AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Greve na limpeza do São Francisco Xavier com forte adesão


Os trabalhadores que efectuam a limpeza do Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa, contratados da empresa Safira, estão a realizar uma greve de 24 horas e concentraram-se esta manhã na entrada principal do hospital, pelo pagamento dos feriados e contra os cortes feitos todos os meses nos seus salários.
https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/limpeza_hospitais.jpg?itok=xC-c8tFX
Trabalhadores da limpeza dos hospitais não estão a ser pagos nos feriados de acordo com o contrato colectivo
Trabalhadores da limpeza dos hospitais não estão a ser pagos nos feriados de acordo com o contrato colectivoCréditos
Segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Empresas, Domésticas e Actividades Diversas (STAD/CGTP-IN), a greve contou com uma adesão de 100% no turno da noite e de cerca de 92% no turno da manhã.
Trabalhadores desta empresa já se tinham manifestado, pelas mesmas razões, no passado dia 12 de Junho, em frente ao Hospital Egas Moniz e vão repetir o protesto no próximo dia 17, em frente ao Hospital Santa Maria, em Lisboa, informou o sindicato.
A estrutura sindical denunciou num comunicado que a empresa prestadora de serviços de limpeza nestes hospitais «há vários anos que tem a actuação de descontar, abusivamente, todos os meses, dinheiro nos salários como faltas injustificadas, sem que os trabalhadores e trabalhadoras tenham faltado». Sublinha ainda que neste mês a empresa fez descontos aos trabalhadores que tiveram direito ao descanso compensatório pelo trabalho em feriado, e que nalguns casos o dinheiro em falta ronda os 120 euros por mês.
O STAD acrescentou no documento que outra forma que a empresa tem «de ficar com o dinheiro dos trabalhadores» é não pagar o trabalho extraordinário prestado em dia de feriado. A empresa «não cumpre com a lei e o contrato colectivo de trabalho», uma vez que está a substituir o pagamento pelo dia de descanso, tendo os trabalhadores direito às duas coisas, sublinha a estrutura sindical.
Esta situação tem vindo a ser reclamada pelo sindicato junto da empresa, através de ofícios, no entanto não tem havido resposta. A estrutura sindical informa que depois do último protesto em frente ao Hospital Santa Maria, no próximo dia 17, tentará marcar uma reunião com a empresa, afirmando que, se não se concretizar, avançará para o Ministério do Trabalho.


abrildenovomagazine.wordpress.com

Sem comentários:

Enviar um comentário