AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Júdice diz que assaltantes de Tancos estavam a ser vigiados pelas autoridades


José Miguel Júdice afirmou na TVI que um “político de nível muito elevado” o informou 
que os responsáveis pelo furto em Tancos estavam "sob suspeita" e vigilância para 
serem apanhados "em flagrante delito".
daniel rocha
Foto



O advogado e comentador José Miguel Júdice afirmou esta noite, no seu espaço de comentário na TVI, que um “político de nível muito elevado” lhe revelou que o grupo responsável pelo furto em Tancos “já estava sob suspeita” das autoridades e que estava a ser seguido para ser apanhado “em flagrante delito”.

Colocando a questão com “toda a cautela”, o comentador garantiu que perguntou a este político que se poderia utilizar a informação. “Use com certeza. Pode ter a certeza de que é verdade”, foi a resposta da fonte do advogado, que lhe transmitiu a informação “olhos nos olhos”, relatou ainda Júdice. “Se calhar é um ponto que vale a pena averiguar”, desafiou o advogado“Eu até tenho medo de falar nisto. Eu ponho com todas as cautelas, porque se calhar isto nem é verdade. Há muita ‘boataria’”, começou por dizer Júdice. “Mas quem me disse isto é um político de nível muito elevado que me disse o seguinte: este bando, ou este grupo, já estava sob suspeita das forças de investigação. Das polícias. E não os conseguiram por sob escuta. E estavam a persegui-los, segundo parece, para os apanhar em flagrante delito”, afirmou, frisando que os militares não foram informados sobre as suspeitas.

www.publico.pt
.

Sem comentários:

Enviar um comentário