NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

domingo, 2 de julho de 2017

A HISTÓRIA DOS OVOS FABERGÉ

Feitos de ouro e diamante, ovos de Páscoa milionários traziam 'surpresa'



O ovo vinha com uma réplica da carruagem imperial que demorou 15 meses para ser terminada. Ele faz parte da Coleção Forbes e foi leiloado em 2004 (Foto: Stan Honda/AFP)O ovo vinha com uma réplica da carruagem imperial que demorou 15 meses para ser terminada. Ele faz parte da Coleção Forbes e foi leiloado em 2004 

Confeccionados minuciosamente com materiais nobres como ouro, mármore e pedras preciosas, os ovos de Páscoa que possivelmente são os mais valiosos do mundo são ainda mais valorizados pela mística em torno de sua história, marcada tanto pelo luxo quanto pela tragédia.
Avaliados em milhões de dólares, os ovos Fabergé foram feitos entre 1885 e 1916 por encomenda da Corte Imperial Russa


O ovo de 1898 em uma exposição no Kremlin, em Moscou, em 2004. (Foto: Yuri Kadobnov/AFP)




Com fotos em miniatura da família imperial, o ovo de
1898 foi exposto no Kremlin, em Moscou, em 2004.

Em 1917, quando a família real foi assassinada pelos bolcheviques que deflagraram a Revolução Russa, seus tesouros (incluindo os ovos) foram confiscados, e seu paradeiro ficou desconhecido por anos.
Hoje, os 42 exemplares sobreviventes (eram 50, no total) são disputados em leilões de casas como Christies e a Sotheby's.
Alguns pertencem a colecionadores privados e outros podem ser admirados por turistas em museus na Rússia, nos Estados Unidos e na Alemanha (veja lista no fim da reportagem).

Presente para a imperatriz
Os famosos ovos receberam esse nome em homenagem a seu criador, Peter Carl Fabergé, joalheiro da família Romanov, que dominava o país na época.
Em 1885, ele recebeu a encomenda do czar Alexander III, que queria presentear sua mulher, a Imperatriz Marie Fedorovna, com um presente de Páscoa luxuoso.
Na época, a tradição era dar a amigos e parentes ovos de galinha pintados à mão nessa época do ano – uma data tão importante para a Igreja Ortodoxa Russa quanto o Natal para os ocidentais. Os ricos de São Petersburgo adaptaram o costume e passaram a dar joias como presentes.
Querendo unir as duas tradições, o czar encomendou a Fabergé um voo de Páscoa que fosse, na verdade, uma joia.
Todos os ovos Fabergé vinham com surpresas dentro (Foto: Laski Diffusion/East News/Liaison)

Todos os ovos Fabergé vinham com surpresas em
seu interior (Foto: Laski Diffusion/East News/Liaison)

O resultado foi um ovo coberto por esmalte branco por fora, imitando uma casca comum, que se abre revelando uma “gema” toda coberta de ouro. Essa gema, por sua vez, tem outra surpresa dentro: uma galinha também de ouro, que denominou essa primeira joia como o “Ovo de Galinha”.
Originalmente, ela continha ainda uma pequena réplica feita em diamante da Coroa Imperial e pendente de rubi em forma de ovo. Essas duas últimas surpresas se perderam.
O presente especial de Páscoa virou uma tradição na Corte, que foi mantida por mais de 30 anos. Até 1916, Fabergé criou ao menos um ovo ao ano, usado para presentear as esposas e as mães dos czares.
O trabalho era tão minucioso que cada um deles levava um ano ou mais para ser produzido, por uma equipe formada pelos melhores artesãos da época, que trabalhavam em segredo.
O tema mudava todo ano: em geral era inspirado nos laços de família, na vida na corte e nas conquistas da dinastia Romanov. O ovo de 1911, por exemplo, comemorava o 15° aniversário da ascensão de Nicholas II ao trono, e o de 1913, os 300 anos da dinastia.
A única exigência era que todos eles tivessem uma surpresa em seu interior. Um elefante de mármore, um cisne em miniatura e minimolduras com retratos dos membros da família imperial foram alguns desses presentes.
Para terminar uma dessas surpresas -- uma réplica perfeita da carruagem real em tamanho reduzido-- , Fabergé trabalhou durante 16 horas ao dia por 15 meses.
O Ovo de Galinha, primeiro feito por Fabergé (Foto: Stan Honda/AFP)O Ovo de Galinha, primeiro feito por Fabergé, tem uma "gema" feita de ouro (Foto: Stan Honda/AFP)
Mais de 3 mil diamantes
O ovo mais caro produzido por ele foi o de 1913. Feito de cristal finíssimo adornado com gravuras, platina e 3.246 diamantes, ele foi apelidado de “ovo de inverno” e ficava em uma base que parecia gelo derretido. Sua surpresa era uma cesta de platina com flores feitas de quartzo branco, ouro, jade e outros materiais preciosos.
O ovo “Laranjeira”, de Fabergé (Foto: William Thomas Cain/Newsmakers/Getty Images)
O ovo “Laranjeira”, de Fabergé (Foto: William Thomas
Cain/Newsmakers/Getty Images)

Na época, ele foi avaliado em 24.600 rublos, que equivaliam a 2.460 libras estima-se que no mundo de hoje isso equivaleria a 1,87 milhões de libras 
O “ovo de inverno” foi vendido pela casa de leilões Christie’s em Nova York em 2002, por US$ 9,6 milhões 
Não foi o mais caro. Cinco anos depois, o ovo Rothschild, criado em 1902, foi vendido em outro leilão por US$ 18,5 milhões

Fuga
Quando os bolcheviques tomaram o poder, o atelier, a loja e as joias produzidas por Carl Fabergé foram confiscados, e o joalheiro e sua família fugiram da Rússia.
Em uma determinação de 1951, a família perdeu o direito de produzir e comercializar peças com o nome Fabergé – direito que recuperou apenas em 2007.
A marca foi relançada em 2009 e tem a participação de Tatiana e Sarah Fabergé, bisnetas do joelheiro. Joias inspiradas no trabalho de Peter Carl – muitas delas com detalhes em forma de ovos – são vendidas em lojas de cidades como Londres, Nova York, Dubai e Hong Kong.
Confira alguns museus onde é possível ver alguns dos ovos Fabergé:

Museus do Kremlin
Moscou (Rússia)
Site: kreml.ru/en/museums/armoury/
Museu Fabergé
Baden Baden (Alemanha)
Site: faberge-museum.de
Virginia Museum of Fine Arts
Richmond (EUA)
Site: www.vmfa.state.va.us
The Walters Art Museum
Baltimore (EUA)
Site: thewalters.org
The New Orleans Museum of Art
Nova Orleans (EUA)
Site: noma.org
The Cleveland Museum or Art
Cleveland (EUA)
Site: www.clevelandart.org


g1.globo.com

3 comentários:

  1. recordar É VIVER COMO JOSÉ ENGOMES FERREIRA AJUDOU A ROUBAR OS PORTUGUESES NO CASO DO BES. VOU NUM INSTANTINHO AO YOU TUBE E JÁ VOLTO PARA COLOCAR AQUI O VÍDEO. QUANDO ELE VIR ISTO VAI P+ARA A SANITA COM A DIARREIA MENTAL PIOR QUE O ÂNGELO QUE É UM ENGENHEIRO ESPANTOSO DUMA INTELIGÊNCIA RARA CONHECE TODAS AS POLICIAS SECRETAS DO MUNDO E É UNHA COM CARNE COM A MOSSAD. LÁ VAI MAIS UMA PALAVRA PARA A CENSURA DO GOOGLE.

    ResponderEliminar