AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


sábado, 15 de julho de 2017

BALÚRDIOS PARA OS SUBMARINOS DA MERDA - Atraso nas Finanças impede obras e reparação de submarinos no Arsenal do Alfeite

A empresa de construção naval tem o montante disponível desde janeiro.

O Ministério das Finanças ainda não deu luz verde para o Arsenal do Alfeite utilizar os seis milhões de euros que têm nos seus cofres para fazer obras durante um ano e dar início à reparação de submarinos,escreve o Diário de Notícias deste sábado.
 .
De acordo com várias fontes da Defesa contactadas pelo DN, “o caso tem de ser resolvido nos próximos dias”, uma vez que os prazos para poder cumprir o contrato de reparação do segundo submarino da Marinha já foram alongados e os seis meses de atraso estão a causar tensão no Alfeite.

Um porta-voz da empresa de construção e reparação naval adianta ainda que a falta de autorização por parte do gabinete de Mário Centeno está a pôr em causa um projeto qualificado pelo Arsenal do Alfeite como “essencial para a sua recuperação e internacionalização”.

Isto porque, conforme explicita o matutino deste sábado, há vários procedimentos que têm de ser cumpridos: publicação do concurso internacional com um prazo de 60 dias no Jornal Oficial das Comunidades e obras, cujo intervalo de tempo a definir varia entre os nove e os 12 meses.


A firma, pertencente à Base Naval de Lisboa, constrói e realiza a manutenção e reparação naval da Marinha de Guerra Portuguesa, de outras Marinhas da Nato e comerciais, tem o montante disponível desde janeiro.


 www.jornaleconomico.sapo.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário