NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sábado, 22 de julho de 2017

22 de Julho de 1882: Nasce Edward Hopper, o pintor da solidão


Edward Hopper nasceu a 22 de Julho de 1882 em Nova Iorque, cidade onde também estudou desenho gráfico, ilustração e pintura. O artista Robert Henri (1865 – 1929) terá sido o professor que mais o influenciou, uma vez que encorajava os seus alunos a usar a arte para “fazer um movimento no mundo”, motivando-os a pintarem descrições realistas da vida urbana. Depois de completar a sua educação formal, Hopper fez três viagens pela Europa com o objectivo de estudar a cena emergente.

Hopper começou por trabalhar como designer gráfico apesar de ter continuado a pintar. Em 1925 produz “House by the Railroad”, uma obra que marca a sua maturidade artística. Trata-se do primeira de um conjunto de propostas que combinam o urbano e o rural, marcadas por linhas finas e formas largas, pintadas com uma iluminação incomum que procura captar a ideia de solidão que marca toda a sua obra. Hopper trouxe para as suas telas temas característicos da vida quotidiana norte-americana tais como as estações de serviço, bombas de gasolina, os hotéis, estações e linhas de comboio ou, simplesmente, as ruas vazias.

Hopper notabilizou-se pelas suas misteriosas representações realistas da solidão na contemporaneidade e, tanto nos cenários rurais como nos urbanos, as suas recriações fiéis do quotidiano reflectem a sua vida pessoal da vida moderna norte-americana. Neo - realista imaginativo, este artista retratou com subjectividade a solidão cosmopolita e a estagnação do homem, procurando, com os seus trabalhos, causar impacto psicológico no espectador. Alguns autores dizem que terá sido influenciado pelos estudos psicológicos de Freud e pelas teorias de Bergson que procuravam compreender subjectivamente o homem e os seus problemas.

As paisagens urbanas de Hopper são desertas, melancólicas e iluminadas por uma luz incomum .Os edifícios, geralmente enormes e vazios, assumem um aspecto inquietante e a cena parece dominada por um silêncio perturbador. Nas pinturas de Hopper reina a expressão da solidão, o vazio, a desolação, a estagnação da vida humana em personagens anónimas que jamais comunicam entre si. São obras que evocam o silêncio.

Edward Hopper morreu em 1967 no seu estúdio, espaço que ficava perto do Washington Square Park, em Nova Iorque.


wikipedia (imagens)
Auto retrato, 1906
Nighthawks (1942)
Chop Suey (1929)

Sem comentários:

Enviar um comentário