AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 16 de julho de 2017

"Direita tem trauma", pin de Passos Coelho "não dá bem" com sua política



Em entrevista à agência Lusa, Jerónimo de Sousa, quase dois anos depois, não se arrepende do repto lançado ao PS para governar devido à "profundidade do desastre a que a política de PSD e CDS, durante quatro anos, conduziu o país" e consequente "derrota da ideologia das inevitabilidades", dos "cortes, liquidação de direitos, ataque aos rendimentos, particularmente dos trabalhadores".
"É um pin, um emblema, que não acerta com a política que [ele] realizou. Não é patriótico, por exemplo, entregar os nossos recursos e empresas estratégicas, submeter-se às imposições estrangeiras, designadamente da União Europeia. Isso não é patriotismo. Não é patriótico, entre os grandes interesses dos poderosos e os portugueses mais explorados e injustiçados, que a opção seja defender esses grupos económicos, estrangeiros, como se está hoje a verificar na vida, pela PT, seja por outros setores. Isso não é patriotismo. Portanto, o pin não dá bem com aquilo que [Passos Coelho] defendeu, propôs e concretizou", disse.
O secretário-geral do PCP vinca que, "de facto, PSD e CDS têm um trauma, que é verem fracassadas, mesmo no plano político e ideológico, todas as suas teorias das inevitabilidades".
"Estão fixados no passado com a ideia de que era preciso continuar o caminho de ataque aos direitos, continuar a política de privatizações, os cortes na Segurança Social - que é um objetivo que mantêm, embora lhe chamem reforma estrutural. Não são alternativa de coisa nenhuma, seria o regresso ao passado recente", afirmou.
No final da segunda sessão da XIII Legislatura, que já teve um Governo PSD/CDS-PP derrubado pela nova maioria parlamentar, a qual apoiou um executivo minoritário socialista - o XXI Constitucional -, António Costa lidera o país desde 26 de novembro de 2015, após as eleições de 04 de outubro do mesmo ano, nas quais a coligação "Portugal à Frente" (PSD/CDS-PP) se ficou por cerca de 37% dos votos.
"A questão aí, que se colocava, era ter novamente a repetição do Governo PSD/CDS, Era claro o desejo de continuidade dessa política desastrosa que o país sofreu. O afastamento de PSD e CDS do Governo constituía uma aspiração, reivindicação muito forte, dos trabalhadores e vários setores da sociedade portuguesa. Era um objetivo muito visível", reconheceu, questionado sobre se "o cimento" da maioria se baseou só na destituição de sociais-democratas e democratas-cristãos.
Além disso, para Jerónimo de Sousa, "afinal, houve passos adiante positivos, avanços, e verificou-se que a economia respondeu positivamente, tendo em conta a dinamização do mercado interno, a par das exportações".


www.noticiasaominuto.com

Sem comentários:

Enviar um comentário