nos dias mais quentes de Verão”, continua a Câmara de Faro no mesmo documento.
16473627_10212316515090756_1992428391969519426_n
Rogério Bacalhau, presidente da autarquia, a destapar os rostos do mercado

Durante a cerimónia de comemoração foi ainda inaugurada a exposição “Raízes do Mercado”, uma mostra de placards que vem “humanizar” as paredes deste equipamento municipal com as fotografias dos operadores, a que se soma uma frase identitária de cada um deles.


www.postal.pt

VÍDEOS - TAGADA, PROVAVELMENTE A DIVERSÃO MAIS LOUCA



Você já se perguntou o qual seria a sensação de ser jogado de um lado para o outro em uma tigela de metal gigante com apenas algumas barras de metal para segurar e evitar que você caia fora da tigela ou dê uma "carada" em outras pessoas? Se assim for, tudo que você tem a fazer é dar um passeio em um tal de Tagada, uma das mais perigosas atrações de parque de diversões já inventado. O Tagada não é tão rápido ou tão íngreme como uma montanha russa, mas é certamente mais perigoso.

Você pode gritar de terror ao andar em uma montanha-russa, mas no fundo você sabe que você está seguro no seu assento e as chances de algo dar errado são muito pequenas. Com o Tagada, por outro lado, a falta total de restrições de segurança faz com que o perigo de lesões físicas seja muito real, mas isso é exatamente o que o torna tão popular entre os que buscam emoção.

Quando a música começa a tocar, a bacia começa a girar e um operador começa a operar os braços hidráulicos sob o brinquedo que salta para cima e para baixo, muitas vezes sincronizando os saltos com a música. Não há nenhum cinto de segurança, nenhum arnês, apenas algumas barras de metal, e se você soltá-las, não há nada que o impeça de bater em outros pessoas, bater a cabeça nas partes metálicas ou voar para fora da tigela.

Em alguns países, como os Estados Unidos ou a Austrália, o Tagada é considerado tão perigoso que é proibido por lei. O brinquedo é muito popular em países europeus como o Reino Unido ou a Suíça, mas devido a uma série de lesões graves sofridas por usuários na última década, a versão utilizada nos dias de hoje é fortemente controlada, em comparação com os países asiáticos.

O blogueiro Waegukin afirma que na Coreia, por exemplo, a experiência de montar um Tagada varia com a velocidade do passeio e com a crueldade do operador. Eles podem apenas girar você suavemente, fazendo apenas alguns saltos ocasionais, ou eles podem saltar implacavelmente por 10 minutos, enquanto você impotentemente tenta recuperar o seu equilíbrio para não estragar este rostinho bonito.

Um vídeo filmado em um parque de diversões em Yangon, Myanmar, também mostra uma dúzia ou mais de usuários sendo jogados de um lado para o outro como bonecas de pano em uma tigela de Tagada. É divertido de assistir, mas aterrorizante ao mesmo tempo.


www.mdig.com.br