NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

domingo, 9 de julho de 2017

Uma sobrevivente do Holocausto encontrou essas velhas fotos... e resolveu um mistério oculto durante décadas!


Milhões de famílias foram separadas durante a abominável época do Holocausto. Muitas crianças que chegaram a escapar das inúmeras incursões de pessoas e abandonaram as terras da Alemanha Nazista, se encontraram vagabundeando de um lugar para outro, buscando rastros do que poderia ter acontecido a seus pais, irmãos e outros entes queridos. Infelizmente para muitas pessoas, as respostas para suas perguntas nunca iriam chegar.
Nascida na Alemanha Ocidental em uma família judia, Mirian Shapiro vivia com seus pais, sua irmã Edith e seu irmão mais velho Otto. Era o começo do governo Nazi. Embora tivesse apenas quatro anos, recorda perfeitamente de se esconder no quarto de seus pais durante a “Kristallnacht”, a noite dos cristais quebrados.
Na continuação lhe apresentaremos a história de Miriam. É um testemunho que vale a pena conhecer para ter sempre em mente aqueles tempos de repressão. Vale a pena recordarmos para que nunca mais ocorram atrocidades semelhantes na Terra.
Miriam se lembra também perfeitamente daquele dia em que os nazistas vieram e levaram seus pais enquanto ela e seus irmãos se escondiam debaixo da cama. Muito mais adiante descobriu que sua mãe havia desaparecido no gueto de Lodz (território da atual Polônia) e seu pai Jacob faleceu no campo de concentração Dachau 3 semanas antes da liberação desse campo.
Porém, o grande desaparecido era o irmão de Miriam. A mulher durante décadas buscou documentos que pudessem leva-la ao paradeiro de Otto e seus pais, incluindo informações sobre como e onde seu irmão havia morrido.
Não foi antes de terminar os anos 80 de idade que Miriam recebeu uma fotografia de Otto com a idade de 12 anos do Museu do Holocausto de Amsterdam.
A foto vinha acompanhada de um certificado de óbito. Essa era a prova final de que Otto havia falecido em um mosteiro, nos arredores de Londres que também servia como uma escola para órfãos. Com essa nova informação e com a ajuda de geólogos. Miriam finalmente encontrou a informação que buscava durante toda a sua vida: encontrou o tumulo de seu irmão.
Com suas duas filhas de cada lado, Miriam foi visitar o lugar de eterno repouso de seu irmão em um cemitério judeu localizado nos subúrbios de Londres. Uma vez ali, rezou uma oração para a alma de Otto.
Embora fosse uma situação triste, ela teve uma surpresa inesperada e muito mais alegre. Ante as lapides saiu em seu encontro Joey Flux. Se quer sabem quem é Joey Flux e o que une ele a Miriam, não perca a página seguinte.
Os pais de Joey, a família Flux, cuidou de Miriam durante sua infância em Manchester. Eles também cuidaram de muitas outras crianças depois da guerra. Quando Miriam tomou rumo a Israel, a mãe de Joey lhe disse que nunca se esqueceria da órfã. O encontro no cemitério foi o primeiro há 64 anos.
Miriam trazia consigo quatro pedras de Israel para a tumba de Otto. Cada uma representa um membro da família morto. Miriam comentou: “Tenho o direito de fechar o círculo e lamentar minha família”.
Mesmo a visita tendo sido muito dolorosa, Miriam está contente por ter tido a oportunidade de se despedir da sua família. Disse: “Tinha uma mãe, um pai, uma irmã e um irmão. Sou a única que segue com vida para poder contar a história”. Nos alegramos que Miriam encontrou o que há tanto tempo havia buscado. Quando se pode encontrar luz em meio a escuridão, a esperança segue sempre viva.


www.extraextranoticias.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário