AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 2 de julho de 2017

OS EXTINTOS GARIMPEIROS PORTUGUESES

VÍDEOS




GARIMPEIROS DO TEJO - ESTREMADURA



Eldorado Portugal, Caça ao Ouro; Rotas do Garimpo, Histórias de Pesquizadores, Auríferos: Manuel Ribeiro, o Último dos Garimpeiros Portugueses á Procura da Sorte nas Margens dos Rios


Os portugueses - Manuel Ribeiro, o último dos garimpeiros
Os portugueses, Manuel Ribeiro, o último dos garimpeiros, Há "graus impressionantes" de ouro em Évora, confirmadas as mais optimistas expectativas: há ouro no Alentejo, mais concretamente na freguesia de Nossa Senhora da Boa Fé, no concelho de Évora. A empresa canadiana Colt Resources anuncia em comunicado “graus impressionantes” do metal precioso junto à superfície


O garimpo de ouro no Tejo e no vizinho Ocreza terminou nos anos 50 do século passado mas Manuel Ribeiro Gonçalves, 85 anos, ainda o recorda, na aldeia de Foz do Cobrão, concelho de Vila Velha do Ródão.



Desmontando a caça ao ouro em Portugal

Évora - Perfurações no Alentejo confirmam descoberta de ouro. nós começamos por ordem alfabética... Como tal, Beja

A crise programada pela Elite do conhecimento, BilderbergComissão Trilateraltem como objectivo roubar os recursos naturais. Os Governos Sombra e a irmandade maçonica e o Fórum Portugal Global, que inclusivé usam passaporte próprio delapidou o país para dar origem á crise, consequentes avaliações negativas pela Arma de Guerra Económica Moody's, entrada do FMI, embaratecimento de mão de obra e da propriedade.

Portugal e Espanha têm um tesouro mineral debaixo dos pés. É um facto que iremos demonstrar com um estudo alargado que estamos a a publicar, na continuação da caça ao ouro da peninsula ibérica, já falámos de; As "aurarias" latinas, Consistórcis, e O ouro de Társis e das terras e Ribeira Aurífera de Oeiras, "Oeiras", areias de Ouro, in o Ouro de Mértola, O Ouro de Beja, tabelas que temos há mais de um ano.

 

Na continuação da caça ao ouro em Portugal, desta feita, para desenfastiar, sem mudar de assunto, vamos publicar a história de - Manuel Ribeiro, o último dos garimpeiros portugueses.

Tabelas Auríferas ouro, Dados de Registos de Ocorrências do Laboratório Nacional de Engenharia e Geologia LNEG Tabela de Ouro Distrito de Évora

Manuel Ribeiro Gonçalves, 85 anos, mais conhecido por Manuel «Paneiro» acabara de chegar do lagar de azeite e sentara há não mais de cinco minutos num sofá das instalações do GAFOZ (Grupo de Amigos da Foz do Cobrão): «Não gosto de estar parado. Gosto de andar ou então leio os livros que a câmara traz. Ultimamente li um da Isabel Alçada e esse grandalhão que está aí (“ 2666” de Roberto Bolaño). Li tudo mas não gostei muito. Do Sousa Tavares gostei muito, aquele passado em África».

Manuel já trabalhou muito no campo, nas ceifas no Alentejo, na azeitona e na vinha, vendeu fatos para homem e transportou limões da zona para vender no Mercado da Ribeira em Lisboa mas do que todos querem saber é dos seus tempos como garimpeiro no Tejo e no vizinho Ocreza.

«Eram anos de miséria. Só íamos para o rio pesquisar o ouro para matar a fome. Era preciso comer quando terminavam as ceifas ou a apanha da azeitona. Naquele tempo a aldeia tinha umas 600 pessoas e só oliveiras, batata, couves. Não havia cereais. Tínhamos 20 moinhos a água mas precisávamos de comprar o cereal para fazer o pão no mercado de Vila Velha do Ródão», conta Manuel, que começou no garimpo em criança com o pai.

Da Foz do Cobrão partiam grupos de três ou quatro homens que se espalhavam pelas margens alcantiladas do Ocreza, entre as fragas das Portas de Almourãoonde, conta a lenda, um dia dois pescadores encontraram no fundo do rio um carrinho de bois em ouro. «Queriam levá-lo para casa mas com a ganância deixaram-no resvalar e lá voltou ele para o fundo. É o que se conta, sempre se contou essa lenda».

Manuel e os outros garimpeiros chegavam a andar por ali semanas, dormindo à beira rio, pesquisando, lavando, uns dias com sorte, outros nem por isso. Usavam uma bandeja redonda em madeira. «Segurava melhor o minério».

Na bandeja vinha estanho, ferro, chumbo e com sorte algum ouro. «Era preciso ter cuidado para não deixar chumbo nenhum na bandeja. Depois, colocávamos o mercúrio. Este é que separava o ouro do resto. Ficava branquinho...». No final, aqueciam o ouro numa colher até o amarelecer.

«Dava poucochinho, se desse muito estava rico», conta a sorrir. À procura do ouro da Foz do Cobrão chegavam das bandas de Cantanhede os «malas verdes», ourives ambulantes empoleirados em bicicletas transportando um baú de folha-de-flandres. No mercado de Vila Velha do Ródão, tanto compravam como vendiam: «Aos 19 anos, no Dia dos Santos, comprei-lhes um relógio por 360 escudos, ganhava eu 15 a 16 escudos…Ainda o tenho».

À medida que os outros iam largando o rio e o garimpo, Manuel «Paneiro» foi dos últimos. «Andei lá até 1955». Hoje, Foz do Cobrão tem cerca de 40 habitantes, a maioria idosos. Ganhou alguma vitalidade e muitos visitantes com a criação do GAFOZ e a adesão à Rede das Aldeias de Xisto. «Aparece muita gente no Verão e nos fins-de-semana». Muitos querem saber como se fazia o garimpo de ouro no rio Ocreza e Manuel, um homem que gosta de conversar, nunca se faz rogado e leva-os até ao rio. «Sempre que há um grupo e me pedem eu vou…»

revoltatotalglobal.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário