AVISO

OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturasedesacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá, obviamente, da minha aprovação que depende da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente, com a excepção dos que o sistema considere como SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam a apologia do racismo, xenofobia, homofobia ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 31 de julho de 2017

ALGARVE - Barcos espanhóis apanhados a fazer pesca ilegal de bivalves com ganchorra frente a Monte Gordo

Duas embarcações de pesca espanholas, que se dedicavam à pesca à ganchorra de forma ilegal, entre a a barra do rio Guadiana e a praia de Monte Gordo, foram apanhadas em flagrante pela Polícia Marítima, na madrugada de dia 25 de Julho.
Além de estarem a apanhar bivalves (conquilhas) numa altura em que a sua captura está interdita «por presença de toxinas», os dois barcos de pesca espanhóis estavam também a exercer a sua atividade «em período proibido» (durante a noite), «utilizando duas artes com caraterísticas técnicas ilegais», por serem dotadas de lâminas.
Segundo a Autoridade Marítima Nacional, «as artes e os bivalves foram apreendidos como medida cautelar e de polícia». Os bivalves, porque estavam «vivos e em bom estado de conservação, foram devolvidos ao seu habitat natural, as águas do mar».
Das infrações detetadas, «serão instruídos os respetivos processos de contraordenação», acrescenta a AMN.
A operação foi promovida pelo Comando-local da Polícia Marítima de Vila Real de Santo António, por terra e por mar, e foi «dirigida à atividade de pesca profissional com arte de arrasto – tipo ganchorra rebocada por embarcação».


«Na observância das restrições estabelecidas nos diplomas legais relativos à pesca, e ainda, como garantia da segurança da saúde pública, está proibido o exercício da pesca profissional dirigida a este espécime alvo na zona de produção – litoral L9, conforme publicação do IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera, de 21 de junho de 2017, por contaminação com toxinas DSP», acrescenta a AMN.​


www.sulinformacao.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário