NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sábado, 8 de julho de 2017

Alguns concelhos podem chegar a Agosto sem água



Alentejo e da Beira Interior deverão ser as zonas mais afetadas pela seca. É preciso procurar fontes alternativas e parar de regar espaços verdes, avisa o Secretário de Estado do Ambiente.

No final de junho cerca de 80% do território estava em seca severa ou extrema. E 18 das 60 barragens do Continente iniciaram o verão com menos de metade da água que conseguem armazenar. Com este cenário, vários concelhos do Alentejo e da Beira Interior podem chegar a agosto sem água para a população. É preciso procurar fontes alternativas e parar de regar espaços verdes, avisa o Secretário de Estado do Ambiente.

Carlos Martins admite, em entrevista à TSF, que estão a confirmar-se os piores receios que tinham há alguns meses: "De uma forma geral no país há motivos de preocupação e sobretudo na Bacia do rio Sado o caso já é mesmo muito preocupante".

SOM AUDIO
video


Os números do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos revelam que as dez albufeiras do Sado têm todas muito pouca água (abaixo dos 40%). Em algumas o valor ronda mesmo os 20% e o tempo quente ainda mal começou.

No resto do país a situação é melhor, mas praticamente todas as albufeiras têm menos água que a média histórica com algumas a apresentarem, também, valores muito baixos para esta altura do ano.

O governante diz que "é preciso tomar medidas de contenção de consumos, criar regras e sobretudo alertar para a situação gravíssima que estamos a viver", reunindo com os municípios que serão mais afetados.

Carlos Martins admite que além do Sado há uma zona da Beira Interior, perto da fronteira, que também pode chegar a agosto sem água para as populações se não forem tomadas medidas de imediato.

Parar de regar espaços verdes

A identificação concreta dos concelhos com mais problemas ainda não está feita, mas Carlos Martins explica que perante este cenário o governo vai de imediato ativar a Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, criada há pouco mais de um mês pelo Concelho de Ministros. Em paralelo, será nomeada e respetiva comissão técnica de apoio.

O governo promete ainda fazer rapidamente um plano de contingência para enfrentar a seca e evitar consequências mais graves a meio do verão. Na próxima semana começam as reuniões com agricultores, responsáveis pela gestão das albufeiras e os municípios que se prevê que tenham mais problemas no abastecimento de água.

O governo quer nomeadamente que nas autarquias mais afetadas se comecem a procurar ou reativar antigos furos de água que substituam o abastecimento que atualmente é feito, mas também que os municípios parem de regar espaços verdes.

O Secretário de Estado do Ambiente sublinha que é preciso definir prioridades e que "ninguém iria perceber que andássemos a regar rotundas numa altura em que há restrições de abastecimento à população ou ao gado. As rotundas não ficam com a mesma beleza... mas não são prioritárias", conclui.

Arroz é a primeira vítima da seca


No Vale do Sado os mais afetados pela seca são por esta altura os produtores de arroz que com pouca água tiveram de reduzir a produção (e consequentemente a receita) em 30%.

O representante dos produtores da zona, João Reis Mendes, sublinha que este é o terceiro ano seguido em que são afetados pela seca. Portugal vai acabar 2017 a importar ainda mais arroz que aquele que consome.

SOM AUDIO
video


João Reis Mendes diz que os produtores de arroz já sentem os efeitos da seca
Mais longe da Bacia do Sado, a Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo também recorda que os últimos anos já foram de seca e de graves dificuldades na alimentação dos animais, algo que se vai agravar neste verão de 2017.

SOM AUDIO


video



Pelos agricultores do Sul, Rui Garrido pede medidas urgentes ao governo
Recorde-se que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera alerta que no final de junho cerca de 80% do território estava em seca severa (72,3%) ou extrema (7,3%). Depois de um inverno com pouca chuva, a primavera também foi muito quente, seca e com uma chuva que apenas correspondeu a 75% do valor médio histórico para estes meses do ano.




www.tsf.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário