NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

domingo, 30 de julho de 2017

Invenções roubadas por nazis




 


Os nazistas foram talvez o grupo mais interessado em avanços que o século XX teve. Eles procuravam pelas melhores tecnologias porque sabiam que isso lhes garantiria vantagens e de certo modo alguns privilégios. Entretanto seus engenheiros às vezes precisavam de um empurrãozinho para desenvolverem as técnicas e os inventos mais estranhos que o mundo já viu. Muitos deles foram roubados dos inventores originais, mas principalmente de um dos maiores gênios do mundo, o sérvio Nikola Tesla.



O raio da morte - Nikola Tesla desenvolveu um projeto no mínimo bizarro e que tinha como função a proteção, já que ele era contra a guerra.
Na época ele procurava atrair a atenção dos militares para que pudessem patrocinar seus inventos e suas pesquisas. Dai surgiu a ideia de um raio da morte. O invento consistia em torres estrategicamente localizadas ao redor do pais e ao menor sinal de um iminente ataque aéreo, tais torres disparariam raios tão fortes que conseguiriam literalmente derreter qualquer aeronave, motores e cargas letais que pudessem carregar. Também tinha a vantagem de exterminar mísseis nucleares a uma boa distância. Tesla ainda afirmava que era possível exterminar facilmente um exército de um milhão de soldados de uma só vez. Ninguém sabe ao certo se Tesla conseguiu desenvolver tal raio, mas justamente no dia em que ele supostamente testou a arma, houve uma explosão em Tunguska, na Sibéria, que até hoje ninguém sabe como diabos aconteceu porque não tinham resquícios de meteoritos, bombas ou coisa do tipo.


Assustado, ele desmontou a arma e só foi revelar os detalhes anos depois para os militares americanos. Infelizmente eles nunca deram muita importância a esse invento até que começaram a surgir suspeitas de que os nazistas tinham tido acesso aos documentos originais. O interesse deles era vencer a corrida atômica, afim de desarmar ou criar algo mais poderoso do que a bomba que os aliados estavam desenvolvendo. Atualmente temos uma arma parecida: os lasers super poderosos e antimísseis.

Motor antigravidade - também conhecido por “black box” ou “caixa negra/preta”. Na época a marinha americana buscava algo para camuflar suas embarcações. A solução foi uma camuflagem óptica, na verdade uma ilusão que fizesse com que os aparelhos inimigos não detectassem as embarcações americanas. 
Tesla e mais 3 amigos criaram uma espécie de amplificador que consistia em 3 grandes geradores conectados afim de obter um campo eletromagnético capaz de enganar radares. A caixa negra continha um motor que funcionava com um plasma chamado HHO que inflamava dentro dela, o que era mais seguro do que um motor a combustão comum. Por fim um poderoso campo eletromagnético era gerado, capaz de atrair até as peças de metais mais pesadas e por isso necessitava de uma supervisão constante e muito cuidadosa. Entretanto, qualquer deformação na caixa poderia causar o caos. O motor não funcionaria direito e poderia causar destruição ao seu redor. A operação ficou conhecida como “Operation Rainbow Project” ou “Experimento Filadélfia”. Os testes, no entanto, assustaram os cientistas militares. 
O USS Eldridge quase sumiu e as pessoas relataram uma estranha névoa verde no lugar onde ele estava. Já alguns membros da tripulação queixaram-se de náuseas durante e depois do teste. A pedido da marinha, Tesla recalibrou o equipamento e fez um novo teste. Da segunda vez o navio desapareceu em um raio azul, mas os efeitos na tripulação foram catastróficos: além das fortes náuseas, agora tinham tontura forte, amnésia e alguns chegaram a desenvolver esquizofrenia depois. Alguns marinheiros foram encontrados presos em estruturas que tinham derretido na proa, sem contar que alguns desapareceram. Logo o projeto foi cancelado. Porém dois espiões nazistas, Otto Skorzeny (ex-guarda-costas de Hitler) e Reinhard Gehlen, afirmaram anos depois que conseguiram roubar um motor de antigravidade do segundo teste. Roubaram também outros projetos como o do disco voador (que falarei a seguir) e do raio da morte, depois mataram Tesla sufocado e em seguida fugiram em um submarino alemão para entregaram os projetos ao próprio “chefão”.

Otto Skorzeny e Adolf Hitler

Hitler queria vencer os aliados a qualquer custo, por isso grampeou o telefone de Tesla e seus espiões ficaram de olho nas invenções que ele criava para as forças armadas aliadas. Dias antes de roubarem, os dois espiões enganaram Tesla para que contasse quase tudo a respeito de seus projetos militares. Quanto aos espiões, bem durante o julgamento de Nuremberg foram ouvidos e sentenciados. Mais tarde o governo americano concedeu novas identidades em troca de informações valiosas e eles viveram até a velhice numa boa.

Disco voador - Utilizando 3 motores de antigravidade em um disco, mas distribuídos de forma estratégica, Tesla conseguiu fazer com que o disco flutuasse e pudesse se mover tão rápido que acreditava-se que chegava na velocidade da luz. Cada um dos motores tinha buracos que permitiam ver a luz do plasma inflamando lá dentro.


Tesla pretendia mostrar o invento na Convenção de Genebra e seria um equipamento para a paz, propagando energia wi-fi (sem fio).

Não demorou muito para os nazistas botarem a mão nos projetos e começarem a desenvolver os seus próprios discos voadores “Foo Fighters” conhecidos como Haunebu, Hauneburg-Geräte, ou Reichsflugscheiben (fala isso em voz alta e rápido haha). Nos bunkers subterrâneos, os engenheiros desenvolveram diversos tipos de discos sob a supervisão de Victor Schauberger. Naturalmente a maioria deles era equipado com canhões e artilharia pesada. Os primeiros da série foram os 4 Haunebus, depois veio o Die Glocke (ou sino nazista), os 11 Vrils e por fim criaram os 7 RFZs. Todos tinham uma característica em comum: eram circulares. Como eles podiam se mover tão rápido, então usavam uma tecnologia interessante: afim de não alterar o tempo-espaço, eles comprimiam o tempo-espaço frontalmente e o expandiam pela traseira. A velocidade também não passava de 15mil km/h graças à anulação de efeitos gravitacionais. Soldados aliados acabaram flagrando os testes várias vezes em vários lugares do continente.







Fotografias de Eduard Meier em Hinterschmidtrüti, na Suíça, revelam um equipamento com as mesmas especificações dos projetos de Tesla. Essa nave é chamada de Plejaren. A suposta nave extraterrestre tinha 44 esferas ressonadoras distribuídas pelo casco circular e que podiam emitir 44 frequências que ia num espectro desde o audível até o supersônico inaudível. Acredita-se que tal nave seja capaz de controlar o vapor de água afim de modificar atmosferas planetárias e facilitar o voo em diferentes planetas.


Na verdade essa tecnologia não é desconhecida por nós, humanos. Governos de todo o mundo tem maneiras de manipular o clima com campos eletromagnéticos colossais. Um desses países é, obviamente, os Estados Unidos que especula-se ter pelo menos 300 torres de campos eletromagnéticos instaladas por todo o pais e no Canadá também.

Conhecidas como HAARP e temidas pela galera das teorias da conspiração, essas instalações podem estar mudando o clima de uma forma jamais vista antes e causando terror com seus terremotos, tsunamis, tornados e monções intermináveis. O que se sabe é que ate o projeto HAARP é baseado no projeto “Nick” (Nick de Nikola) sob o comando do general LC Craigie, que foi quando o próprio governo americano copiou alguns projetos de Tesla sobre o motor antigravidade depois da Segunda Guerra Mundial para testar sua veracidade. Depois de um tempo o projeto foi descontinuado, os resultados nunca foram publicados e os documentos sumiram misteriosamente. Outro fato curioso é que muitas fotos de discos voadores das décadas de 30 a 60 foram tiradas durante os testes realizados com essas máquinas. Os civis comuns os viam, fotografavam e achavam que eram coisas extraterrestres quando na verdade eram só naves protótipo, verdadeiros drones das forças armadas americanas. Outros grupos desenvolveram vários tipos de discos voadores para diversas finalidades pelo mundo. Um deles vem da França com o projeto “Montgolfier”.


Agora pense um pouco. Será que os nazistas não poderiam ter desenvolvido a nave de Plejaren também?

Quase!
Por muito pouco os nazistas não roubaram os documentos da bomba atômica do projeto “Manhattan”. Já imaginou o estrago que fariam com uma coisa dessas na mão? Na verdade os alemães já sabiam dividir um átomo, mas era só uma questão de tempo para desenvolverem uma arma que usasse essa técnica.


Depois do final da guerra, os aliados descobriram toneladas de urânio enterradas por toda a Alemanha. As caixas deixavam claro que era um carregamento destinado aos Estados Unidos, ou seja, os caras interceptaram os carregamentos que provavelmente seriam usados em pesquisas e no desenvolvimento do projeto Manhattan. 

Direitos autorais roubados

Apesar de muitos considerarem Nicolas-Joseph Cugnot como o primeiro a construir um carro que era movido a vapor em 1770, outros consideram Gotlieb Daimler e Carl Benz como os inventores do automóvel com o Benz Patent-Motorwagen em 1886.


Mas há outro inventor. Siegfried Marcus, um inventor judeu que morava em Viena, na Áustria, inventou o automóvel em 1870.


Baseando-se em fotos da época, sabe-se que motor alimentado por petróleo usado nesse carro “pré-histórico” foi criado por volta de 1864 e depois usado em 1870 para mover um veículo. O protótipo foi testado na rua Mariahilfer Strasse, onde Marcus tinha sua oficina. Ele não tinha freios, embreagem, bancos e nem volante. Isso tudo tornava a condução bem difícil e as curvas eram feitas de algum jeito com as rodas traseiras. De qualquer forma é um veículo movido a um motor de combustão. Em meados de 1880, Marcus desenvolveu um segundo protótipo e desta vez bem mais parecido com o que temos hoje.


Tinha 4 rodas, ignição elétrica, bancos e uma alavanca que era usada pra guiar o veículo. Não era muito eficiente, mas dava pra andar nele. Assim que os nazistas assumiram o poder e botaram as mãos nos projetos, decidiram que um judeu não deveria ser a grande mente por trás de algo tão revolucionário. Então o que era melhor para a propaganda do governo nazista a aquela altura? Dar créditos a um austríaco judeu ou a dois alemães? A resposta é óbvia e até hoje nós creditamos os caras errados. Por fim os nazistas construíram seus carros com base nos projetos de Marcus secretamente. Das auto?

O traidor da coroa

George H. Scherff era o ajudante de Tesla. O prodígio de 14 anos estava cada vez mais inteirado nos projetos do inventor. O que Tesla nunca poderia imaginar é que o maledeto (maldito) era alemão, nazista e um informante. O garoto tinha sido enviado pelo próprio tio Adolfinho aos Estados Unidos afim de se infiltrar no meio do laboratório de Tesla. O inventor sempre reclamava da sua imensa e insaciável curiosidade, chamando-o de “George, o curioso”. Provavelmente foi graças aos seus relatos que Tesla acabou sendo morto. Em 1989, George H. Scherff se tornou o 41º presidente dos Estados Unidos. Mas calma, a coisa vai piorar muito! Veja bem, o antigo espião nazista Skorzeny alega que George H. Scherff era na verdade George H.W. Bush, o pai do George W. Bush! A prova? Há esta foto onde George, com uns 14 anos, aparece no meio vestido de marinheiro e ao seu redor está uma galera já bastante conhecida por todos nós.


Supostamente ele foi um dos primeiros alemães “agraciados” com a mudança de identidade fornecida em troca de informações valiosas, mas jamais poderia ter sido presidente por não ser americano. E sim, George W. Bush é descendente de um ex-nazista.


Há um grupo chamado "The Bush Connection" (A conexão de Bush) tentando coibir as ações dele na política internacional porque não confiam nessa família.

E hoje?

Logo depois da morte de Tesla, o serviço de inteligência americana entrou em ação e tratou de pegar todos os seus projetos o quanto antes. Notaram que alguns tinham desaparecido e logo suspeitaram dos nazistas. De fato alguns projetos estavam com eles, mas outros haviam sido vendidos pelo próprio Tesla para pagar suas dívidas. Ainda hoje a maioria não apareceu. Projetos recuperados estão supostamente trancados às 7 chaves em algum bunker-cofre americano. O caso é que depois da guerra, a operação “Paperclip” recuperou alguns desses projetos dos cofres de Hitler e seus engenheiros. Uma parte dos projetos ficou com os russos e outra com os americanos. Há décadas não se tem mais notícias desses documentos.

Larápios de primeira

E se você acha que os nazistas roubaram apenas projetos, então sabia que roubaram quadros valiosos e crianças também.

Os nazistas prezavam muito pela arte, fosse em quadros, livros, cerâmicas e até mesmo artigos religiosos. Eles achavam que nada disso deveria ser destruído por uma guerra, então roubavam as obras e relíquias das cidades que invadiam e as guardavam em segurança ou colecionavam mesmo. Hitler chegou a planejar construir um grande museu em Linz, na Áustria, onde morou quando criança. O museu teria o nome de “Führermuseum” e ali seriam expostas as melhores peças de arte do mundo, mas a guerra ficou mais difícil e os planos foram deixados de lado. Até hoje tem obras sendo recuperadas e devolvidas, mas há uma parte que ou sumiu ou foi destruída ao longo dos anos.

Enquanto judeus, homossexuais, negros e inimigos eram exterminados nos campos de concentração, os nazistas almejavam repopular o planeta com uma raça perfeita: a raça ariana. Há boatos de que haviam bunkers com mulheres loiras à disposição dos soldados e oficiais para a procriação em massa, praticamente um bordel “autorizado”. Eu acho difícil isso ser verdade porque Hitler era muito pudica. Duvido até que algum dia ele tenha dormido com a Eva, sua esposa, quem dirá autorizado um prostíbulo ariano. Ele mesmo já tinha dito várias vezes que sexo era uma coisa asquerosa e que prostitutas deveriam ser exterminadas. De qualquer forma, outra medida estava sendo tomada: salvar as crianças arianas. Um dos casos mais famosos aconteceu na Criméia, onde soldados sob o comando de Heinrich Himmler, um dos maiores defensores da ideia de a raça ariana ser perfeita, sequestravam crianças brancas e loiras de suas mães. Quando chegavam à Alemanha eram adotadas por famílias ricas nazistas. A ideia era oferecer do bom e do melhor a essas crianças de forma que acreditassem piamente de que o nazismo era correto e de que a raça ariana era perfeita. Acredita-se que pelo menos 12 mil crianças tenham sido sequestradas por toda a Europa. No final da guerra muitas dessas crianças foram largadas ou mortas (muitas foram adotadas por oficiais e quando eles se suicidaram por causa do final da guerra, elas acabaram morrendo junto). Até hoje tem gente procurando suas raízes pela Europa.

Quanto a Heinrich Himmler, o “gênio” por trás da ascensão ariana, o covarde se suicidou logo que a guerra acabou para não ser preso e julgado. Grande raça! Fogem como ratos ao menor sinal de ameaça.


umadblog.blogspot.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário