AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Utentes lutam por melhores condições de saúde no Barlavento Algarvio


Realizou-se ontem uma concentração de utentes junto ao Hospital de Portimão, no Algarve. Exigem a contratação de mais profissionais de saúde, mais meios e denunciam a política de «favorecimento» dos grupos privados neste sector.
Nesta acção, promovida pela Comissão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde de Portimão, foi aprovada uma moção onde os utentes expuseram as suas principais reivindicações e que será entregue a várias entidades.
A comissão lembra que «a fusão dos hospitais [de Faro, Portimão e Lagos] apenas constituiu uma opção economicista», que se revelou «desastrosa». Acrescenta que, paralelamente à transferência de cada vez mais serviços de prestação de cuidados de saúde para os privados, aumenta a degradação do sistema público de saúde, «com infraestruturas deficientes, desvalorização dos profissionais de saúde, racionamento de materiais, encerramento de serviços de proximidade, e agravamento do acesso aos cuidados de saúde».
A moção sublinha ainda que, com a entrada do verão, «o conjunto de problemas estruturais que se verificam no Hospital de Portimão, bem como na rede de cuidados primários de saúde em toda a zona do Barlavento Algarvio, tende a agravar-se» – à falta de resposta nas urgências, nas consultas de várias especialidades, nas cirurgias, junta-se a pressão decorrente «dos milhares de turistas que visitam o Algarve durante este período».
O utentes reconhecem «alguns esforços no sentido da contratação de médicos, enfermeiros e auxiliares, por parte do actual Governo», mas no entanto, consideram as medidas insuficientes, e , por outro lado, apontam que prossegue «uma política de favorecimento dos grupos privados de saúde, que só sobrevivem à custa dos recursos públicos que são desviados do Serviço Naional de Saúde».
A Comissão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde exige «a contratação de mais médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares»; «a reposição das valências retiradas pelo anterior governo»; «o reforço dos meios para responder ao período de verão»; e «o fim do favorecimento dos grupos privados de saúde por parte do erário público».
abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário